Por Lauro Lam

Jornalista, freelancer ful-time e praticante de esportes radicais.

Publicado em 19/10/2018. | Atualizado em 12/05/2020


Toda semana, elegemos um freela para escrever para a gente com pauta livre. Assim, conhecemos melhor a nossa Comunidade e você também. Essa é a história do Lauro Lam. Confira ;)

Assim como médicos entendem a rotina de médicos, geralmente freelancers têm muitas figurinhas para trocar e outras coisitas mais. Seja em relação aos temas dos textos, seja sobre os paranauês da diagramação ou design, enfim, o que não faltam são assuntos, reclamações ou comemorações após um mês bem produtivo.

A minha apresentação à Rock Content, por exemplo, foi como um caso de amor: ela chegou por meio de uma colega de trabalho que depois se transformou em namorada. O melhor de tudo isso? O que aprendi nos primeiros anos foi útil para ajudá-la na caminhada de freela.

Afinal, quando a Carol me apresentou à plataforma, ela nem sonhava em produzir nesse campo, pois já estava em outro emprego. Aliás, bem melhor do que o jornal impresso onde nos conhecemos.

Mas, o mundo gira e as coisas mudam tanto quanto a fila anda. E o que um dia foi uma ajuda para mim em outro pude retribuir, como mostrarei neste post.

Será que o namoro entre freelas pode ajudar ou não? Como nada na vida tem uma resposta absoluta, vou apresentar aspectos positivos e negativos e deixo que você faça a sua decisão. Portanto, namore este texto sem moderação!

Descubra como o namoro entre freelas pode ajudar

Na tela da TV, a seleção brasileira amargurava a pior derrota da história. Sim, o ano era 2014 e o adeus à Copa também era o prenúncio de outro adeus: à minha atuação e à de minha namorada em uma redação de jornal impresso diário.

Em razão de inúmeros motivos, ela foi para uma assessoria de imprensa e eu fiquei mais um pouco de tempo na labuta do hard news, ambos distantes a mais de 100 Km. No entanto, como eu sempre reclamava, ela me apresentou à Rock.

Comunidade Rock Content - Faça parte da maior base de freelancers do BrasilPowered by Rock Convert

Fiz o cadastro e  acabei não me interessando de cara. Somente no final de 2015 comecei a produzir, ficando interessado com a dinâmica e com a possibilidade de viver de freela.

Aí aprendi sobre formatos de textos, chamadas, inserção de hiperlinks, certificações, etc. Após dois anos, eis que ela decide focar na Rock. Nesse momento, nossa relação que estava bem desgastada — inclusive tínhamos terminado — começou a melhorar. Agora conto os motivos que foram preponderantes na reaproximação, muitos por conta de ambos serem redatores:

Troca de informações

Namorar com outro freela é trocar informações full time. Não tem como fugir disso. Você é aprovado em uma nova especialidade. Adivinha para quem vai contar primeiro? Foi reprovado? Dá-lhe reclamações no ouvido de quem te escuta. Pegou dois posts 3000 no mesmo dia? Eis a brincadeira: estou na sua frente essa semanaaa…. Tá com invejinha?

Um ajuda o outro também nas correções gramaticais, nas revisões antes de liberar o texto, na busca por melhores referências, em uma dica de freela para determinada especialidade que esteja necessitando de novos talentos. Enfim, a troca de informações é constante, contribuindo com o aprimoramento do texto e também da qualidade das tarefas entregues.

Colo emocional

Escrever não é tarefa fácil. Tem semanas que ficamos sobrecarregados e a mente também. Com isso, a produção cai, bate um clima de desânimo, as comparações com amigos e familiares vêm, e surgem dias de luz e de sombras.

Quando namoramos outro freela, geralmente a pessoa entende os questionamentos, lamentações, sendo um verdadeiro colo emocional nas horas difíceis.

Assim, quando um fica para baixo, o outro ajuda a melhorar o ânimo e vice-versa. Porque dificilmente ambos estarão em um céu de brigadeiro constante, somente com boas notícias a compartilhar. Isso é ilusão, já dizia Jota Quest!

A compaixão acaba sendo uma realidade, pois um conhece as dores do outro. Além disso, quando um fica mal, sempre há alguém para dar aquela levantada, principalmente lembrando dos pontos que necessitam de gratidão, do viver ao ser.

Criação de estratégias e metas

Conhecendo a dinâmica do trabalho e os rendimentos que podem ser conquistados semanalmente, duas pessoas pensam melhor do que uma, ou seja, um casal de freelas pode estipular metas e estratégias que estejam alinhadas com os seus respectivos estilos de vida.

Dessa maneira, um vai entender o outro quando um fim de semana for anulado por conta da busca de uma meta ainda não alcançada no mês. Ou quando um necessitar ficar escrevendo até às 3h de uma sexta, por exemplo.

Morando juntos, melhor ainda. Pois aí as tarefas da casa podem ser divididas tão quanto as contas, deixando a rotina mais equilibrada. Ambos também podem bolar um projeto de viagem e ir economizando uma quantia visando a conquista do objetivo ou mesmo um fim de semana diferente a dois.

Com isso, a comunicação melhora e ambos ficam mais próximos, um ajudando o outro.

Melhor conhecimento mútuo

Quando você atua na mesma profissão — e ainda no mesmo tipo de atividade — acaba, inevitavelmente, conhecendo melhor os pontos positivos e negativos da pessoa amada.

Tem gente que escreve mais rápido, que é mais detalhista, que tem medo das notas do cliente, das revisões, enfim, a comunicação frequente entre redatores faz com que um conheça melhor o outro.

Assim, até mesmo problemas pessoais poderão ser compreendidos com uma melhor facilidade, tendo em vista que muita gente não consegue se desvincular deles na hora de produzir.

Observar as qualidades se torna ainda mais incrível, já que o auxílio mútuo evidenciará traços da personalidade favoráveis ao bem viver coletivo.

Cuidados que devem ser tomados no namoro de freelas

Apesar dos pontos favoráveis, o namoro entre freelas pode ser um tiro no pé se determinados cuidados não forem levados em conta. O primeiro deles é saber dosar quando falar do assunto de trabalho.

Afinal, imagine você na praia conversando sobre determinado cliente ou demora na aprovação de uma tarefa X. Mesmo que certamente isso vá acontecer, faça um esforço para evitar.

Não deixe que os assuntos se transformem em obsessão ao ponto de causar pânico, tais como:

  • Acho que a Rock está limitando a quantidade de tarefas por freela;
  • E se a plataforma sair do ar e não voltar mais?
  • Será que esse lance de marketing de conteúdo vai continuar com uma quantidade boa de trabalhos ou deve ser algo momentâneo?
  • Estou com medo de não liberarem tarefas hoje e eu ainda não atingi a meta semanal;
  • Acho que vou procurar outra atividade porque essa semana não apareceu quase nada.

Enfim, ideias mirabolantes, fake news e teorias da conspiração podem causar uma instabilidade emocional e prejudicar o relacionamento. Busque sempre o equilíbrio e vá produzindo. Aliás, esse é o grande macete: produza, aconteça o que acontecer!

Evite ter ciúmes sobre a produção alheia. Isso porque sempre um vai ganhar mais do que o outro, ou seja, nada de ficar se comparando. Analise as qualidades e veja onde você tem que melhorar para aumentar os ganhos.

Afinal, cada um tem um pé de quê, aquele que precisa de mais cuidados, investimentos, buscas, aprimoramentos. Evite discussões que toquem no assunto trabalho. Caso a vida não esteja como você realmente sonhou, existe o poder da escolha.

Seja honesto, não brinque com o sentimento alheio e cuide de tudo com muito carinho. Afinal, antes de palavras, estamos lidando com pessoas.

Assim, estando solteiro, casado, namorando outro freela ou não, você também pode se transformar em um redator da coluna freela. Deixe as suas asas crescerem e encontre um mundo de possibilidades!

Lauro Lam

Lauro Lam

Repórter e redator freelancer, além de adepto e admirador da vida de casal freela.

Essa foi a história do Lauro!
Você tem alguma história de vida como freelancer que gostaria de compartilhar com a gente? Confira o form abaixo.

powered by Typeform

Posts populares com esse assunto

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *