Por Samanta Jovana

Redatora da Comunidade Rock Content.

Publicado em 26/10/2017. | Atualizado em 31/08/2018


Se você entende sobre tecnologia e marketing digital, provavelmente, já ouviu falar de schema markup. Se não tem ideia do que é, acompanhe o post e saiba mais sobre a novidade!

Schema markup é algo tão revolucionário que pode ser a próxima grande coisa em SEO. Trata-se de uma linguagem markup, como o HTML, que pretende ajudar os motores de busca a encontrarem conteúdo.

Contudo, como o schema markup faz isso exatamente e porque ele é diferente do SEO como conhecemos? A resposta é simples: recurso funciona entregando aos buscadores dados estruturados, de maneira isolada, mais ou menos como você faria ao apresentar um novo alimento para uma criança.

Pense no seguinte exemplo: entregar um picadinho de carne cheio de vegetais para o seu filho e pedir que ele identifique cada um de seus elementos pode ser difícil, ou quase impossível, não é mesmo? Já apresentá-lo a cada vegetal separadamente e aos pedaços de carne um por um pode tornar o processo mais fácil. O schema markup pretende fazer mais ou menos a mesma coisa, só que com as páginas da web.

Continue a leitura para conhecer todos os detalhes do schema markup e dicas para se iniciar nesse universo!

Como o schema markup funciona?

Os buscadores querem receber dados estruturados de uma maneira que fique simples de identificar cada elemento que compõe uma página (como seus links) sem complicação. O que o schema faz, portanto, é categorizar todo o conteúdo de sites a fim de que ele se torne digerível e possa ser colocado em categorias.

Você deve estar se perguntando agora qual a diferença disso para o HTML tradicional. Não se preocupe, já vamos explicar isso! O schema markup, diferentemente do HTML, diz exatamente para o buscador do que se trata cada elemento de um site e qual o seu conteúdo.

Enquanto no código tradicional os buscadores podem apenas precisar que uma imagem tem um determinado conteúdo se você colocar essa informação no seu alt-text, no schema markup esse conteúdo faz parte da semântica do próprio nome da imagem. Por isso, não é preciso imaginar o que ela contém. Dá para saber exatamente do que se trata cada pedaço do seu website.

Quais são os benefícios do schema markup?

O que o schema faz, portanto, é tornar as buscas mais ricas para o usuário e o funcionamento dos buscadores ainda mais simples e direto. E esse é um desenvolvimento muito importante porque torna a internet um lugar mais fácil de se navegar.
Se o schema vier a se tornar a norma para o SEO de websites, veremos uma melhoria na performance de páginas como essa que você está visitando agora. Com isso, será mais fácil informar ao Google exatamente do que se trata tudo que está contido em seu layout e porque um visitante poderia interessar-se por este material.

Schema markup e SEO

Uma das formas como o schema markup afeta o SEO você provavelmente já viu nos seus resultados de pesquisa. São os snippets ricos, um tipo de preview aprimorado do resultado contido em uma página que mostra, por exemplo, as datas de um show quando você procura o nome de um artista em específico. Como isso afeta os usuários?

O schema aumenta a taxa de cliques porque agrega a eles exatamente a informação que estavam buscando e traz os resultados mais relevantes para o topo dos buscadores. Toda a informação de que alguém precisa, com schema markup, aparece diretamente na SERP, o que faz com que não seja sequer necessário visitar uma página e escanear por todo o seu conteúdo até encontrar uma determinada informação. E todos sabemos o quanto isso pode ser útil, não é mesmo?

Outra forma como o schema markup afeta o SEO é melhorando o ranqueamento direto das páginas que o utilizam. Não é difícil entendermos porque isso acontece, afinal, quanto melhores forem os dados que você fornecer a um buscador (como o Google), melhor será o posicionamento da sua página. O schema permite estruturar tão bem a informação que o seu website envia para o Google que chegar a primeira página é quase inevitável.

Você pode começar a aprender como aplicar schema markup em seu website visitando páginas como Getting started with schema e Schema Data Model. Mas não faça isso ainda: leia antes as dicas que separamos para que você se inicie no universo do schema markup.

Como usar o schema markup?

1. Vá até o Assistente de marcação de dados estruturados

O primeiro passo para colocar o schema markup para funcionar a favor do seu website é ir até o Google’s Structured Data Markup Helper, página desenvolvida pelo Google exclusivamente para ajudar as pessoas a otimizarem as suas páginas para o schema markup. Ali você vai encontrar opções para selecionar o tipo de dados que você gostaria de otimizar, ou seja, de fazer o markup de, dentre os quais artigos, reviews, produtos, eventos etc.

Não é uma lista muito grande ou exaustiva e deve ser fácil escolher entre as opções em alguns instantes. Digamos que você selecione “artigos” para o seu markup inicial e escolha otimizá-los para SEO segundo a nova linguagem. Feito isso, tudo o que será preciso é colar a URL do artigo em questão na barra de endereços disponibilizada pelo Google.

Você deverá otimizar cada artigo manualmente, um por um, e fazer o mesmo por cada categoria de página que escolher otimizar para schema markup posteriormente. Isso pode ser um processo um pouco cansativo, por isso, quanto antes você começar a otimização do seu site para schema markup melhor.

Se você está começando uma nova página hoje, por exemplo, já faça a otimização dos seus primeiros artigos para schema markup assim que publicá-los. Assim, será mais fácil manter-se atualizado quanto a esse trabalho ao longo do tempo.

2. Faça o markup do seu item

Assim que você colocar a URL e clicar no botão de ação, o Google abrirá um editor que permitirá que você faça o markup do seu item. Como no exemplo em questão estamos trabalhando com um artigo, vamos continuar utilizando este estudo de caso ao longo da explicação.

Do lado direito da sua tela será aberta uma aba em que você poderá adicionar uma série de particularidades a respeito do seu conteúdo, ou seja, os dados estruturados que o Google precisa para saber exatamente do que ele se trata. São opções como o nome da postagem, o nome do autor, a data em que foi publicada, uma imagem que a represente, uma seção do artigo que sirva de resumo para ele, a URL, o nome de quem publicou e uma porção de tags que servem para identificar melhor esse conteúdo para o buscador. O que você precisa fazer para que o schema markup funcione é simplesmente selecionar o conteúdo e marcá-lo, mais ou menos como faria com um PDF.

Ou seja, você deve clicar com o mouse sobre o título do texto e clicar com o botão direito, selecionando a palavra “Título” como sua markup. E fazer o mesmo para o nome do autor, data de publicação, imagem principal, corpo do artigo, URL etc.

A lista a sua direita deve ser utilizada como um guia dos itens que precisam ser preenchidos para que o seu schema markup esteja completo. Talvez você não consiga preencher todos os campos designados pelo Google, mas faça o melhor que puder para completar a maior parte deles.

3. Crie o HTML do seu schema markup

Embora o schema markup seja um tipo diferente de linguagem, ele ainda é descrito em HTML. Ou seja, você vai precisar do código do seu schema markup para colocá-lo no ar. Por isso, quando tiver completado tantos campos quanto puder na seleção da etapa anterior, clique no botão “criar HTML”.

O que acontecerá é que na página seguinte você poderá ver o HTML criado, com toda a microdata relevante para o schema markup, ou seja, para que os buscadores entendam melhor a sua página contextualmente. Você deve copiar esse código em um lugar seguro do seu computador e se possível fazer um backup dele.

Repita o procedimento para todos os textos do seu blog e todas as páginas relevantes do seu site que deseja otimizar para o schema markup. Quando estiver com tudo isso pronto, você estará um passo mais próximo de implementar esse novo recurso de SEO em sua página.

Se tiver esquecido de adicionar alguma coisa ao seu código, você verá no topo da página que pode voltar para a tela anterior e mudar o conteúdo do seu schema markup. Certifique-se de que está tudo certo e gere um novo HTML, salvando-o novamente para que possa ser aplicado em seu blog caso faça qualquer tipo de alteração.

4. Adicione o schema markup ao seu blog

Agora é a hora da verdade. Você precisará adicionar o conteúdo em HTML do seu schema markup a página do seu blog para que ele possa ser lido pelos motores de busca e a sua página possa ser vista contextualmente por essas ferramentas. Fazer isso é bastante simples e não deve demorar mais do que alguns minutos.

Você provavelmente usa algum tipo de CMS, ou Content Management System. Caso não, é provável que tenha de editar o HTML de sua página inteiro, o que pode ser mais trabalhoso. Se for um usuário do WordPress, como a maioria dos blogueiros do mundo, não terá problemas em colocar o HTML do seu schema markup no ar, já que trata-se de um procedimento bastante comum para os usuários da plataforma.

Basta baixar o HTML gerado pelo Google e fazer uma cópia dele, colocando-a no lugar da versão em código do seu post original. Se tiver alguma dúvida de como fazer isso, os fóruns do próprio WordPress podem ajudar.

Saiba como testar

Agora você deve estar pensando em como será possível testar os resultados do schema markup na sua nova página, afinal, depois de todo esse trabalho você quer ver do que ele é capaz. Não é necessário rodar nenhum tipo de teste no seu site em si, já que o Google mesmo fornece uma ferramenta para que você verifique como a sua página ficará com o markup.

Vá em Structured Data Testing Tool e cole o HTML gerado pelo Google, aquele mesmo que você acabou de postar no seu CMS. Depois clique em Preview. A página vai lhe mostrar exatamente como o seu artigo aparecerá no Google e será possível inspecionar cada um de seus elementos, para verificar sua eficácia.

Se for necessário ou você encontrar algum tipo de erro, basta editar o HTML ali mesmo e você poderá ver os novos resultados na pré visualização do Google em questão de instantes.

5. Repita a operação para o máximo de eficiência

A Schema.org é muito clara a respeito da funcionalidade do padrão desenvolvido e o Google endossa essa ideia: quanto mais páginas você otimizar utilizando o schema markup, melhor. Por isso, se você conseguir fazer essa otimização em todo o seu website os resultados serão muito melhores para o seu SEO do que se o fizer em apenas um artigo.

Torne a otimização em schema markup um hábito seu daqui por diante e não publique conteúdo sem fazê-lo. Você perceberá que as suas páginas serão melhor colocadas nos buscadores e obterão resultados mais impressionantes a partir do momento que você concentrar seus esforços nesse tipo de técnica de SEO de alto impacto. O schema markup é uma dessas inovações que vão mudar o curso do SEO, por isso é muito importante aderir a ela o mais rápido possível.

Gostou de conhecer o schema markup? Essa linguagem vai ajudar a promover melhores resultados em SEO na sua página e vai facilitar consideravelmente o seu trabalho, porque estrutura os dados enviados para os buscadores e faz com que eles entendam o conteúdo de sua página para melhor indexá-la.

As dicas listadas aqui são apenas uma maneira de você começar a lidar com o schema markup no seu dia a dia, mas não é preciso parar por aí. Há muito que se aprender se você quer chegar aos primeiros resultados do Google utilizando essa técnica. Tornar-se um mestre nela antes dos seus concorrentes fará toda a diferença na obtenção dos melhores retornos.

Gostou de conhecer melhor o schema markup? Esperamos que sim. Mas não se esqueça de continuar outras boas práticas em SEO, como o uso de títulos otimizados, a fim de alavancar o alcance do seu blog. Você pode testar a eficiência das suas criações com a nossa Ferramenta Avaliador de Títulos!

Avaliador de Títulos para SEO

Posts populares com esse assunto