Por Juliana Pires

Publicado em 19/08/2019. | Atualizado em 23/08/2019


De produção de conteúdo a consultoria online, descubra 10 ideias de negócios lucrativos que se encaixam direitinho na vida de quem quer trabalhar como freelancer.

A internet se tornou um ambiente muito favorável quando falamos de negócios lucrativos, principalmente pelo fato de que, muitas vezes, é possível iniciar uma carreira promissora com pouco ou nenhum investimento financeiro, como é o caso da redação freelancer.

Embora haja bastante oferta, é essencial focar em um nicho de atuação para que você possa se aperfeiçoar e crescer naquilo que escolher, encontrando oportunidades com mais facilidade.

Para aqueles que ainda estão na dúvida, nós listamos 10 ideias de negócios lucrativos para apostar em 2019. Você não vai perder, né? Então confira a seguir!

1. Produção de conteúdo

A forma como as pessoas consomem informação mudou nos últimos anos, migrando da tradicional TV, jornais, livros e revistas para os diversos canais da internet.

Essa mudança gerou uma demanda quase que interminável por conteúdos relevantes e, somando tudo isso ao fato de que hoje em dia qualquer pessoa com um computador pode ter um espaço na internet, temos uma ótima oportunidade de negócio para quem quer seguir a carreira de freela.

Um dos segmentos mais populares dentro da produção de conteúdo é o textual, que geralmente é publicado em blogs e sites pessoais, sendo uma das ferramentas mais utilizadas nas estratégias de Inbound Marketing. Também é possível atuar na produção de conteúdos em:

  • podcasts;
  • vídeos;
  • audioposts;
  • audiobooks;
  • webinars;
  • infográficos;
  • posts em redes sociais.

Quem se interessar em produzir conteúdo relevante na internet pode fazer isso de forma autônoma ou trabalhar para empresas que precisam engajar o público na internet.

Para ter sucesso nessa área, é preciso entender bem sobre as regras de SEO, dominar as diversas técnicas de escrita através de certificações em produção de conteúdo e sempre se atualizar acerca das tendências de marketing. O interessante é que não é obrigatório ter nenhuma formação específica.

2. Produção de e-books

Escrever e-books para a internet é uma prática que se encaixa na categoria de produção de conteúdo, porém, por ser uma atividade de grande potencial, vamos falar sobre isso de forma mais aprofundada.

E-book é o mesmo que livro digital, geralmente tem de 2.000 a 3.000 palavras e serve para que as pessoas estudem sobre um tema de forma mais aprofundada.

Esse tipo de material pode ser oferecido de forma gratuita, de modo que promova um blog ou site, ou até mesmo mediante um pagamento.

É possível produzir e-books dos mais variados temas, mas é importante que eles sejam bem estruturados. Afinal, já que são mais longos, podem ficar confusos e não oferecer aquilo que o leitor realmente precisa. Veja algumas dicas:

  • conheça bem o seu público antes de produzir o material para que ele seja verdadeiramente relevante;
  • estruture o texto em tópicos e subtópicos;
  • utilize ferramentas de planejamento de palavras-chave, como o Google Keyword Planner;
  • cuide da escaneabilidade do material para possibilitar uma leitura agradável;
  • sempre que possível, ilustre o e-book com imagens relevantes e de forma natural;
  • utilize fontes confiáveis e informações atualizadas para enriquecer o material.

Para produzir e-books, não é necessário ter nenhuma formação específica, mas é essencial dominar o tema sobre o qual será trabalhado. Cursos e certificações são sempre bem-vindos.

3. Revisão para a internet

Se há espaço na internet para aqueles que escrevem, então também há para aqueles que revisam, certo? A verdade é que, mesmo que o redator tenha boas habilidades linguísticas, é importante que o material passe por uma revisão.

Aliás, não são apenas os aspectos linguísticos que devem ser revisados. Também é importante verificar se o material está de acordo com a estratégia de marketing definida e as ferramentas de SEO da internet. O revisor também verifica:

  • a relevância de um material;
  • a escaneabilidade do texto;
  • sua adequação em relação ao funil de vendas definido.

Para conseguir oportunidades nessa área com mais facilidade, é importante ter uma graduação em áreas como Letras, Jornalismo, Marketing, Publicidade, Comunicação Social e afins.

Também é importante ter habilidades como senso crítico, interesse em diversos assuntos, pensamento estratégico e atenção a detalhes.

4. Tradução para a internet

Você domina um ou mais idiomas além do português? Pois essa é uma ótima forma de trabalhar online, traduzindo materiais como e-books, livros, blog posts, vídeos e muito mais.

Existe também uma grande demanda para tradução em áreas específicas e mais técnicas, como a tecnologia, a medicina e a engenharia, quando os profissionais dessas áreas precisam divulgar seu trabalho para o restante do mundo.

Além de dominar outras línguas, é preciso desenvolver boas técnicas de redação, afinal, compreender uma língua não significa estar apto a redigir textos adequados.

Outra dica é sempre procurar por qualificações que tragam mais valor ao trabalho, como certificações, cursos e vivência nos países onde se fala aquele idioma.

5. Produção de cursos online

Os cursos online são cada vez mais procurados por pessoas que querem se aperfeiçoar em um determinado assunto mas não têm tempo de dedicar horas fora de casa para fazer isso.

De acordo com o Censo EAD de 2016/2017, existiam cerca de 561.667 matriculadas em cursos a distância, número que já deve ser muito maior em 2019.

De fato, poder estudar em casa é um divisor de águas na vida de muita gente e uma grande oportunidade de negócio para quem é especialista em uma área ou um determinado assunto e pode compartilhar seus conhecimentos de forma profissional.

Porém, antes de lançar esse tipo de material na internet, é preciso muito planejamento. Vamos ver algumas etapas:

  • definição detalhada de público ou persona;
  • observação da concorrência;
  • definição dos assuntos abordados;
  • definição do nível do curso;
  • definição da duração do curso;
  • definição dos formatos (texto, vídeo, áudio)
  • análise de verba;
  • divisão do conteúdo;
  • preparação do material.

Não é obrigatório ser formado em nenhuma área específica para criar cursos online, embora isso possa funcionar como um grande diferencial na hora de promover o material.

O ideal é se manter atualizado sobre o assunto, manter as qualificações em dia e oferecer um material bem organizado.

É possível publicar esse conteúdo em um site próprios — o que pode ser bem caro — ou procurar por sites que façam isso por você, como o EAD Box, o famoso Hotmart e o Apollo.

6. Programa de afiliados

O programa de afiliados ficou muito popular desde a venda de produtos online teve início. Ser afiliado de uma marca significa divulgar um determinado produto de um terceiro, usando os diversos canais de comunicação da internet.

Se você é afiliado de um curso de idiomas, por exemplo, pode divulgá-lo em seu blog, canal ou rede social e, sempre que alguém fizer uma compra por meio do link que divulgou, uma comissão cai em sua conta.

Não é necessário nenhuma preparação específica ser afiliado, mas é necessário muito empenho e divulgação, já que os ganhos são proporcionais à quantidade de vendas realizadas.

Para iniciar, é necessário fazer parte de um programa de afiliados e existe uma série deles. Vamos listar alguns:

7. Criação e venda de layots

Você tem formação em design ou domina ferramentas como Photoshop e Illustrator? Seu talento não precisa ser usado apenas dentro de uma empresa. Muito pelo contrário, você pode criar peças gráficas incríveis e disponibilizá-las na internet.

O material que costuma fazer mais sucesso são os templates para sites e blogs criados a partir do WordPress, mas existem outras demandas, como logotipos, ilustrações, convites de festas e muito mais.

Para disponibilizar os layouts, é possível criar um e-commerce voltado para esse tipo de venda ou divulgar seu trabalho em sites, como o Freepick e Shutterstock.

Também é possível usar o Instagram como uma ótima plataforma de divulgação e venda, publicando as imagens no feed — com uma marca d’água — e negociando a disponibilização do arquivo editável por meio de mensagens privadas, e-mail ou WhatsApp.

8. Criação e venda de presets

Os presets são novidades no mundo digital, mas, graças à influência das it girls, blogueiras e youtubers, é um produto digital incrivelmente procurado.

Preset, na verdade, é um filtro predefinido, com configurações específicas, que aplica um estilo em fotos geralmente publicadas no Instagram.

Esse “estilo” padroniza as fotos com tons, iluminação e outras características, fazendo com que o feed permaneça mais equilibrado e personalizado, de acordo com o gosto de quem publica.

Para criar presets, é preciso entender bastante de fotografia e dominar aplicativos como o Photoshop e Lightroom.

Para realizar a venda — assim como acontece com os layouts —, é possível criar um e-commerce ou fazer tudo pelo Instagram.

9. Produção e edição de vídeo

Com a ascensão do YouTube, cresceu também o número de pessoas interessadas em produzir seus próprios vídeos e divulgá-los na plataforma. Afinal, essa tem se mostrado uma rentável oportunidade de negócio para quem alcança o sucesso.

Mas convenhamos, produzir e editar um vídeo de forma profissional não é uma tarefa tão fácil assim para quem tem zero conhecimento sobre o assunto. Afinal, isso requer prática e algumas ferramentas específicas.

Com essa demanda e essas características, nasce outra oportunidade de negócio: a de videomaker.

Esse profissional trabalha captando as imagens, editando-as e finalizando-as, de forma que fiquem prontas para irem ao ar. Se você pensa em realizar um trabalho freelancer que não exija a aquisição de equipamentos e locomoção, mas tem um bom conhecimento em edição, não tem problema.

É possível fazer uma parceira com outros profissionais que não estejam tão interessados em editar ou até mesmo realizar esse trabalho para youtubers que fazem sua própria filmagem.

10. Consultoria em soluções online

Quem tem bastante experiência em áreas como marketing digital, SEO, planejamento estratégico e áreas afins, mas não quer atuar diretamente em uma empresa ou um negócio próprio, pode oferecer consultoria para empresas que desejam crescer nesses pontos.

Iniciar esse trabalho pode exigir bastante networking e divulgação, mas, se seu trabalho gerar bons resultados, logo o marketing boca a boca começa a fazer sua mágica e será cada vez mais fácil encontrar bons clientes.

Para se tornar um consultor, independente da área de atuação, é preciso ter bagagem a oferecer. Essa área é indicada para pessoas que já viveram experiências sólidas naquilo que fazem, que têm uma ótima base acadêmica e que buscam se rodear de novidades de um determinado assunto.

Também é importante compreender que ser consultor significa ser empreendedor. Portanto, é essencial elaborar um bom planejamento financeiro, ser persistente diante das dificuldades, ter iniciativa e não se importar em correr riscos.

Aliás, essas características são comuns a todas as dicas de negócios lucrativos que apresentamos neste post. E adivinha só? Deixamos algumas dicas bônus para o final!

Essas dicas foram pensadas para você que quer expandir seus horizontes e ir além da sua área de atuação, buscando oportunidades em novos nichos. Veja só a nossa lista:

  • produção e aluguel de decoração de festas;
  • produção e venda de cosméticos naturais;
  • produção e venda de produtos veganos;
  • passeio e cuidados para pets.

E se 10 dicas de negócios lucrativos ainda não foram suficientes para você descobrir em qual negócio apostar em 2019, baixe nosso e-book Salário extra: 23 maneiras de complementar sua renda!

complementar a rendaPowered by Rock Convert

Posts populares com esse assunto