Por Gustavo Grossi

Analista de Marketing na Rock Content.

Publicado em 02/08/2016. | Atualizado em 16/06/2017


Você aceitou a tarefa de redigir um texto para web, mas não sabe por onde começar? Saiba que esse é um dos problemas mais comuns na vida de um redator.  Muitos freelancers não sabem como encontrar referências de especialistas para escrever seus textos. Isso pode ocorrer por algumas razões, como não ter experiência de copywriting […]

Você aceitou a tarefa de redigir um texto para web, mas não sabe por onde começar? Saiba que esse é um dos problemas mais comuns na vida de um redator.  Muitos freelancers não sabem como encontrar referências de especialistas para escrever seus textos.

Isso pode ocorrer por algumas razões, como não ter experiência de copywriting naquela área, ou até mesmo por  síndrome do impostor.

Sendo assim, como garantir que as fontes consultadas são apropriadas? Quando uma informação não é confiável? Existem meios específicos para cada área temática?

Viemos trazer respostas para essas e outras perguntas! Descubra, a seguir, como encontrar referências de especialistas!

1. Comece pela pauta

O primeiro passo para encontrar referências dignas de um bom texto, é verificar as fontes indicadas pela própria pauta de tarefa. Geralmente, são indicadas ao menos três fontes diferentes por quem elaborou a pauta.

Repare se elas são em português ou em inglês, o que pode ser uma indicação sobre como estender sua pesquisa.

Afinal, para uma redação rica, você não pode se basear apenas nas fontes propostas pelos planejadores de pauta, correto?

Se houver fontes em inglês, isso pode ser um indicativo de que há pouco material disponível on-line em português. Assim, concentre sua pesquisa em palavras-chaves em inglês!

2. Considere a área temática do texto

Nem sempre é possível encontrar fontes que tenham informações universais, que contemplem todas as áreas temáticas sobre as quais você tem que escrever.

Na verdade, o cenário oposto é mais comum. Em alguns casos, por exemplo, pode existir uma fonte diferente para cada intertítulo a ser desenvolvido.

Outras fontes, como periódicos acadêmicos, podem oferecer conhecimento teórico, descobertas científicas e dados estatísticos.

Com a prática, sua habilidade em escrever textos de diferentes áreas do conhecimento tende a melhorar. Isso ocorre porque assim é possível economizar tempo nas pesquisas, aprender a reconhecer quais as fontes mais adequadas para um ou outro tema.

3. Não confie em qualquer um

Na imensidão da internet, as pessoas podem falar o que quiserem, da forma que quiserem, sem nenhum compromisso com a verdade. Infelizmente, para se obter informações boas, é preciso uma certa dose de ceticismo.

Isso ocorre porque há pessoas produzindo conteúdos diversos, com objetivos diversos, que nem sempre são verdadeiros. Por isso, tenha receio de coisas postadas por anônimos, sites desatualizados, que emitam algum tipo de spam ou tenha propagandas demais.

Hoje, há textos que podem ser traduzidos automaticamente, sem correção, gerando distorções diversas. Em outros casos, alguns conteúdos são gerados por robôs, cujo objetivo é enganar o algoritmo do Google para ranquear.

Com base nesses fatos, compreenda: pessoas realmente interessadas em solucionar problemas não têm receio de serem questionadas ao vivo, nem de revelar a própria identidade.

Além das pessoas, procure também por instituições que já sejam credenciadas de alguma forma – como as governamentais – ou que a comunidade dê algum reconhecimento.

Afinal, artigos genéricos como os do Wikipedia ou Wikihow podem ser livremente editados, perdendo a legitimidade, não é verdade?

Para piorar, ainda que cumpram esses requisitos, ainda sim serão produzidos por humanos, logo, pode haver erros.

Portanto, a melhor solução é ser paciente e atento. Embora haja riscos, não é preciso ser paranoico durante a pesquisa, mas a cautela é uma parceira e tanto nessa hora!

4. Procure fontes primárias

Você sabe o que é uma fonte primária? Não? Bem, esse tipo de fonte é aquela irrefutável, de primeira mão, cujo emissor da mensagem é a origem da própria informação.

Por exemplo, imagine que você está pesquisando sobre determinada lei.

É possível, por exemplo, que uma notícia – que é uma fonte secundária – contenha algum dado incorreto sobre essa lei.

Entretanto, se ela for acessada de um site oficial, responsável por emitir e manter essas informações sempre atualizadas, ela emana de uma entidade que seguramente será verdadeira, dona destes dados.

5. Aprenda a filtrar buscas no Google

Realizar boas pesquisas no Google não é uma tarefa difícil, basta conhecer algumas técnicas. Primeiramente, é importante ter em mente que os primeiros resultados da busca nem sempre são os mais adequados àquilo que você procura.

Para economizar tempo, analise a descrição, o título, a data, o endereço e demais características exibidas no resultado.

Acessar conteúdos irrelevantes pode ser um desperdício de tempo, procure inferir sobre a probabilidade de você solucionar o problema naquele site antes de acessá-lo.

Pode parecer imperceptível, mas ao longo do dia gasta-se um bom tempo em motores de busca. Assim, o fato de uma busca ser uma ação breve dificulta a percepção de quanto tempo gastamos ao todo.

Além de evitar links ruins, também é possível melhorar a precisão da sua busca através de filtros. No Google, é possível filtrar resultados exatos ao colocar uma frase ou expressão entre aspas. Nesse caso, a busca será literal para ocorrências daquele termo.

Você também pode procurar especificamente por resultados em arquivos .pdf, .xls (Excel), .html ou qualquer extensão que você deseje. Para isso, você deve incluir em sua procura o termo “filetype:pdf”. Utilizamos, no exemplo, a extensão pdf, podendo sempre ser substituída.

Outra dica útil é quando você quiser excluir alguns resultados da pesquisa.

Por exemplo, para pesquisar todos os guias de segurança para bikes nas cidade, você pode escolher remover da busca qualquer resultado que fale sobre o campo. Para isso, basta incluir o hífen e a palavra que você deseja excluir da busca: “-mountain”, “-rural”, ou “-campo”.

6. Utilize o Google Scholar

Para além das simples buscas no Google, existe uma ferramenta de busca especificamente voltada para livros, periódicos e outros tipos de publicação de cunho acadêmico. O Google Scholar conta com uma grande base de obras totalmente digitalizada e de acesso gratuito.

É possível realizar buscas nos documentos por meio de autores, títulos, palavras-chave, entre outros critérios. Vale a pena utilizar essa fonte de pesquisa se seu texto demandar conteúdos mais teóricos e acadêmicos.

Não somente o Google Scholar, mas outras ferramentas podem ser úteis para esse tipo de demanda de um redator.

O Portal de Periódicos CAPES, por exemplo, contém uma grande base de dados de revistas e publicações de alta reputação. Se você quiser outras fontes acadêmicas em inglês, há também a Social Science Research Network (SSRN), cujo acesso é gratuito para a maior parte das publicações.

7. Tire proveito das redes sociais

Não duvide do poder das redes sociais. Elas podem ser importantes fontes de informação, por isso, fique atento aos grupos especializados de discussão e debate.

Para quem já esrcreve há algum tempo sobre uma área, é possível participar dessas discussões, lançar perguntas para outros usuários e esclarece rapidamente suas dúvidas iniciais sobre o tema.

8. Não se esqueça do YouTube

Poucos redatores se lembram do YouTube como fonte de referências especializadas, mas essa é uma plataforma que não se limita ao mundo dos videoclipes meteóricos ou dos gatinhos.

O YouTube é um canal para as pessoas postarem suas videoaulas, webinars, podcasts, filmes, tutoriais e muitos outros formatos extremamente úteis para quem está pesquisando sobre um tema.

Embora não seja escrito, lembre-se de que o objetivo de um copywriter é acabar com as dúvidas dos leitores. E para esse fim, vídeos são muito valiosos, sendo eles o meio não-verbal mais completo.

Além disso, youtubers costumam ter comunidades bastante engajadas, com informações fresquinhas sendo discutidas o dia todo. Isso tudo facilita sua busca por referências, e certamente vai agregar valor aos seus textos.

E você, tem boas referências de especialistas? Que tal fazer um teste? Cadastre-se como redator na plataforma da Rock Content e junte-se ao nosso time!

Posts populares com esse assunto