Por Bruna Venâncio

Literatura, filmes, séries e muita, mas muita música.

Publicado em 08/03/2019. | Atualizado em 28/03/2019


Toda semana, elegemos um freela para escrever para a gente com pauta livre. Essa é a história de como a Bruna se inspirou em uma série para fugir dos clichês, ser mais criativa e criar um post diferenciado para o Dia da Mulher!

Eu não precisava dizer isso, mas vá lá: eu sou muito, mas muito fã mesmo de Mad Men. Para mim, série mais perfeita não há. Os personagens são bem construídos, as cenas são tão lindas que merecem um print a cada segundo, os diálogos são de tamanha sagacidade que me faz desejar ter pensado neles primeiro.

Mas ver série é sempre esse momento em que você quer relaxar e pensar o mínimo possível em trabalho, não é mesmo? Sim e não.

Mad Men me ajudou a ter ideias fora da caixa em relação a uma das datas comemorativas mais batidas do calendário: o Dia da Mulher.

Criar conteúdo anualmente sobre essa data não é brincadeira.

Para quem não conhece, Mad Men é uma série que se passa no fim dos anos 50 e conta a história de vários personagens, mas o principal deles é Don Draper, um publicitário de sucesso que não mede esforços para ganhar uma conta e para surpreender o cliente.

relaxed mad men GIF

É, ele é um pouco canalha, sim. Porém, a série como um todo tem muito a ensinar sobre criatividade e sobre como construir e vender uma boa ideia.

Num dia de pouca inspiração e em que eu tinha de escrever um post para uma marca de beleza sobre o Dia da Mulher, Don Drapper me ajudou a não ser clichê e em não apostar nas ideias óbvias.

Ajeite-se na cadeira e segure o whisky, digo, o café, que eu vou explicar.

Mesmo quando a tarefa é óbvia, você pode ousar pensar em algo novo

Lá estava eu, pensando o que poderia dizer que fosse marcante e que não soasse como o velho “seja a beleza que você quer para o mundo”.

Uma das dificuldades de se escrever para uma marca de beleza é não recorrer a estereótipos que possam diminuir a imagem da mulher, em vez de enaltecê-la. Outra, é não usar (pelo menos não o tempo todo) frases evasivas, que sejam muito genéricas sobre a área de atuação do cliente, no caso, a área de beleza.

Como mulher, posso dizer que estamos um pouco enjoadas de flores (dos chocolates não, podem continuar mandando hahaha) e de frases feitas. Por isso, é bem difícil a gente se interessar de verdade por uma marca só pelos posts de Dia da Mulher, porque são sempre as mesmas ideias vazias.

Se eu dissesse tudo isso a Don Drapper, ele provavelmente diria, “se você não gosta do que é dito, mude de assunto”. E foi exatamente o que eu fiz.

Quando a ideia alheia não funciona, use a sua

Nunca vou me esquecer de um episódio de Mad Men em que a equipe estava quebrando a cabeça sobre como vender um produto de beleza. Havia duas opções:

  1. mostrar que o produto de beleza deixaria a mulher tão bonita, que em breve conseguiria um casamento (lembre-se de que se trata de uma série do fim dos anos 50…);
  2. mostrar que o produto poderia fazer parte de um momento em que a mulher cuidaria de si mesma (o que é bem mais progressista, não?).

Para chegar a uma conclusão, os personagens recorreram a uma pesquisa ao consumidor: colocaram várias mulheres da agência em uma sala e iniciou-se o bate-papo.

Porém, no meio da conversa, uma dessas mulheres, que estava com a autoestima ferida, começou a chorar e a contar como não se sentia bonita e coisas do tipo.

Quando ela desabafou, as demais se sentiram impelidas a testemunhar sobre seus relacionamentos fracassados e o resultado da pesquisa foi o equívoco de que as mulheres querem mesmo é casar.

Isso mostra que nem sempre o mais importante é criar baseando-se somente em pesquisas de opinião pública. Elas podem ser falhas e não corresponder especificamente à realidade de seu cliente.

Não estou dizendo que não se deva dar a devida atenção às pesquisas. Mas também é importante entender qual é a imagem que seu cliente gostaria de passar e como fazer com que essa imagem se destaque entre as demais.

Nota do editor:
Quer aprender como produzir materiais incríveis com base em suas experiências cotidianas? Confira nosso ebook sobre Como produzir conteúdos criativos a partir de experiências do dia a dia!

Como produzir conteúdos criativos a partir de experiências do dia a diaPowered by Rock Convert

Quando tudo mais der errado, Mad Men ensina: sente e escreva

Enquanto me desesperava com o prazo e com a possibilidade de recorrer a ideias vazias e que não conseguiriam engajar o público do meu cliente, lembrei de uma ideia que Don Drapper deu à personagem Peggy para os momentos de falta de criatividade: sente-se e escreva qualquer coisa que vier à cabeça. E foi o que eu fiz.

Abri um documento em branco no computador e sem pensar escrevi “transformação”, uma palavra que uso bastante para essa marca em questão..

Escrevi, escrevi e escrevi. Escrevi sobre o quanto a ideia que temos de beleza se transformou ao longo dos anos e o quanto isso é importante para nós mulheres. Já que, hoje, temos maior autonomia para fazer escolhas que sejam mais agradáveis para nós, mesmo com todos os padrões que existem sobre o que é a beleza.

Quando terminei, estava diante de mim um verdadeiro manifesto da marca sobre a liberdade de escolha da mulher e o quanto isso ajuda a transformar o mundo em algo melhor. Mostrei o quanto a marca apoia essas escolhas e que, para isso, cria produtos que possibilitem escolhas conscientes.

Foi o post mais bonito que eu já tinha criado. Só conseguia me orgulhar 🙂

E você? Já escreveu algo diferente com a ajuda de alguma série, filme, livro? Quer contar para a comunidade? Escreva para nós e conte a sua ideia. Seu texto pode aparecer aqui no Coluna Freela!

Bruna Venâncio

Bruna Venancio

Redatora freelancer e cantora de Jazz e Blues.

Essa foi a história de como a Bruna se inspirou em Mad Men para fugir dos clichês e criar um post diferenciado para o Dia da Mulher.
Você tem alguma história de vida como freelancer que gostaria de compartilhar com a gente? Confira o form abaixo.

powered by Typeform

Posts populares com esse assunto