você precisa mesmo de um curso de escrita?

Você precisa mesmo de um curso de escrita?

Cursos de escrita que custam dinheiro também podem virar dinheiro. Uma boa escolha nessa área sempre será um investimento, e não um gasto. Então, decida-se: você precisa mesmo de um curso de escrita?

Escrever para internet virou a principal fonte de renda de inúmeros profissionais autônomos que sonham em ganhar a vida por conta própria. Isso é muito bom, para os sonhos individuais e para a economia, mas faz imaginar: toda essa galera está preparada para o mercado ou seria bom fazer um curso de escrita?

Ouço essa pergunta inúmeras vezes. Como mentora de alguns cursos de escrita criativa, desde 2016, eu poderia advogar em causa própria e dizer: é claro que você precisa de um curso de escrita! Quem não precisa?! Conhecimento nunca é de mais e, além disso, cursos de escrita, principalmente voltados à criatividade, são divertidos pra caramba.

Tudo isso é verdade, mas não existe almoço grátis. Ou seja: um curso de escrita, ou qualquer outra coisa, custa dinheiro. E, se é um investimento, precisa ser feito com responsabilidade. Ou você aceita todas as sugestões de investimento que seu banco te manda em uma conversa telefônica rápida? (Se você faz isso, spoiler alert: não deveria.)

Quando fazer um curso de escrita

Se você quer, mesmo, viver de escrever para a internet, ou até de arte literária, mas ainda não deu start nem em uma coisa nem na outra, a regra é clara: comece pelo começo.

Empresas como a Rock Content têm uma base de freelas que podem ganhar muito dinheiro fazendo redação – seja storytelling, White paper, copywriting… –, desde que sejam bons no que fazem.

Dessa forma, não adianta só passar na prova sobre Inbound Marketing, não. A certificação é muito importante, mas entender a arquitetura de um texto, as regrinhas básicas de português e, afinal, o que raios é storytelling, white paper ou copywriting é indispensável para fazer carreira.

Escrever não é só juntar uma frase na outra. No marketing digital, especialmente, escrever é contar uma história, ou descrever um produto, com início, meio e fim, palavras de transição, palavras-chave, atração, motivação e espírito de venda. 

Se você não tem nada disso, ou quer aguçar tudo isso, faça um curso de escrita voltado para marketing digital. Existem opções gratuitas e pagas na internet e pagas no mundo analógico. Se o mentor tiver larga experiência e didática, será dinheiro bem empregado.

Se você já tem conhecimento disso tudo e não anda precisando da reciclagem, pois acompanha blogs – como o da Rock e o Literama – com afinco, talvez seja uma boa fazer um curso de escrita criativa. Em geral, esses workshops proporcionam uma imersão do já redator/escritor em ambientes e práticas que despertam e afinam a criatividade, elemento indispensável para a boa redação.

Quando eu digo que a internet anda chata é porque muita gente, mas muita gente mesmo, pula a etapa de se especializar ou, simplesmente, se entregar a rotinas criativas. Isso resulta em textos sem graça, que não vendem. E, se você não vai conseguir vender, por que um cliente te pagaria para produzir?

No final, cursos de escrita que custam dinheiro também podem virar dinheiro. Uma boa escolha nessa área sempre será um investimento, e não um gasto. Cabe a você definir o próprio ROI.

Confira um compilado de conteúdos para te inspirar a produzir textos incríveis! ✍️
Como escrever bem: 39 dicas para começar agora
Inspiração para escrever: 15 dicas de como ter ideias para escrever
Storytelling: tudo sobre a arte de contar histórias inesquecíveis
Copywriting: entenda como dominar a escrita persuasiva

Quando não fazer cursos de escrita?

É fácil vender o peixe quando se vive disso, certo? Mas há também o outro lado da moeda, o de quando não fazer cursos de escrita. Achou que eu só ia advogar em causa própria? Rogerinho do Ingá responderia isso por mim de forma mais assertiva. 😉

E, não, eu não vou falar que “você não precisa fazer cursos de escrita quando…

  • não tiver vontade de ser um bom profissional;
  • não tiver vontade de ganhar dinheiro;
  • não tiver vontade de ter mais clientes;
  • não tiver gana de gerar retorno”,

embora tudo isso seja a mais pura verdade.

Mas não é esse o caso. Inclusive (opinião pessoal), por mais que seja a mais pura verdade, não curto esses argumentos condescendentes.

Vamos aos argumentos reais: primeiro, você não deve fazer um curso de escrita se escrever não for sua praia.

Dezenas de aplicativos e startups dão oportunidades reais de geração de renda para pessoas que estejam na entressafra de emprego ou procurando desenvolver novas habilidades. Contudo, para que a profissionalização vire dinheiro, deve haver vontade e dedicação.

Assim como você não aprendeu a ler em um dia, não vai aprender a escrever para internet lendo dois artigos de sites duvidosos. É melhor seguir profissionais reconhecidos da área, esmiuçar conteúdos como os contidos nesse blog, ler livros especializados, realizar testes e praticar. Praticar todos os dias.

O que nos leva ao segundo argumento para não fazer cursos de escrita: não se jogue nessa experiência se você não quiser, de fato, praticar. Todo mentor de escrita responsável vai te dizer que, para aprender a escrever, você precisa fazer isso todos os dias.

Vai por mim: não é um parque de diversões. Escrever é lindo, é gostoso, uma terapia – e, por isso mesmo, pode ser dolorido, solitário e desgastante. Cursos de escrita também nos ensinam a lidar com essa montanha-russa que é juntar palavrinhas. 

Se você tem medo de sofrer, fuja correndo dos cursos de escrita. Você vai perder toda a diversão, é claro, mas, se isso não compensar os momentos de intensa alegria que você vai ter, simplesmente não vale a pena.

Por fim, não faça um curso de escrita se você não quiser ser que nem eu. Eu sou uma pessoa doida de pedra. Eu amo ler, amo escrever, ver filmes, ver séries… tudo o que tiver um mínimo roteiro, um enredo, uma razão de existir, vai chamar minha atenção. Gasto mais tempo dentro de casa, no computador, com a cara enfiada num livro (físico, sou old school nesse sentido), do que na balada, nas reuniões ou participando de tretas nas redes sociais.

Sou apaixonada por cafés, comidas gostosas e viagens, e aberta a conversar sobre tudo, mais na vida real, do que no Instagram. E tenho plena consciência que os cursos de escrita dos quais participei, e que ministrei, e o ambiente de viver de redação, que me fez ser assim.

Exatamente assim.

Porque, quando o bichinho da escrita morde a gente, não tem volta: é transformação na certa. No meu caso, acho que mudei pra melhor. Mal posso esperar para ouvir qual impacto isso teve em você.

(PS: se você gostar de escrever, é claro. Stephen King diz que escrever não é pra quem quer ganhar dinheiro, é pra quem gosta disso e quer se divertir com isso. Se você respeita os mais velhos, vai levar em consideração o que ele diz.)

Guia da escrita criativaPowered by Rock Convert