Por Luís Cunha

Redator freelancer na Rock Content.

Publicado em 11/02/2018. | Atualizado em 01/04/2019


O lema é dividir para conquistar, não é mesmo?

Pense bem: quantas vezes você já abandonou um blog ou um site por causa dos imensos blocos de texto que preenchiam a tela do seu computador, tablet ou smartphone? Pois é, os amontoados de palavras grandes e densos demais espantam visitantes e demonstram que o autor, além de não ter capricho, é leigo.

Leigo porque ele não sabe, por exemplo, que um artigo escrito da forma correta — isto é, com os subtítulos nos seus devidos lugares — torna a página bem mais atraente. Essa divisão ajuda o leitor a entender, à primeira vista, qual é o assunto do texto e o que ele ganha com a leitura de cada parágrafo.

De acordo com esta pesquisa da Nielsen Norman Group, 79% dos usuários da internet usam a escaneabilidade (a famosa “leitura dinâmica”) para avaliar uma página em vez de ler o seu conteúdo de cabo a rabo. Só então eles decidem se vão prosseguir ou fechar o navegador.

a atração não é a única vantagem. Além de tudo o que já foi dito, os subtítulos também tornam o seu trabalho enquanto redator mais fácil, já que eles podem organizar as ideias a serem desenvolvidas nos seus textos.

Agora que você já sabe qual é a função e a importância dos subtítulos, que tal aprender a usá-los a seu favor? Neste post, a gente vai te ensinar como criar subtítulos capazes de prender a atenção do seu leitor da primeira à última linha do seu artigo. Confira!

Escreva subtítulos divertidos com cuidado

Em textos para internet, os subtítulos leves e divertidos quase sempre são uma boa escolha, mas nem por isso você pode exagerar na brincadeira, sobretudo com os trocadilhos. O resultado pode ser um clichê, e o que você menos quer é ser repetitivo ou enfadonho.

Por exemplo: em um texto sobre doenças, o subtítulo “Fique de olho” pode soar divertido, mas não diz muita coisa sobre o parágrafo em si. Na realidade, ele poderia tratar sobre qualquer assunto, como os principais métodos de prevenção ou os problemas oftalmológicos mais comuns.

Para impedir que isso aconteça, leia cada trecho com atenção e se pergunte: qual é a parte mais importante desse parágrafo? Qual é a ideia central desse tópico? A resposta para essas perguntas vai te ajudar a encontrar um subtítulo certeiro.

Veja uma lista de conteúdos que irão ajudar você a estruturar seus textos! ✍️
Título de texto: aprenda a causar a melhor primeira impressão
Como fazer uma introdução perfeita: o guia definitivo
Como fazer uma conclusão perfeita!
Textos Argumentativos: veja como trabalhar seus argumentos da melhor maneira
O que é resenha e qual é a diferença para o resumo?
Como fazer uma resenha: o passo a passo definitivo para uma resenha perfeita
Descubra como fazer um resumo de qualidade em 7 passos

Evite as palavras complicadas demais

Existe outro problema bastante comum entre as pessoas que escolhem ser mais criativas: a complicação. Vamos retomar o nosso exemplo. No texto sobre doenças, você pode escolher entre manter as coisas simples com “Os sintomas da conjuntivite hemorrágica” ou redigir “Os males que o vírus coxsackie A4 pode causar nos seres humanos”. O que você prefere?

Embora a segunda opção seja mais informativa, ela também é mais confusa. Lembre-se de que, antes de qualquer coisa, os subtítulos servem para tornar a sua redação mais clara. O que as pessoas querem é encontrar uma solução rapidamente, não perder tempo decifrando o que está escrito.

Crie um padrão e mantenha-o

Eis uma regra de ouro para uma ótima redação para a web. Todos os subtítulos do seu texto devem ter algo em comum, uma espécie de padrão. A justificativa? Itens com uma natureza semelhante tornam a leitura mais fluida. Dê uma olhada nesse exemplo:

  • Marketing de conteúdo: o que é isso
  • Quais são as vantagens do marketing de conteúdo?
  • Veja só quais são os gastos dessa estratégia!
  • Aplique o marketing de conteúdo no seu negócio e cresça

Você deve ter percebido que não há uma única lógica que guia a construção dessas frases, e essa lista traz uma mistura de tópico, dúvida e sentenças no imperativo. Que tal substituir tudo isso por questões, por exemplo?

  • O que é marketing de conteúdo?
  • Quais são as suas vantagens?
  • Quais são os custos dessa estratégia?
  • Como aplicá-lo em meu negócio?

Bem melhor, né?

Outro detalhe importante: os subtítulos devem ser coerentes em seu comprimento. Afinal de contas, não há consistência em um texto com vários subtítulos curtos e que é encerrado com um subtítulo extremamente longo. Se você procura por uma medida ideal, pense que 5 a 6 palavras já estão de bom tamanho.

Essa dica do comprimento, inclusive, é uma ótima maneira de manter a força dos seus subtítulos. Basta analisar: “Acabe com seus problemas de marketing” é mais impactante do que “Os problemas de marketing e como evitá-los em sua empresa”. Concorda?

Conecte os subtítulos ao título

OK, o tom divertido não se encaixa muito bem no seu texto. Então que tal fazer uma ligação entre o título do texto e todos os seus subtítulos? Além de simples, essa atitude garante que você não vai fugir do tema principal e que o desenvolvimento da sua redação vai ser coerente.

Por exemplo: se você está escrevendo um blog post com o título “5 dicas para aumentar a sua produtividade no trabalho”, os subtítulos podem ser as próprias dicas para o leitor alcançar o objetivo.

  • Durma e se alimente corretamente
  • Evite o excesso de perfeccionismo
  • Desconecte-se das redes sociais
  • Conte com a ajuda de aplicativos
  • Use um software de gestão empresarial

Pense no tamanho da publicação

Para que os seus subtítulos estejam harmonicamente distribuídos ao longo de um texto, uma boa ideia é pensar no seu tamanho total. Não é que você precise fazer uma divisão exata do número de palavras utilizado ao longo da sua composição (como dividir um texto com cinco intertítulos em blocos de 200 palavras, mais ou menos). Mas é muito mais fácil manter a escaneabilidade da publicação quando você cria intertítulos com comprimentos parecidos.

escaneabilidade é um aspecto importante na produção de conteúdo para a internet porque garante que quem chega até o seu texto tem mais chances de fazer a leitura. Afinal, é este o recurso que utilizamos para passar por todos os parágrafos de um artigo antes de decidir se queremos lê-lo.

Durante essa breve análise de escaneabilidade tomamos a decisão de consumir ou não um conteúdo, com base no que podemos observar “batendo o olho”. Procuramos por palavras-chave, tentamos averiguar se há menções aos temas que são nossas principais dúvidas e se a leitura nos trará mais dúvidas do que soluções.

Manter um texto escaneável também significa fazê-lo em frases mais curtas. Isso também é verdadeiro quando pensamos em como criar subtítulos. Quando eles são extensos demais já temos, de cara, a impressão de que encontraremos certa prolixidade no corpo do texto.

Divida o texto em temas e pontos principais

Uma forma de garantir que os seus subtítulos serão todos interessantes e contemplarão o tema abordado é dividí-los em temas e pontos principais. Digamos que você esteja falando, por exemplo, de cloud computing. O natural, então, seria criar uma estrutura de tópicos similar a essa:

  • O que é cloud computing?
  • Como cloud computing pode ajudar a minha empresa?
  • Quais são os benefícios da computação em nuvem?
  • Como dar início a sua implementação?
  • O que não fazer na hora de adotar cloud computing?

Mais ou menos tópicos podem se fazer necessários de acordo com a abordagem do artigo em questão, acordada no briefing. Mas estruturar os tópicos de um texto de acordo com o tema que eles abordam e em torno de algumas perguntas e respostas pode facilitar a vida de um redator quando é hora de criar intertítulos.

Distribuí-los em pontos principais também será muito útil para o seu leitor. É que nem todas as pessoas que chegam até um texto, de forma orgânica, querem toda a informação que está contida neles.

Em muitos casos, o usuário precisa de apenas uma dessas respostas. E mostrar que você as têm pode até convencê-lo que consumir todo aquele conteúdo é uma boa ideia. Utilizar essa técnica é muito importante na hora de criar conteúdos âncora.

Esses conteúdos são referência em seu blog e podem ser citados por outras páginas, gerando tráfego para um website.

Use a palavra-chave foco nos subtítulos

Palavras-chave são aquele grupo de termos utilizados para atrair o interesse do leitor em um determinado conteúdo. Sem elas, pode ser difícil discernir que um texto fala exatamente sobre o assunto que você quer ler. Pensando ainda no exemplo de cloud computing citado no tópico anterior, imagine o quanto seria difícil para um usuário discerní-lo se o texto em questão se chamasse “Tudo sobre a inovação do momento”.

É que “a inovação do momento” pode se referir a uma série de coisas. E, na busca por um conteúdo relacionado à computação em nuvem o mais natural é que coloquemos esses termos no Google. Então, um texto que não contém uma palavra-chave relevante já falha em atrair tráfego desde o começo.

Mas quem dera este fosse o único problema. Para ganhar espaço nos motores de busca um texto precisa conter uma palavra-chave com alguma frequência natural. Ou seja, como ela apareceria no discurso e não em um copy-paste com objetivo de subir posições no rankeamento.

Uma das maneiras de incluir a palavra-chave na linguagem natural é citá-la, pelo menos uma vez, nos seus subtítulos. Mesmo porque, ela é o tema principal do seu texto e é natural que seja expandida em pelo menos um deles.

Quando o motor de busca for escanear o conteúdo do seu website ele levará essa inclusão em consideração. E perceberá o seu conteúdo como mais relevante do que aquele, quase idêntico, produzido por um site que se esqueceu de incluir o termo em seus subtítulos.

Nota do editor:
Para aprender mais sobre as as melhores práticas no uso de palavras-chave em seu conteúdo, assista à nossa videoaula Escrever para SEO: como usar palavras-chave corretamente!

Como escrever para SEOPowered by Rock Convert

Faça com que todos eles estejam na mesma linguagem

Assim como é importante criar um padrão em seus subtítulos e mantê-lo (ou seja, continuar com perguntas se o primeiro é uma pergunta ou afirmações se o primeiro for uma afirmação) também é necessário seguir uma mesma linguagem. Quando falamos de linguagem estamos nos referindo, especificamente, a como as coisas são colocadas para o leitor em termos de familiaridade ou grau de formalidade.

Imagine que o seu primeiro intertítulo é algo bastante descontraído. Não faz sentido pular disso para a notação científica, sem mais nem menos. A impressão que o leitor tem, quando isso acontece, é a de que está lendo um material completamente diferente do que aquele que o cativou.

Manter um padrão em termos de linguagem é também uma forma de assegurar para o seu usuário que trata-se de um conteúdo original. Copiar e colar textos costuma ter o efeito citado acima. Parece sempre que não foi a mesma pessoa que escreveu cada um daqueles trechos (neste caso porque realmente não foi).

Padronizar intertítulos quanto a linguagem é dar a eles a mesma cadência, estrutura e estilo, para que o leitor perceba uma contextualização. É essa contextualização que o ajuda a entender que aqueles fragmentos todos, quando somados, formam um conhecimento completo.

Confira um compilado de conteúdos para te inspirar a produzir textos incríveis! ✍️
Como escrever bem: 39 dicas para começar agora
Inspiração para escrever: 15 dicas de como ter ideias para escrever
Storytelling: tudo sobre a arte de contar histórias inesquecíveis
Copywriting: entenda como dominar a escrita persuasiva

Equilibre o uso das tags H

Por último, um recurso que você nunca deveria deixar de usar são as tags H. elas aparecem em um blog na forma H1 (título), H2 (subtítulo), H3 (subtítulo de H2) e assim por diante. Em geral, porém, só vimos H1, H2 e H3 em ação porque essas são as principais tags consideradas pelo Google ao posicionar uma página.

Você deve lembrar que essas estruturas existem por um motivo. Elas ajudam a hierarquizar o conteúdo de um blog e a distribuir melhor seus tópicos, seja para que fiquem mais escaneáveis ou seja para que possam ser entendidos com facilidade.

Então se um subtítulo H2 pede intertítulos, numerados ou não, eles devem vir na forma de subtítulos H3. Assim, sabemos que eles fazem parte do conteúdo de H2 e não de H1.

Uma dica bônus: não é preciso se preocupar em como criar subtítulo para a conclusão dos seus textos. Na hora de escrever a famosa retomada de ideias, você pode seguir direto sem preocupações. O mesmo vale para o call to action: um CTA não demanda qualquer divisão do restante do conteúdo. Quer um exemplo? Confira os parágrafos a seguir:

Não existe muito mistério para criar bons subtítulos. Se você tentar fugir do óbvio — com cautela, é claro —, evitar termos e construções rebuscadas demais, estabelecer e seguir um padrão e conectar tudo à ideia central do texto, é certo que terá feito um bom trabalho.

E você, conhece outra boa dica que ficou de fora desta nossa lista? Então deixe um comentário e conte para a gente como criar subtítulos capazes de chamar a atenção dos leitores! Aproveite a sua visita em nosso blog para baixar o e-book Guia definitivo do texto perfeito e descobrir como fazer suas redações serem melhores, do brainstorming às técnicas de persuasão.

Guia definitivo do texto perfeitoPowered by Rock Convert

Posts populares com esse assunto