Oceano Azul

Oceano Azul: aprenda a criar um modelo de negócios sem concorrência

Conheça a ideia e a estratégia do Oceano Azul, para entender como construir um modelo de negócio freelancer sem concorrentes!

Vou começar este artigo com a pergunta de um milhão de dólares: o seu modelo de negócio é um oceano azul ou um oceano vermelho? Em outras palavras, você está ao lado de milhões de outros freelancers, prestando o mesmo tipo de serviço e cobrando um valor semelhante ou soube se destacar de alguma forma?

Em 2005, quando W. Chan Kin e Renée Malbourgne lançaram o livro A Estratégia do Oceano Azul, essa pergunta era tão nebulosa para freelancers quanto para empresas consolidadas.

O que a publicação fez de revolucionário foi demonstrar que é na concepção do modelo de negócio que uma empresa começa a se livrar da concorrência.

E isso em uma época em que novos empreendedores se concentravam em “surfar a onda” do mercado, isto é, fazer o que todo mundo fazia esperando garantias de sucesso igual ao dos antecessores.

Pronto para conhecer um pouco melhor a concepção de um oceano azul no mundo dos negócios e como ela pode ajudar na sua carreira freelancer? Então, mãos à obra!

O que é A Estratégia do Oceano Azul

A imagem que perpassa o livro é a de um enorme oceano cuja área se divide entre as regiões onde são travadas lutas duras (o oceano vermelho) e outras mais calmas, livres de embarcações, que seguem esperando para serem exploradas (o oceano azul).

Aplicando essa imagem ao campo da Administração de Empresas, os autores criam a célebre analogia: estar no oceano vermelho significa ter muitos concorrentes, oferecendo o mesmo produto que eles a um número cada vez menor de clientes. Ou seja: maior oferta, menor procura e, por conseguinte, menos lucro.

O oceano azul, por outro lado, é aquele lugar inexplorado, onde a maior parte das empresas não enxerga oportunidades. Para demonstrar como existem surpresas agradáveis nessas águas, os autores citam o posicionamento de uma marca que, assim como você, trabalha com criatividade e criação: o Cirque du Soleil.

Confira outros conteúdos específicos sobre livros e autores aqui no blog! 📚
Carmine Gallo: 4 lições sobre escrita e storytelling para você aprender
Confira 5 insights do guru Seth Godin sobre a carreira freelancer
Stephen King: 5 lições sobre escrita e storytelling para você aprender
Austin Kleon: 8 lições que você pode aprender com o autor!

O exemplo do Cirque du Soleil

Ao oferecer um espetáculo que reúne elementos circenses e teatrais, essa companhia atinge público das duas esferas sem, no entanto, competir com nenhuma delas. Se você parar para pensar, o Cirque du Soleil não tem concorrentes de nenhum tipo.

Ele navega tranquilo as águas azuis do entretenimento de alto nível com seus coreógrafos, palhaços, bailarinos e malabaristas.

A companhia soube, ainda, evitar percalços no seu modelo de negócio: diferentemente do que acontece nos circos convencionais, o grupo não utiliza animais nas apresentações.

Tal prática é cara, complica a logística das viagens e ainda é mal vista pelas entidades protetoras e público em geral. Em outras palavras, em todos os aspectos, o modelo de negócio do Cirque du Soleil, é único.

Porque o oceano azul é uma estratégia

Em meados dos anos 2000, quando esse livro foi lançado, já não era nenhuma novidade a ideia de que é melhor se estabelecer em fatias de mercado ainda não exploradas.

O caráter inovador da publicação, no entanto, é que ela traçou uma metodologia para atingir o oceano azul, aplicável a qualquer tipo de empresa, de qualquer tamanho.

Para isso, W. Chan Kin e Renée Malbourgne criaram uma ferramenta chamada Matriz de Avaliação de Valor, cujo propósito, nas suas palavras, é:

Permitir que a empresa compreenda em que os concorrentes estão investindo, os atributos nos quais se baseia a competição em termos de produtos, serviços e entrega, e o que os compradores recebem como clientes de qualquer das ofertas competitivas existentes no mercado.

Na prática, a Matriz demonstra que boa parte das empresas gasta mais tempo tentando superar a concorrência do que oferecendo aquilo que o cliente realmente quer.

O melhor exemplo disso é a fabricação de vinho, que atende a inúmeros critérios técnicos (tipo da uva, país de origem, envelhecimento, rótulo etc.), quando, na verdade, o único critério que importa para quem compra é o sabor.

Agora, pense no seu trabalho freelancer: você não estará oferecendo algo que está acima da expectativa (e da compreensão) do seu cliente e, com isso, gastando mais tempo e esforço do que deveria na produção dos conteúdos?

Como o livro pode ajudar na sua carreira freelancer

Boa parte dos dilemas dos freelancers, mesmo que muitos de nós ainda não saibam, está relacionada ao seu modelo de negócios. Por exemplo, temos dificuldades de:

  • delimitar um escopo de trabalho;
  • determinar nossos próprios prazos, sem sufoco;
  • restringir o número de ajustes pedidos por clientes;
  • precificar cada uma das nossas tarefas.

Tudo isso junto é exatamente o que se chama de modelo de negócio. E, quando atuamos fazendo o que todos fazem, sempre tem alguém que cobra mais barato ou entrega mais rápido, ainda que para isso precise sacrificar a qualidade do trabalho, concorda?

A solução para nossos problemas está no conceito de inovação de valor do livro Oceano Azul:

Nós chamamos [essa estratégia] de inovação de valor, pois em vez de [as empresas do Oceano Azul] se esforçarem para superar os concorrentes, concentraram o foco em tornar a concorrência irrelevante, oferecendo saltos no valor para os compradores e para as próprias empresas, que assim desbravaram novos espaços de mercado inexplorados.

Ou seja, posicione o seu trabalho freelancer em um terreno em que a concorrência não esteja. Usando a Matriz de Valor do livro A Estratégia do Oceano Azul, você pode aplicar o conceito de Inovação de Valor ao seu trabalho.

Além disso, nem sempre estamos aptos a transformar o nosso modelo de negócio da noite para o dia. Ainda que a sua opção seja se manter oferecendo os mesmos serviços que a concorrência, o Oceano Azul vai te ajudar a criar consciência a respeito daquilo que oferece.

Pense nos itens que enumerei acima: você diria ter, hoje, respostas prontas se alguém lhe perguntasse quanto cobra, quais são os seus prazos e o número de ajustes máximo?

A verdade é que boa parte de nós nunca parou para pensar nisso, e acabamos aceitando condições impostas pelos nossos clientes, que muitas vezes não são as melhores para a qualidade do trabalho. Pense nisso, de agora em diante!

E tão importante como ter pronto um modelo de negócio (de preferência aquele que te ajuda a navegar nas águas calmas do oceano azul) é se formalizar. Baixe agora o nosso Guia definitivo para se tornar um MEI!

Powered by Rock Convert