Por Nara Porto

Redatora especialista em Gestão de Pessoas, Negócios e Trabalho Remoto.

Publicado em 31/10/2019. | Atualizado em 25/10/2019


Resiliência é o que torna um indivíduo flexível diante das adversidades. Ela é construída com um conjunto de habilidades que permitem lidar com os problemas e contratempos da vida, fazendo com que a pessoa fique mais forte à medida que os enfrenta.

Os problemas sempre acontecerão ao longo da vida, ainda que com maior ou menor intensidade. A diferença não está neles e sim na maneira como são percebidos. Entretanto, quando você aprende a lidar com suas emoções e consegue ter uma visão analítica para resolvê-los, se mantém flexível diante desses desafios.

Mas, ao contrário do que alguns possam pensar, ninguém nasce resiliente. Essa competência é construída diante dos conhecimentos e experiências ao longo da vida. Então, o que significa ser resiliente e como desenvolver essa habilidade?

Neste post, vamos responder essas dúvidas. Acompanhe!

O que é resiliência?

Resiliência é o que torna um indivíduo flexível diante das adversidades. Ela é construída com um conjunto de habilidades que permitem lidar com os problemas e contratempos da vida, fazendo com que a pessoa fique mais forte à medida que os enfrenta.

Esse termo sempre foi utilizado no campo da Física para definir a capacidade que um material tem de voltar à condição original sem defeitos, mesmo depois de sofrer grandes impactos.

Mas, no final da década de 80, a resiliência também passou a ser empregada nos campos da Psicologia positiva e cognitiva, quando cientistas começaram a relacionar essa capacidade com o desenvolvimento humano.

Por que é importante ser resiliente

Segundo um estudo publicado pela Harvard Business Review, 75% das pessoas veem o ambiente de trabalho como o maior consumidor de suas reservas de resiliência, em vez de outros acontecimentos que podem levar a traumas emocionais, como a perda de um ente querido. Isso ocorre porque esses eventos rotineiros acontecem com mais frequência, diferentemente dos trágicos.

Ou seja, ao contrário do que alguns possam pensar, ser resiliente não se trata apenas da capacidade de vencer grandes desafios, mas sim ver nessas adversidades uma oportunidade. Sendo assim, o indivíduo consegue manter a razão, ainda que uma parte de suas emoções esteja afetada.

Essa capacidade serve como apoio para todos os aspectos da vida. No entanto, quando uma pessoa é resiliente em uma área, não significa que será em todas. Por isso, é preciso construir crenças que ajudem a gerenciar as emoções e avaliar os cenários em cada situação.

Como desenvolver a resiliência — veja 6 dicas

Quando a pessoa é resiliente, ela consegue compreender a situação, interpretando os fatos de maneira racional. Além disso, sabe lidar com os problemas sem afetar a saúde física e mental, reconhecendo quando é a hora de pedir ajuda. Mas afinal, o que é preciso, na prática, para desenvolver resiliência? Veja!

1. Identificar crenças limitantes

O que torna uma pessoa resiliente são as crenças que ela tem com relação às diversas áreas da vida. Quando acredita em uma causa, ela se sente estimulada a prosseguir, ainda que de maneira inconsciente. Por outro lado, modelos mentais construídos com base em experiências ruins podem dificultar a compreensão real dos fatos.

Isso é conhecido como crenças limitantes. O primeiro passo para desenvolver resiliência é entender essas crenças, visto que elas podem causar medo e insegurança irracionais.

2. Praticar reestruturação cognitiva

Como tudo começa no seu mindset, se você mudar seus pensamentos, também mudará as emoções que estão associadas a eles. Assim, a reestruturação cognitiva ajuda a traçar hipóteses que justifiquem algumas crenças, facilitando a compreensão do porquê você reage de certa forma em determinadas situações.

Um ótimo exercício para entender isso é escrever um diário. Experimente anotar os acontecimentos do dia e como se sentiu em relação a eles. Isso ajudará a percebê-los sob outro ponto de vista.

3. Aprender com seus erros

Quando a pessoa tem baixa resiliência, a tendência é que ela repita os mesmos erros, ainda que em situações diferentes. Com pouca flexibilidade mental, tem dificuldade de repensar novas opções diante do fracasso e, por instinto de preservação, tende a entrar numa zona de conforto.

Pense nos seus primeiros erros. Já pensou se tivesse desistido no primeiro tombo de bicicleta ou na primeira nota baixa? Eles fazem parte do processo de aprendizagem, por isso, sempre que falhar, identifique quais foram as causas e recalcule a rota para continuar, mas de forma diferente.

4. Definir metas pessoais realistas

A conquista de objetivos estimula sua mente a reconhecer que você tem a capacidade de vencer suas próprias limitações e aproveitar as oportunidades. Por isso, é importante construir visões de futuro que guiem sua trajetória, tanto pessoal quanto profissional.

Portanto, trace metas para conquistar objetivos em curto, médio e longo prazo. Desenvolva também a autoeficácia, compreendendo quais ações precisam ser praticadas para alcançar os resultados esperados. Dessa maneira, você assume a responsabilidade por suas conquistas sem esperar que outra pessoa diga o que precisa ser feito.

5. Desenvolver relacionamentos positivos

As competências sociais são fundamentais para a construção de hábitos e emoções positivas, porque geram vínculos que servem como apoio. Elas vão além da construção de círculos de amizade, por exemplo, e tratam da capacidade que a pessoa tem de pedir ajuda e ser monitorada. Aliás, isso é essencial para desenvolver resiliência.

Encontre pessoas que conseguiram superar situações semelhantes e esteja disponível para aprender com elas. Essa troca de aprendizado é fundamental para descobrir recursos que jamais pensou em utilizar e que também servem como estímulo para perseverar.

6. Analisar as situações sob novas perspectivas

Faça uma experiência rápida: pegue qualquer objeto que esteja na sua mão e visualize cada detalhe. Depois, repita o processo em outra posição. Percebe como você conseguiu ver detalhes que não foi possível na primeira posição?

Quando você pratica esse exercício diante das adversidades, também aperfeiçoa outras duas soft skills essenciais: pensamento estratégico e proatividade. Assim, consegue encarar os desafios com novas perceptivas, sabendo quando as mudanças devem ser feitas e qual a melhor maneira de realizá-las.

O que determina o nível do seu desempenho profissional são suas competências, tanto técnicas quanto comportamentais. Por isso, ainda que você domine a área de produção de conteúdo, é fundamental desenvolver soft skills que ajudem a lidar com desafios que possam impactar a sua carreira.

Neste sentido, o que é fundamental para criar resiliência é exercitar o autoconhecimento. Assim, você passa a conhecer suas próprias emoções e identificar características que precisam ser aperfeiçoadas, alinhando sua carreira ao seu planejamento de vida.

Então, que tal começar agora mesmo? Acesse a nossa ferramenta Roda da Vida e faça logo sua autoavaliação pessoal e profissional!

Roda da VidaPowered by Rock Convert

Posts populares com esse assunto

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *