[Webinar] Segredos do Português: os erros mais comuns que se escondem no texto!

[Webinar] Segredos do Português: os erros mais comuns que se escondem no texto!

Você é um ninja no domínio da língua portuguesa?

Se você acompanha o blog da Comunidade Rock Content, já sabe que nunca devemos deixar de aprender sobre essa área quando o assunto é produzir conteúdo. Ter um conhecimento afiado dos preceitos e regras é indispensável!

Não importa se sua área de especialização é redação, revisão ou planejamento de pautas: conseguir escrever de forma clara e objetiva e evitar pequenos deslizes — especialmente aqueles que passam despercebidos! — é algo que não só facilita a comunicação como também aumenta a credibilidade dos seus serviços.

Pensando nisso, realizamos um webinar exclusivo sobre Segredos do Português: os erros mais comuns que se escondem no texto.

Bateu a curiosidade? Ao assistir a aula, você conseguirá:

  • identificar como os erros conseguem se camuflar no texto;
  • descobrir maneiras de detectá-los;
  • conhecer algumas ocorrências e por que elas estão erradas — ou não!

Confira abaixo a lista de dúvidas respondidas, links, posts e materiais de apoio!

Links citados no webinar

Ferramentas de revisão

Materiais complementares

Perguntas e respostas

Todas as dúvidas foram respondidas pela Lívia Chaves!

Pluralização e singularização de frases

“Boa noite! Tenho dificuldade com a pluralização ou singularização de frases como o exemplo seguinte: ‘As nossas ações acadêmicas ajudam escolas a repensar e modificar suas práticas. ou As nossas ações acadêmicas ajudam escolas a repensarem e modificarem…’”

O Dicionário de Dificuldades da Língua Portuguesa diz que o infinitivo se flexiona nos seguintes casos:

  1. Quando o infinitivo tem sujeito próprio, diverso do sujeito da oração principal: “Eu trouxe este vinho para (tu) o provares”.
  2. Quando vier regido de preposição e preceder a oração principal: “Até o encontrarem, muito terão que andar”.
  3. Em geral quando o infinitivo é verbo passivo, reflexivo ou pronominal: “Os pais mandaram seus filhos alistarem-se como voluntários”
  4. Sempre que for necessário deixar bem claro o agente ou o sujeito da oração: “Ele adiantou-se e deu sinal para ficarmos”.

O infinitivo NÃO é flexionado:

  1. Por via de regra, quando tem o mesmo sujeito que o verbo da oração principal: “Eles se julgam com o direito de invadir nossas terras”
  2. Quando forma locução verbal: “Não podemos deixar impunes esses crimes”
  3. Com os verbos deixar, fazer, mandar, ver, ouvir e sentir em construções do tipo: “Ela deixa-os sair à rua”.
  4. Em geral, quando a oração infinitiva é complemento de substantivos ou de adjetivos: “Assumimos a obrigação de indenizar as famílias das vítimas”
  5. Quando, precedido da preposição a, forma locução verbal e equivale a um gerúndio: “Viviam a elogiar aqueles homens sem lei”.

Diferença entre hífen, meia-risca e travessão

“Daria para repetir a diferença do hífen, meio traço e travessão?”

Resumidamente:

  • o hífen (- / alt+045) é um sinal gráfico utilizado para junções ou ligações de palavras (guarda-roupa, micro-organismo, vestir-se);
  • a meia-risca (– / alt+0150) era utilizada para junções de palavras que dão ideia de relação ou vínculo, mas não criam um significado novo (ponte Rio-Niterói, custo-benefício, relação mãe-filha). Depois do novo Acordo Ortográfico, utilizamos o hífen nessas situações;
  • o travessão (— / alt+0151) é um sinal gráfico de pontuação, equivalente à vírgula ou aos parênteses.

Palavras iniciais nos bullet points

“Eu tenho uma dúvida sobre os bullets points. As palavras iniciais devem ser maiúsculas ou minúsculas?”

A frase anterior aos bullet points deve terminar com dois-pontos, todos os tópicos devem começar com minúscula e terminar com ponto e vírgula — exceto o último tópico, que termina com ponto final. Dessa forma, obedecemos à regra de pontuação que exige minúscula depois de dois-pontos e de ponto e vírgula. Essa regra é corroborada pela ABNT (NBR 6024) no que diz respeito às alíneas, que são uma forma de organização do texto semelhante aos bullet points, usando letras em vez de ”bolinhas”.

Mas não é uma norma propriamente gramatical, então alguns manuais de redação ou de estilo podem optar por fazer de forma diferente. É bom lembrar também que, independentemente dessa escolha, a maiúscula deve permanecer se a primeira palavra do item for um nome próprio.

Uso do gerúndio

“Quais são as ocasiões em que o gerúndio pode ser utilizado?”

Apesar do preconceito que sofre, o gerúndio é uma forma legítima da língua e pode ser utilizado em diversas situações, especialmente para dar ideia de movimento, de continuidade ou de sequência. Entretanto, devemos evitar seu uso em construções com os verbos “ir + estar”, como em: “Amanhã vou estar apresentando um Webinar”. Nesse caso, poderíamos dizer apenas “Amanhã vou apresentar…” ou “Amanhã apresentarei…”.

Uso de “o mesmo”

“Nos textos da Rock Content é considerado erro o uso de “o mesmo” em substituição a pronome? Exemplo: “Antes de entrar no elevador, verifique se o mesmo encontra-se parado neste andar”.”

É melhor evitar o uso de “o mesmo” para substituir o pronome, inclusive por uma questão de clareza. Existem alternativas, como utilizar “ele”, “lhe”, outro elemento de referenciação ou simplesmente omitir o termo — dependendo da frase, é claro. Na dúvida, reformule a frase.

Uso de maiúsculas

“Nomes de livros ou de filmes devem ter as letras iniciais de TODAS as palavras maiúsculas? Tipo: Uma Mulher Vestida de Sol. Devo colocar aspas também?”

O uso de maiúsculas é opcional segundo o Novo Acordo Ortográfico, que sugere utilizar minúsculas em todas as palavras, com exceção da primeira e de eventuais nomes próprios.

Quanto às aspas, depende do meio em que o conteúdo vai circular. É necessário destacar graficamente o título para diferenciá-lo do restante do texto, mas o destaque pode ser feito de várias maneiras: aspas, itálico, negrito, sublinhado etc.

Uso da palavra “anexo”

“Então, pode parecer besteira mas deve ter muita gente com essa dúvida. O correto seria ‘seguem anexos os documentos’ ou ”seguem os documentos em anexo’?”

Uma dúvida nunca é besteira. 🙂

“Anexo” é um adjetivo, portanto concorda em gênero e número com o substantivo a que se refere. A maneira certa de dizer é “segue anexa a lista” ou “seguem anexos os arquivos”.

Além disso, de acordo com Cegalla, “anexo” não deve ser utilizado como particípio de anexar, o correto é “anexado”. Então, “o arquivo foi anexado ao e-mail”.

Gostou de saber mais? Deixe um comentário com seu feedback 😉

Bons estudos!