Por Caroline Abrantes

Analista de Comunidade na Rock Content.

Publicado em 29/12/2020. | Atualizado em 28/12/2020


Paciência, inteligência emocional, ter uma reserva financeira e, até mesmo, sonhar: esses são os aprendizados mais frequentes nos depoimentos dos freelancers da Comunidade Rock Content.

O que você aprendeu em 2020 e como está se preparando para 2021?

Faltavam 66 dias para o final do ano quando fizemos essas perguntas para nossa Comunidade de Freelancers. Dentre tantas incertezas que dominaram 2020, podemos eleger uma única certeza: foi um ano desafiador, que tirou todo mundo da zona de conforto.

Com os desafios, é comum descobrirmos novos potenciais que pareciam escondidos. Ou até mesmo nos conhecermos melhor, entendendo limites que antes não conhecíamos.

Vamos conferir o que falaram os freelancers da Comunidade Rock Content?

Continue a leitura para conhecer a percepção de alguns dos freelancers mais talentosos do Brasil nesta marcante virada de ano!

Nossa, que ano foi este. Nunca ninguém iria imaginar passar por tal situação. Mas vamos lá, tirar aprendizado de tudo, né?

Eu aprendi a ser mais paciente, a controlar mais a ansiedade para manter o equilíbrio. Não é fácil. Contudo, todos os dias vamos dando pequenos passos.

Para 2021, estou com projeto de um negócio online e no momento fazendo curso para poder implementá-lo. Vamos torcer para dar certo!

Carina Dragone

Eu aprendi que não podemos viver sem uma reserva financeira de pelo menos um ano. Sei que é difícil, mas é importante

Quem diria que enfrentaríamos uma pandemia que duraria mais de 6 meses? Quem diria que teríamos que lidar com uma queda na nossa demanda?

As incertezas de como tudo vai funcionar no futuro ainda existem, portanto, quanto mais preparada estiver financeiramente, mais tempo terei para me recuperar de qualquer instabilidade no meu orçamento.

Fernanda Monteiro

Acho que a reserva financeira é a campeã mesmo. As incertezas na demanda, a alta nos preços e as dificuldades para produzir só deixaram claro o quanto é importante ter um amparo financeiro

Para 2021, levo a esperança de dias melhores, a noção do quanto a consciência social e responsabilidade coletiva são importantes e o desejo de ver os danos serem restaurados.

Flávia Lemes

Planner 2021Powered by Rock Convert

Sem dúvidas, o que eu mais aprendi este ano foi que eu preciso saber desacelerar, mesmo que isso traga consequências

Para 2021 eu quero principalmente me lembrar que estou viva, independentemente de estar em uma pandemia ou não e do caos que o próximo ano ainda deve estar.

Isso envolve me lembrar de que eu sou mais que uma mente produtiva que precisa trabalhar incessantemente nos diferentes projetos da vida.

Nivia Alves Pereira

Neste ano de 2020 eu aprendi que não deveria existir uma hora certa para começar novos projetos, se esses são grandes sonhos de vida!

Talvez o momento de incerteza tenha me impulsionado mais, mas começar a desenvolver meus projetos este ano foi o melhor que me aconteceu.

Para 2021 eu quero continuar tendo forças para estudar, trabalhar e me manter ativa em busca do que eu realmente quero para minha vida!

Bianca Santana

Eu aprendi que somos resilientes por natureza e que a adaptação realmente é uma competência imprescindível para a sobrevivência

Também percebi que sou mais multitarefas do que eu poderia supor, já que precisei ser mãe em tempo integral, professora, estudante universitária, redatora, dona de casa e suporte da família.

Precisei reduzir o consumo de notícias para manter a saúde mental, tive picos de ansiedade de não querer levantar da cama e, mesmo depois de tudo, ainda fui mais produtiva do que antes.

Para o próximo ano, quero criar a tão almejada reserva de emergência, terminar a obra da minha casa (que pude começar e manter com os freelas), terminar de pagar uma dívida e perder o medo de empreender que me acompanha desde que minha empresa faliu.

Queria ter disposição e tempo para colocar um projeto de e-commerce em ação e receber ajuda para criar um aplicativo que liga potenciais doadores (de tempo, dinheiro, produtos e serviços) às pessoas que precisam.

Também quero viajar com o meu pai para a cidade natal dele, na Bahia e ver o mar. Nossa, são muitas coisas que foram proteladas por conta da pandemia e da dificuldade de manter a estabilidade emocional.

Como o fim de ano é época de renovar a esperança, acredito que esse vai ser o momento certo de sonhar… apesar de também aprender a não criar muita expectativa depois da pandemia.

Entretanto, se é para sonhar, que 2021 chegue com saúde para todos, retomada da economia e do emprego, com muitas oportunidades e tarefas para todos, mas, principalmente, com a redução do número de pessoas que entraram para a pobreza extrema. Isso realmente me deixou sem chão este ano.

Anelise Margotti

2020, um ano muito difícil que testou meus limites em todas as áreas da minha vida.

Perdi um ótimo emprego CLT no início do ano, mas consegui me virar muito bem me dedicando 100% ao trabalho freelancer. Eu me surpreendi comigo mesma!

Convivendo com a família por mais tempo, aprendi a amá-los mais. Aprendi também que o isolamento psicológico pode ser mais cruel que o isolamento físico.

E quando eu acreditava que não tinha mais como piorar, peguei covid no início de outubro, não consegui trabalhar, ainda estou me recuperando com meu pai internado há mais de 10 dias pelo mesmo motivo.

Com isso, estou aprendendo que não adianta o quão seguros nós pensamos que estamos, a vida pode tomar rumos improváveis sem nem ao menos pedir permissão.

Por isso, eu não consigo criar planos para 2021, a única coisa que eu consigo é desejar viver feliz cada dia ao lado das pessoas que realmente importam para mim, pois eu jamais saberei quando isso será tirado de mim. Carpe Diem.

Juliana Duarte

Este ano está me mostrando que não importa o quanto nosso planejamento seja bem-feito, nós simplesmente não temos controle total sobre as nossas circunstâncias.

Não tem como nos prepararmos para todos os cenários, mas uma reserva de emergência já ajuda bastante. A verdade é que, se surgirem novos obstáculos, vamos precisar de flexibilidade para aprender a lidar com eles ao vivo e a cores, sem uma preparação prévia.

E quando as coisas não derem certo, não adianta ficar se lamentando. É verdade que pode bater a frustração e o desânimo. Mas precisamos encontrar um ponto de equilíbrio emocional.

Levou alguns meses, mas eu encontrei o meu. Espero que esse aprendizado seja útil se aparecerem novas surpresas pela frente.

Mateus Pimenta

Parece clichê, mas 2020 jogou na nossa cara a importância da saúde mental e da inteligência emocional

Os pensamentos e as emoções que criamos, a partir do que acontece, não só influenciam como reagimos, mas também definem como sairemos do caos.

Antes, eu já achava isso importante, mas em 2021 será um dos meus maiores focos.

Bela Sartor

Nossa, se tem um ano que gerou aprendizado foi 2020. Tudo bem que foi muito mais na base da dor do que do amor.

Pessoalmente, reforcei a percepção de o que se leva da vida é a vida que se leva. Clichê, mas verdade. Não poder sair de casa, não ver amigos e familiares, tudo isso nos dá a dimensão da importância das relações pessoais.

No lado profissional, também reforcei a certeza de que não podemos contar com uma única fonte de renda, que as relações são muito frágeis e que nada pode ser tomado como certo. As empresas e os clientes vão fazer o que é melhor para eles e você deve fazer o que é melhor para você. Se uma coisa coincidir com a outra, maravilha. Caso contrário, é cada um para o seu lado. Fiquei mais esperta e mais fria com isso.

Agora, também percebi que crise gera muitas oportunidades, especialmente na comunicação. Saio mais calejada, mas também mais forte. E ligeiramente mais desconfiada.

Alessandra Milanez

Eu aprendi a chorar. Quero dizer, não o ato simples de chorar, mas o momento certo de parar de lutar contra as lágrimas que tentam sair

No meu caso, que tenho ansiedade e sobrecarga sensorial, a vontade de chorar vem como uma válvula de escape para liberar todo o excesso.

Normalmente a gente é induzido a quê? Engolir o choro, não demonstrar fraqueza e cansaço, não ser vulnerável perto dos outros… Então, eu diria que em 2020 eu aprendi a respeitar minha vontade de chorar.

Se ela vem, é porque preciso e então eu deixo fluir as lágrimas contínuas. Cada vez que faço isso eu sinto como se uma rolha soltasse no topo da minha cabeça e saísse um vapor enorme de coisas que fervilharam dentro de mim e eu não soube/pude colocar pra fora na hora.”

Orquidea Martins

A Comunidade Rock Content é formada pelos profissionais que criam e desenvolvem os conteúdos mais incríveis do Brasil. Clique aqui para saber mais!

Powered by Rock Convert

Posts populares com esse assunto

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *