Por Samanta Jovana

Redatora da Comunidade Rock Content.

Publicado em 27/01/2018. | Atualizado em 26/01/2018


Apostamos que você já cometeu um desses pecados, quando o assunto é design ou vida de freelancer.

Quem trabalha nas disciplinas criativas sabe que a procrastinação e outros hábitos pouco saudáveis podem prejudicar o desempenho. Mas às vezes cometemos erros dos quais sequer nos damos conta. Será que você tem feito desses 7 pecados uma rotina e poderia usar algumas dicas de produtividade para designers?

Não tema! Explicaremos direitinho cada vacilo que você pode cometer na sua vida profissional e lhe mostraremos que é possível fazer as escolhas certas. Fique atento!

1. Gula: o projeto atraente demais

Qual papel a gula pode desempenhar que prejudique o desempenho de um designer? Ele é menos literal do que parece. Esse pecado é caracterizado por uma atração irresistível por itens particularmente desejáveis, como comidas elaboradas.

Mas ele também pode acontecer se você morde mais do que consegue engolir. Se comprometer com projetos que estão fora da sua alçada, são complexos demais ou realmente não tem nada a ver com a sua atuação profissional pode ocasionar uma série de problemas.

O ideal é que isso nunca aconteça. Entretanto, na vida de um freelancer, é comum que as circunstâncias nos façam, muitas vezes, aceitar alguns trabalhos que vão além das nossas capacidades. Como fugir dessa enrascada?

Com o aperfeiçoamento constante. É claro que na universidade você aprendeu todas as competências que permeiam o dia a dia de um designer. Porém, as suas preferências o guiaram por um caminho ou outro.

Isso não quer dizer que você não consiga desempenhar um papel diferente. O aprendizado contínuo vai ajudá-lo a estar sempre atualizado e pronto para diversificar a sua atuação.

Se ainda assim aquele projeto que assumiu não pode ser levado adiante, converse com o seu cliente. Ou considere a possibilidade de trabalhar em parceria com outro designer, que domine tal especialidade.

2. Luxúria: o pecado da superficialidade

A luxúria é um pecado que se preocupa demais com as coisas terrenas. Elas podem ser o hedonismo e os prazeres do corpo ou, no caso do design, a vaidade.

Todos queremos participar de projetos incríveis, que serão bem vistos por nossos colegas e farão o nosso portfólio brilhar. O problema é que design não é sobre isso.

Nosso papel profissional é o de solucionar problemas. E, nem sempre, isso significa criar objetos dignos de um Phillip Starck ou peças que conseguiriam para você um lugar na Pentagram.

Aceite projetos que são desafiadores, não aqueles que vão ficar particularmente bonitos no seu website. Eles podem gerar cases incríveis e oportunidades de trabalho que você sequer imaginou.

3. Avareza: acreditar que há mais de 24h no dia

Não é difícil imaginar qual é o problema com a avareza. Afinal, essa é a qualidade de quem se apega demais ao aspecto financeiro do seu trabalho. Mas longe de fazer você cobrar absurdos pelo que faz a avareza costuma nos pegar pela quantidade.

Você é um só. E, a não ser que trabalhe com uma grande equipe, é incapaz de colocar mais horas no dia ou se desdobrar em três. Portanto, nada de aceitar todos os trabalhos do mundo e não conseguir terminar trabalho nenhum.

Uma das melhores dicas de produtividade para designers é: descubra o seu ritmo. Utilize aplicativos como o Toggl para mensurar quanto você trabalha por dia e, baseado nisso, veja que projetos pode aceitar. Todos queremos fazer mais dinheiro em nossas profissões, porém ser seduzido por esse aspecto apenas pode destruir sua credibilidade.

Seus clientes contam com as suas entregas. Não ser capaz de fazê-las ou entregá-las com uma qualidade inferior do que o normal é o jeito mais fácil de ganhar uma péssima fama.

4. Preguiça: o vício da procrastinação

Por mais que goste do seu trabalho é muito provável que exista outra atividade que lhe atrai ainda mais. Ver um seriado, sair com os amigos, cozinhar. Não importa o que você faz para adiar suas tarefas, elas continuarão existindo.

Procrastinar é algo que todos fazemos, mas que pode ser especialmente nocivo para quem trabalha por conta própria. Ter que virar noites colocando os seus jobs em dia não será nada agradável.

Para evitar isso, crie uma rotina. Certifique-se de que nada o interromperá quando estiver realizando as suas tarefas e separe tempo exclusivamente para trabalhar.

Não é porque você é um profissional freelancer que não deve criar regras para se policiar. São elas que nos conduzem ao sucesso.

5. Inveja: os perigos do plágio

Não podemos frisar isso o suficiente: plágio nunca é ok. Você perde a oportunidade de colocar a sua criatividade em prática, seu cliente recebe uma solução distante do que é o ideal e tudo isso pode resultar em medidas legais. Para o seu currículo, um processo por plágio, que pode ser facilmente encontrado na internet, apenas ao googlar o seu nome, não fará nada bem.

Então, esforce-se para ser o mais original possível. Coloque em prática tudo que aprender na sua profissão. E lembre-se sempre de passar pelas principais fases do processo criativo, como se esse fosse o seu primeiro projeto.

Garantimos que isso fará muito bem para a sua reputação e para o seu desempenho, que melhorará a cada job.

6. Soberba: achar que não precisa de ajuda

É natural que, depois de um certo tempo, ganhemos confiança na nossa performance. Mesmo porque já fizemos a mesma coisa tantas vezes que acreditamos que não podemos errar. Tarefas nas quais você normalmente pediria ajuda a sua rede de contatos vão ficando cada vez mais naturais.

Até que você se depara com um grande desafio. Seja porque não tem os conhecimentos para produzir uma peça ou porque não está certo do formato final que deve entregar, todos estamos sujeitos a ter dúvidas.

Ainda que inicialmente busquemos pelas respostas sozinhos sempre existirão situações em que não as conseguiremos encontrar. Nessa hora falar com um antigo professor, um colega de profissão ou até mesmo o funcionário da gráfica pode ajudar.

Não seja tomado pela soberba. Peça ajuda quando precisar.

7. Ira: a fúria contra o cliente

Por último, é muito fácil descontar nos nossos clientes as frustrações do cotidiano. E é também bastante óbvio por que isso é uma má ideia. O atendimento que você oferece às pessoas que contratam o seu trabalho é boa parte do motivo que faz com que elas voltem a contratá-lo.

Então, nada de responder um e-mail de forma grosseira ou desligar o telefone na cara de um cliente. Se precisar, tire alguns minutos antes de enviar um retorno ou respire fundo e seja o mais cortês possível. São essas coisas que lhe ajudarão a construir uma carreira bem-sucedida.

Gostou de conhecer esses 7 pecados que podem arruinar a sua carreira? Quer começar a colocar nossas dicas de produtividade para designers em prática agora mesmo? Clique no link e venha ser um membro do time de designers freelancers da Rock Content!

Diagramador de ebooks

Posts populares com esse assunto

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *