Por Raissa Galvão

Analista de Marketing na Rock Content.

Publicado em 29/07/2016. | Atualizado em 16/06/2017


Mesmo que redatores produzam conteúdos de assuntos extremamente variados, desenvolvemos um estilo próprio de escrita, de formatação e de vocabulário. Entretanto, quando nossa tarefa é o ghost writing, a situação muda de figura. Nessa modalidade de escrita, o redator deve passar a impressão de que o texto partiu de seu cliente — seja uma pessoa […]

Mesmo que redatores produzam conteúdos de assuntos extremamente variados, desenvolvemos um estilo próprio de escrita, de formatação e de vocabulário. Entretanto, quando nossa tarefa é o ghost writing, a situação muda de figura.

Nessa modalidade de escrita, o redator deve passar a impressão de que o texto partiu de seu cliente — seja uma pessoa física ou empresa —, e não dele próprio.

Portanto, o ghost writing exige alguns cuidados específicos para que você seja bem-sucedido. Quer saber quais são eles? Continue a leitura e conheça os segredos do ghost writing!

Entenda a voz do cliente

A ideia do ghost writing é projetar a voz do cliente, contando com a habilidade e o talento do redator. Portanto, para se dar bem nesse tipo de escrita, é fundamental estudar e conhecer a fundo a voz do seu cliente. Ela servirá como guia para a sua produção de conteúdo.

Se você for escrever no lugar de uma pessoa específica, procure conversar com ela e ter acesso a materiais que ela mesmo produziu (vídeos, artigos, etc.).

Fique atento ao tipo de vocabulário utilizado: seu cliente fala muitas gírias ou expressões regionais? Usa palavras complexas e pouco usuais? Perceba também as características de seu discurso: se ele é envolvente, divertido, sarcástico, acadêmico, etc.

Ou, então, sua tarefa pode ser a de dar voz a uma empresa. Nesse caso, é preciso estar ciente dos valores que seu cliente quer passar e de quem é seu público-alvo.

Jovens estudantes antenados pedem uma linguagem totalmente diferente de pessoas mais velhas em cargos de chefia, por exemplo.

Uma constante, entretanto, será o desejo da empresa de firmar-se como uma voz de autoridade sobre os assuntos de que trata.

Conheça o conteúdo prévio

Se seu cliente já tem materiais produzidos, você deve conhecê-los para verificar o tipo de produção que interessa a ele e o estilo da linguagem desenvolvida.

Se sua missão é escrever um texto para um blog, por exemplo, a tarefa é fácil: visite o endereço e leia alguns dos posts já publicados. Isso te dará uma ótima orientação quanto ao que o cliente espera de você.

É interessante também conhecer trabalhos em outros meios que seu cliente pode ter produzido. Ele pode nunca ter publicado um texto na internet, por exemplo, mas frequentemente dar palestras.

Mesmo sendo outra forma de conteúdo, isso também ajudará você a perceber de que forma o cliente se comunica e como gosta de interagir com seu público.

Podcasts, artigos acadêmicos e vídeos são ótimas ferramentas para demonstrar as temáticas que seu cliente valoriza, seus interesses e a dinâmica que deseja estabelecer com seu público.

Una as qualidades do cliente às suas

Este é o objetivo principal do ghost writing: unir a voz do seu cliente às suas habilidades como escritor. Por isso, é preciso ser perceptivo para entender quais são as qualidades do seu cliente que você deverá absorver e utilizar enquanto redator — e quais são os obstáculos na comunicação que você deverá consertar.

Preste atenção ao que ele valoriza quando se comunica com seu público: seu cliente preza, por exemplo, por um relacionamento próximo ou mais formal? Isso é importante para que você consiga estabelecer, através de seus textos, a dinâmica desejada pelo cliente.

Através dessa percepção e pesquisa, você será capaz de refletir o estilo e a personalidade do seu cliente através de textos formalmente eficientes e que sigam o planejamento determinado.

Seu cliente pode ser, por exemplo, tímido e inseguro quando fala em público, mas dono de um senso de humor envolvente. É essa qualidade positiva que você vai refletir em seu texto, eliminando as dificuldades (timidez e insegurança) que o cliente encontra quando a comunicação fica por conta dele mesmo.

Ele é simpático e gentil, mas explica-se de maneira confusa? Invista nesses traços da personalidade do cliente, mas transmitindo as informações de maneira mais clara e estruturada.

Conheça seu público-alvo

Para uma comunicação realmente eficiente, é fundamental conhecer quem receberá sua mensagem. Seu cliente pode ter um discurso seguro e informativo mas, por exemplo, ser excessivamente técnico.

Isso se encaixa no público que vocês querem alcançar? Se a resposta for não, é preciso contornar a situação.

Mais uma vez, trata-se de usar sua expertise de redator para moldar a voz do cliente, de forma que ele possa transmitir sua mensagem da maneira mais eficiente possível.

Pegando como exemplo o mesmo cliente do parágrafo anterior, uma solução nesse caso seria aproveitar todo o conhecimento e autoridade que ele tem no assunto, mas transmiti-los de forma mais leve e envolvente.

Desenvolva seu vocabulário

Enquanto redator da modalidade ghost writing, você poderá ser contratado para escrever sobre os mais diversos assuntos, para clientes de inúmeras áreas.

Por isso, pra produzir conteúdos de qualidade, é fundamental absorver o vocabulário específico da área para a qual você vai escrever.

Um texto voltado para professores universitários, por exemplo, é bem diferente de um dirigido a advogados empreendedores. Ao conversar com seu cliente, fique atento aos jargões e expressões que ele utiliza, e pesquise para ficar por dentro das expressões próprias da área.

Dessa forma, seu texto não só terá mais qualidade, como também será capaz de transmitir autoridade para os leitores.

Valorize o feedback

Seja positivo ou negativo, o feedback é uma das melhores ferramentas para entender o que está funcionando muito bem e o que você ainda precisa melhorar. E quando se trata de ghost writing, não é diferente!

Mostre-se aberto aos comentários do cliente para que, assim, ele sinta-se à vontade para mostrar para você em que pontos sua produção funcionou ou não. A partir desses comentários (se forem pertinentes, claro), aprimore cada vez mais sua escrita.

Dessa forma, seu cliente perceberá sua atenção e sua dedicação. Através dessa relação de confiança, você melhorará cada vez mais como ghost writer.

E então, pronto para embarcar nessa ou para aprimorar seus talentos para o ghost writing?

Manter-se atualizado e ler muito é fundamental para destacar-se enquanto redator. Por isso, confira o nosso e-book “Como escrever o melhor conteúdo para blog” para saber ainda mais sobre o assunto!

Como_escrever_o_melhor_conteudo_para_blog

Posts populares com esse assunto

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *