Por Isabela Sartor

Psicóloga por formação. Perita em Hogwarts por diversão.

Publicado em 05/11/2019. | Atualizado em 31/10/2019


Solitude é um isolamento voluntário. Essa expressão foi muito usada pelo pensador Paul Tillich, que associou o termo à glória e felicidade de estar sozinho. Na solitude, conseguimos entrar em contato com nosso mundo interno, colocar os pensamentos em ordem e observar o significado das nossas emoções.

Imersão Freelancer - maior curso online gratuito do BrasilPowered by Rock Convert

Estar sozinho, para você, é algo prazeroso ou angustiante? É fato que cada um de nós sente isso de maneira diferente. Em alguns momentos, ainda, nossa cultura nos leva a acreditar que ficar sozinho é ruim. No entanto, você sabia que passar um tempo na própria companhia pode ser positivo?

Quem refletiu muito sobre essa questão foi Paul Tillich, um importante pensador do século XX. Para ele, a solitude “expressa a glória de estar sozinho”. Mas ele ressalta, também, que solitude é diferente de solidão.

Bem, mas o que é solitude, de fato? Por que ela pode ser vantajosa para nós? E, ainda, em quais aspectos ela se difere da solidão?

Responderemos todas essas questões tão filosóficas-existenciais-essenciais ao longo das próximas linhas. É só seguir!

O que é solitude?

Solitude é um isolamento voluntário. Essa expressão foi muito usada pelo pensador Paul Tillich, que associou tal palavra à glória e felicidade de estar sozinho.

Ele defendia que é apenas quando estamos sós que conseguimos entrar em contato com nosso mundo interno, colocar os pensamentos em ordem e observar o significado das nossas emoções.

Para Tillich, é preciso encontrar beleza no silêncio e na tranquilidade trazida por ele.

Qual a diferença entre solitude e solidão?

Seguindo a linha de raciocínio que diferencia essas expressões, solidão tem um significado mais desagradável. Ela remete à dor, à angústia, à sensação de vazio. A solidão é o sentimento de não conseguir ser feliz, por ter a sensação de que falta algo na vida. Alguém que não tem um relacionamento amoroso e deseja um, a todo custo, sente a solidão.

No entanto, a solidão não está associada apenas à falta de romances. Na verdade, ela tem um conceito mais amplo, podendo significar estar ou não ao redor de amigos, pessoas.

Já sentir a solitude é ter momentos sozinho e não sofrer com isso. É não ter a necessidade constante de ter uma pessoa por perto e saber viver em paz interna, apesar disso.

Todavia, não é necessário ser um eremita para praticar a solitude. É possível, por exemplo, ter amigos e um relacionamento amoroso, mas também gostar de passar um tempo desacompanhado.

Qual a relação entre solitude e empreendedorismo?

É a partir de momentos de solitude que temos a oportunidade de pensar sobre erros e acertos no modo de empreender. Fazer essa reflexão enriquece a percepção do que pode ser aprimorado e do que deve ser continuado.

A produtividade se tornou uma virtude muito desejada por todos. Fazer rápido em menos tempo é algo que as pessoas buscam aprimorar cada vez mais e empreendedores costumam se cobrar muito nesse aspecto. No entanto, o que quase nunca é incentivado é o comportamento de parar um pouco e contemplar o que está acontecendo.

As reflexões influenciam nas decisões e, consequentemente, nos resultados do negócio. Sem essa análise, o aprendizado fica comprometido, de forma que escolher um momento do dia ou da semana para refletir e anotar insights é poderoso. Algumas perguntas interessantes podem ser:

  • O que aconteceu hoje que eu gostaria que se repetisse?
  • O que tem colaborado para os resultados da minha empresa?

Como a solitude se relaciona com a inteligência emocional?

Algumas pessoas tentam se ocupar o tempo todo e não conseguem ter aquele instante de pausa em que simplesmente não fazem nada. Os 10 minutos de tempo livre depois do almoço, por exemplo, são preenchidos com redes sociais e as horas após chegarem em casa do trabalho são ocupadas com TV. Isso faz com que percam a oportunidade de se conectarem consigo mesmas.

A reflexão sobre si e os acontecimentos do dia ajuda a trazer um pouco mais de autoconhecimento. No entanto, para conseguir escutar a mente, é necessário silenciar tudo ao redor.

Algumas ideias de perguntas podem ser:

  • Por que eu agi daquela maneira naquela situação?
  • De que forma posso melhorar minhas atitudes?
  • O que influenciou minha decisão?
  • Do que eu preciso para ter mais satisfação?

Claro que essa não é a única maneira de aprimorar a inteligência emocional, mas pensar sobre essas questões ajuda bastante.

Por que algumas pessoas lidam melhor com a solitude?

A cultura ocidental tende a valorizar mais as pessoas extrovertidas, que estão sempre em ação. Assim, alguém sozinho ou quieto muitas vezes é considerado problemático do ponto de vista dos outros. Ir ao cinema só, por exemplo, é motivo para muitas indagações.

Desde cedo, crescemos com o pensamento introjetado de que devemos ser expansivos para sermos considerados mais divertidos ou que precisamos estar com alguém ao lado para sermos mais realizados. Um pequeno exemplo são os clássicos contos infantis, cujas histórias terminam com a princesa e o príncipe juntos e felizes para sempre.

Além disso, também tem a influência da carga genética. Todos nascemos mais inclinados para a introversão ou para a extroversão. Enquanto os extrovertidos precisam de contato social para reporem a própria energia, os introvertidos sentem-se exaustos após ficarem muito tempo rodeados por pessoas. Eles, ao contrário, repõem a energia ao se isolarem um pouco.

Essas duas condições influenciam em como interpretamos o que é ficar só. Dependendo do ambiente em que crescemos e de como os outros nos passaram esse conceitos, lidamos melhor ou pior com a solitude.

De que forma a solitude pode mudar a vida de uma pessoa?

A solitude é uma oportunidade para definirmos sonhos, projetos de vida. Nossas reflexões nos ajudam a entender um pouco o que queremos ou do quê precisamos para ter mais satisfação.

Ficar apenas com a nossa própria companhia também pode nos livrar de problemas sérios. Um exemplo disso é quando as pessoas aceitam amizades falsas ou migalhas de um relacionamento amoroso, apenas para não terem a sensação de estarem sós. Assim, é importante trazermos para nós a responsabilidade de sermos felizes, em vez de depositá-la nos outros.

Também podemos citar o ócio criativo como mais uma vantagem de praticar a solitude, visto que deixar a mente livre é importante para que ideias surjam. Afinal, uma rotina de muita produtividade e sem pausas é um bloqueio para a criatividade.

Porém, isso não significa que precisamos ficar sempre isolados, já que ter habilidades sociais e saber lidar com os outros é importante. Dessa forma, mesmo os introvertidos ou os que gostam da solitude precisam estar com pessoas de vez em quando, visto que relacionar-se é bom e permite aprendermos muito com o outro também. Ou seja, o equilíbrio é saudável.

Bem, você entendeu o que é solitude e o quanto ela é indispensável para nosso crescimento pessoal. Agora é com você começar a colocá-la em prática. Tire algumas horas na semana para entrar mais em contato consigo mesmo e refletir sobre aquilo que você pode mudar para ser mais feliz.

Falando nisso, a vida de freelancer é uma boa oportunidade para tirar um tempinho a mais para si. Por isso, baixe nosso ebook e saiba como é viver de freela!

Vivendo de freela: histórias de sucesso dos freelancers Rock ContentPowered by Rock Convert

Posts populares com esse assunto

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *