Por Ana Júlia Ramos

Uma quase jornalista apaixonada por séries de televisão, cinema, livros e péssima em auto descrições.

Publicado em 20/03/2018. | Atualizado em 02/07/2018


Entenda aqui o que são os Pilares do Conteúdo e aprenda a criar os melhores conteúdos para web!

Torne-se um especialista em produção de conteúdo!Powered by Rock Convert

Um conteúdo de sucesso deve reunir algumas características fundamentais para que o leitor, além de atingir seus objetivos de ser informado, se encante com o material. Isso é o que chamamos de pilares do conteúdo.

Em meio a tanta oferta de textos na internet, é preciso olhar para a sua produção e pensar: o que me diferencia dos demais? Como eu posso me destacar?

Se você acredita que aquele texto que ganhou a primeira página do Google está ali por fatores de sorte ou investimento monetário, abandone esta ideia agora e preste muita atenção no que vamos te contar no post de hoje.

Um conteúdo de sucesso envolve muito mais coisas do que alguém pode imaginar logo de cara.

Está pronto para descobrir quais são os principais pilares do conteúdo nota 10? Então continue comigo, você não vai se arrepender!

1. Conheça sua persona

Antes de mais nada, é imprescindível responder a uma pergunta bem simples: com quem eu estou falando?

Depois (e só depois mesmo) de compreender o público da sua produção, será possível planejar o conteúdo. O texto que fala para um público de 50 anos não pode nem deve ser escrito da mesma forma daquele que conversará com um jovem universitário de 18.

A análise de personas é uma prática muito recomendável para criar um texto eficiente, ou seja, que tenha chances altas de resolver e dar uma luz para o problema daquelas pessoas que “caíram” na sua página.

Sabendo disso, pense nas respostas para essas perguntas:

  • qual a idade do meu público?
  • do que eles gostam?
  • quais são seus principais problemas?
  • como eu posso ajudá-los a resolver?
  • em quais canais de comunicação isso pode ser feito?
  • qual o melhor formato?

Se você conseguir responder pelo menos algumas dessas perguntas, tenha certeza que o seu conteúdo sairá na frente e conseguirá conversar muito bem com o leitor. Entenda quem ele é, quais são os seus problemas e, depois disso, esteja preparado para se transformar em uma referência para aquela pessoa.

2. Ofereça dados relevantes

O leitor precisa se identificar com o conteúdo para que o engajamento aconteça. Existem inúmeras formas de gerar esse sentimento, e uma delas é a prática de incluir pesquisas e dados relevantes ao longo do artigo.

Dessa forma, você estará passando segurança para o leitor e, mais do que isso, mostrando que o problema ou a dúvida que existe na cabeça das pessoas que entraram em contato com o seu texto têm fundamento e podem ser solucionadas. Faça-os sentir que eles não estão sozinhos!

E claro, mostre que você sabe sobre o que está escrevendo. Deixe de lado os achismos e procure fontes seguras que possam reforçar o seu discurso.

Além dos achismos, tome cuidado também com as afirmações. Nada pior do que escrever algo com convicção e depois de 2 minutos de busca na internet perceber que aquilo que você disse não condiz com a realidade.

O gancho que eu fiz ali em cima levanta mais um pilar muito importante: pesquise. Tenha certeza do que você está falando sobre algo real e, mais do que isso, que a sua “resposta” para o problema é genuína e funciona na prática.

3. Cite exemplos

Quando temos dúvida sobre algo é comum pedirmos exemplos para nos ajudarem a visualizar melhor determinada situação.

No caso de um conteúdo, você pode adotar uma ótima prática de exemplificar alguns trechos para garantir que a mensagem que deseja passar fique bem clara.

Para isso dar certo e realmente ajudar o leitor é importante utilizar exemplos adequados ao cotidiano de sua persona. Quando eu escrevo sobre a vida de freelancer, sempre cito casos do meu cotidiano e da minha família, que trabalha no ramo de autônomos antes mesmo da palavra “freela” existir.

Não sei se você percebeu, mas eu acabei de citar um exemplo no parágrafo acima! Se eles te ajudaram a visualizar melhor a situação, alcancei meu objetivo. Faça o mesmo e veja como a leitura ficará mais fácil, fluida e até mesmo divertida.

4. Produza um conteúdo escaneável

Você já teve preguiça de ler ao se deparar com um texto muito longo? Ou se sentiu confuso com a formatação, disposição dos parágrafos e divisão do conteúdo?

Para evitar que já de cara os leitores desistam de ler o seu conteúdo tente produzi-lo levando em conta a escaneabilidade.

O nome pode até parecer difícil, mas seu significado é muito mais simples do que você imagina. Veja as principais técnicas que te ajudam a construir um conteúdo escaneável:

  • destaque de termos importantes em negrito;
  • divisão do texto em intertítulos;
  • nada de parágrafos longos, eles devem ter no máximo 5 linhas;
  • uso de bullet points;
  • alinhamento e formatação ideal.

Além dos pontos abordados ali em cima, recomendo a leitura de artigos e conteúdos que explorem o assunto de forma detalhada, afinal, a escaneabilidade é, com toda a certeza, um dos principais fatores que podem deixar o seu conteúdo perfeito ou transformá-lo no maior pesadelo.

5. Invista em uma linguagem leve

Por mais que a dica pareça ser bem fácil e autoexplicativa, eu sei que não é tão fácil. No início da minha carreira de produtora de conteúdo, eu dividia meu tempo com atividades acadêmicas da Faculdade, como grupo de pesquisa e a participação no Jornal e Revista Laboratório.

A raiz do trabalho era praticamente a mesma: escrever. O desafio, porém, estava na linguagem que eu usava para as minhas produções acadêmicas e para os conteúdos da web que eu criava diariamente.

Vivendo em duas realidades que pareciam ser tão iguais, porém se diferenciavam muito, eu compreendi a importância de um texto leve para a internet. A finalidade das produções são diferentes, o público é diferente e o canal de divulgação também.

Dessa forma, como estamos falando sobre textos para a internet, ou seja, um lugar leve, dinâmico e com um toque de “informalidade”, é preciso trabalhar a escrita leve ao máximo. Evite gerundismos, palavras muito rebuscadas, não inverta a ordem das frases (sofri muito para me desapegar dessa mania terrível) e livre-se de vícios de linguagem.

Mesmo que a sua persona seja uma pessoa muito instruída, com curso superior e alta noção do assunto, tente desenvolver o tom do seu conteúdo como se estivesse falando para alguém que não entende nada da área.

Isso não significa que o texto ficará raso ou mal informativo, afinal eu falei sobre o tom de escrita e não sobre a profundidade do conteúdo. Significa apenas que, qualquer um que queira dar uma lidinha sobre o assunto, conseguirá ao menos se situar um pouco a respeito do que está sendo falado.

6. Teste diferentes formatos

Ao conhecer a sua persona é possível tirar diversos insights que vão muito além do assunto que você pode abordar nos conteúdos.

O tema de um texto pode despertar a curiosidade do leitor, mas o formato que você vai escrever sobre esse tópico também. Um vídeo, um infográfico ou um quizz são algumas das opções que fogem um pouco do modelo tradicional de post, e acredite: eles fazem muito sucesso na internet hoje em dia.

É importante pensar no formato do conteúdo não apenas na hora de escrevê-lo (afinal ele vai parar em um blog, na maioria das vezes), mas também nos momentos de divulgação.

Veja alguns exemplos de redes sociais bem interessantes, porém com públicos bem diferentes, para divulgar seu conteúdo:

  • o LinkedIn, que é usado principalmente por profissionais inseridos no mercado de trabalho de alguma forma. Pessoas muito jovens, principalmente se elas forem menores de 18 anos, não são um público do Linkedin;
  • já o Twitter é um ambiente muito mais abrangente. Lá, é possível encontrar usuários desde aqueles mais jovens, até o público “profissional e mais velho” do LinkedIn;
  • o Facebook também é uma ferramenta muito eficiente e que engloba públicos diferenciados;
  • o Instagram, por mais que esteja crescendo, é muito usado por jovens. A galera do LinkedIn pode ter um pouquinho mais de resistência com a rede, por exemplo. Invista nos Insta Stories, eles são uma ótima ferramenta de divulgação.

7. Aposte no conteúdo visual

Vou começar dizendo uma frase que, para mim, é muito real: uma imagem pode valer mais do que mil palavras. O que isso significa no contexto deste artigo? Veja só.

Vivemos atualmente em uma realidade onde a informação chega de maneira brutal para nós diariamente. Seja no smartphone, no tablet ou no computador, uma simples navegada pelas redes sociais significa que você poderia passar horas pesquisando sobre o mesmo assunto ao pular de link para link.

Com tanta informação sendo divulgada online, é preciso buscar por ferramentas que destaquem o seu texto e façam com que o leitor sinta que deve ignorar todos aqueles outros e clicar no seu. As imagens são uma ótima maneira disso ser feito, e o marketing de conteúdo visual pode te ajudar nisso.

Lembre-se, agora, da frase que eu falei ali em cima. A imagem certa consegue adiantar para o leitor todo o assunto do texto e instiga a curiosidade do leitor. Sabendo disso, porque não fugir do senso comum e apostar em imagens legais para o conteúdo?

Além das imagens destacadas, que fazem a função de gerar interesse e “chamar atenção”, invista em imagens ao longo do texto. Elas deixam a leitura mais natural, ajudam na escaneabilidade (que já falamos ali em cima) e transformam o conteúdo em algo muito mais legal e diferenciado.

8. Lembre-se do título

Um título ruim pode prejudicar todo o esforço e trabalho colocado na produção do conteúdo. Muitas vezes, o texto pode estar maravilhoso e conter todas as características que já citamos neste post, porém, falhar num ponto muito importante.

Já pensou que alguém pode ter deixado de abrir o seu conteúdo porque sentiu preguiça, desânimo, não acreditou que o conteúdo agregaria nada em sua vida ou simplesmente não sentiu estímulo algum?

Pois é! Um título legal faz com que o leitor já comece a leitura animado e curioso para saber o que vem pela frente, e esse aspecto é mais uns dos pilares do conteúdo para que a experiência dele seja ainda mais positiva.

Separei algumas dicas bem legais (e úteis) a respeito de títulos:

  • vá direto ao ponto. Títulos muito grandes podem ser desanimadores e, muitas vezes, não “cabem” e são cortados na hora de divulgar nas redes sociais;
  • instigue a curiosidade do leitor, e isso pode ser feito por meio de perguntas;
  • estude sobre o SEO e aposte nas palavras chave certas;
  • apresente algo inédito;
  • use referências de outros assuntos que possam gerar interesse no leitor.

9. Crie CTAs

Produzir conteúdo é parte de uma estratégia de Inbound Marketing e, por isso, quando a colocamos em prática temos um objetivo claro que pode ser gerar leads, aumentar o engajamento, transmitir valor, ampliar autoridade, entre tantos outros.

O conteúdo criado será responsável por atrair o leitor para uma determinada ação que tem relação com o seu objetivo. Por isso, é preciso deixar claro o que você espera que usuário faça após ler o seu texto.

Tudo isso pode ser feito por meio de CTAs. Também conhecido por Call To Action, que são espécies de “chamadas” que farão o leitor ou visitante do seu blog tomar uma ação. Eles podem ser feitos em formatos visuais ou de texto, e servir a diversos propósitos.

Mas eles não precisam estar presentes apenas no final dos conteúdos. É interessante incluí-los durante o conteúdo em partes de destaque para aumentar a chance de conversão e tomada de ação.

10. Bônus: utilize ferramentas

Por mais que o texto esteja aparentemente pronto para publicação, somos seres humanos passíveis de erros e deslizes. Mesmo que eles sejam totalmente compreensíveis, ninguém quer deixar passar um problema de gramática, não é mesmo?

Sabendo disso, é interessante buscar por ferramentas online. Elas existem para as mais diversas finalidades, ou seja, seu texto será corrigido não apenas no que diz respeito à gramática, mas, também, em outros pontos muito importantes que prejudicam a qualidade de um artigo (como a repetição de palavras, por exemplo).

Depois de tantas dicas e características interessantes, tenho certeza que você está pronto para arrasar nos textos!

Depois de aprender sobre os melhores pilares do conteúdo que gera engajamento, que tal ver o nosso Guia de Produção de Conteúdo para a Web? Já adianto que vai ser um ótimo complemento para tudo o que eu falei aqui!

Guia Completo de Produção de Conteúdo

Posts populares com esse assunto

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *