revisor freela não é bico

Revisor freela, entenda de uma vez por todas: seu trabalho não é bico

Uma carreira freelancer de sucesso depende de planejamento e posicionamento. Venha comigo descobrir por que freelance não é sinônimo de bico e como você pode melhorar seu posicionamento profissional.

O que você vai ser quando crescer? Definitivamente minha resposta, quando criança, não era “quero ser revisora freela”. Hoje em dia, não me vejo fazendo outra coisa.

Nas linhas que seguem, veremos um pouco de por que eu acredito que o posicionamento do profissional independente é fundamental para estabelecer uma boa imagem ao mercado, o que normalmente traz mais lucro.

Se você ainda pensa na revisão freela como um trabalho para ganhar uma graninha enquanto não arranja outra coisa, este artigo é exatamente o que você precisa ler.

Existe diferença entre ser revisor freela e fazer bicos?

A resposta mais curta e direta é: sim, é completamente diferente. Mas explico: você faz bicos para pagar o boletinho que ficou pendurado do mês passado ou porque está atrás de uma graninha extra para comprar algo que deseja há meses.

Você até pode encarar seu trabalho freelancer assim, no entanto o recomendável é que o leve, digamos, mais a sério.

O trabalho independente tem evoluído bastante, e a competição aumenta a cada dia. É uma modalidade ainda nova em comparação ao que estamos acostumados, por exemplo, com a contratação CLT.

Por isso, quanto mais profissionais nos mostramos, maiores são as chances de o mercado nos valorizar como mão de obra qualificada, que não está trabalhando para ganhar uns trocados a mais no fim do mês.

Sem querer soar muito como psicologia de botequim ou empreendedorismo de palco, essa diferença entre bico e trabalho freela não é apenas questão semântica, ou tentativa de gourmetizar o trabalho informal. Para mim, é questão de estabelecer o mindset correto para criar uma carreira, planejar um caminho profissional sustentável.

Talvez uma palavra melhor para resumir tudo isso seja posicionamento. Como você se posiciona?

Você faz umas revisões para amigos de vez em quando ou é um revisor freela iniciante em busca de oportunidades?

Não vale a pena perder tempo com bicos

As diferenças entre o bico e o freela são, na minha opinião, estas:

  • Bico: trabalho rápido, de curto prazo, que pouco impactará seu futuro.
  • Freela: trabalho por tempo determinado ou não, que faz parte de um planejamento maior, que terá impacto no futuro.

Talvez seu objetivo seja mesmo pegar um trabalho rápido para pagar aquele boleto. Não há problema nisso. Entretanto, a revisão de texto demanda tanto estudo e dedicação, além de, em geral, não ser o tipo de trabalho mais rápido, que eu acredito não valer a pena colocar tanto esforço em algo que não irá adiante.

Ter um “bom olho para pegar erros de grafia” pode ser um bom indício de que você tem algum jeito para a coisa, mas essa tarefa cobre apenas pequena parte do trabalho desenvolvido pelo revisor freela diariamente.

Para você ter ideia, além de conhecer muito bem a língua (o que inclui usos que vão além da norma-padrão, a depender do tipo de texto revisado), só na parte operacional do negócio, o revisor ainda precisa lidar com:

  • normas ABNT e padronizações exclusivas de cada cliente;
  • emprego do tom de voz correto;
  • formatação (títulos, negritos, itálicos, recuos de parágrafo…);
  • adequação do texto ao público-alvo.

Por essa razão insisto tanto que é necessário qualificação, não apenas a estritamente acadêmica de um curso de Letras ou Jornalismo, mas também aquela que é oferecida em cursos livres e certificações. Unir-se a profissionais já experientes também é uma excelente forma para começar no ofício.

Agora, se quiser ser freelancer, dê um passo adiante dos conhecimentos operacionais: é preciso começar a se ver como uma miniempresa de verdade. Você precisará lidar com muito mais que o operacional, uma vez que as outras funções da empresa também serão suas, como marketing, comercial, financeiro, atendimento etc.

Você é profissional?

Pode ser por acaso que você se torna freelancer, mas não é por acaso que continua sendo freelancer.

Provavelmente estou roubando essa frase de algum lugar, e por isso já peço desculpas. Ela faz muito sentido no cenário que vivemos hoje no Brasil, com uma crise que já dura algum tempo e o desemprego que só faz crescer. É nesse cenário que muitos têm voltado suas atenções ao empreendedorismo, seja abrindo uma empresa para vender produtos, seja prestando serviços por meio da internet.

Importa ter em mente que, se você já tem uma profissão, será bem mais fácil tornar-se freela, pelos motivos que enumerei ali em cima. A quantidade de novos conhecimentos a se aprender será menor, porque a parte operacional estará dominada.

Na minha experiência, por exemplo, foi fundamental ter pessoas que me ensinassem bases de trabalho que uso até hoje no meu dia a dia. Estar no mercado junto a outros colegas ainda é um diferencial interessante antes de alçarmos voo solo.

O que é preciso para ser considerado profissional?

O primeiro e fundamental ponto para que se tenha sucesso na sua trajetória independente é: o cliente precisa poder contar com você. Ou seja: não adianta nada você ser o melhor profissional técnico se não está lá na hora (previamente combinada) em que seu cliente precisa de ajuda.

Outro ponto que me parece fundamental é se o revisor – mas também aplicável a outros profissionais – sabe “se virar”. Apareceu um arquivo em formato não convencional para revisar? Não tem problema! Bateu uma dúvida linguística terrível? Tranquilo, o revisor sabe onde deve procurar a solução!

Este é o tipo de atitude que se espera de quem se diz profissional: saber lidar com imprevistos para resolver problemas.

Por fim, uma pergunta: o que motiva você a ser freelancer?

Ao refletir sobre isso, você entenderá se realmente está construindo uma carreira independente ou se precisa de algo para preencher uma necessidade rápida. Se tem um plano de longo prazo e interesse em construir algo em cima de todo o aprendizado necessário para fazer um bom trabalho.

Conclusão

A melhor parte de ser freelancer é, por um lado, a liberdade de sermos responsáveis pelas nossas decisões. Assim, podemos decidir horários, nichos de atuação, onde vamos trabalhar.

Por outro lado, temos nossos deveres e responsabilidades, como correr atrás de clientes, cumprir a pauta direitinho, ajudar a comunidade e os colegas, ter paciência e resiliência nos momentos difíceis e humildade quando tudo estiver nos eixos.

E lembre-se: mesmo que trabalhe como freelancer em part-time, todas essas questões se aplicam a você. Tenha calma, organize-se e aproveite o melhor que esse pedacinho de vida freela pode oferecer. 🙂

*Artigo produzido pela equipe do blog Revisão para quê?