Por Gleice Sousa

Publicado em 26/05/2020. | Atualizado em 21/05/2020


Motion graphics são peças de animação que criam uma ilusão de movimento. Isso é feito por meio da animação de desenhos propriamente ditos ou pela adição de pequenos efeitos na produção audiovisual. Entenda a importância dessa técnica!

Quantos vídeos você costuma ver na internet diariamente? Os conteúdos audiovisuais vêm ganhando cada vez mais espaço na internet e nas estratégias de marketing das instituições, o que resulta em uma maior demanda de trabalho para designers e editores.

Neste texto, você entenderá um pouco da história da animação 2D, além de conhecer uma área que está bastante em alta: o motion graphics. Além disso, saberá o que é preciso para ser um profissional de respeito e quais são as expectativas para o campo nos próximos anos.

Confira a história da animação 2D

Entre os anos de 1828 e 1832, o cientista belga Joseph Plateau inventou o fenacistoscópio, que daria origem às animações que vemos atualmente.

Ele é formado por dois discos de papel ligados por uma haste. Em cada um, existem desenhos, e quando os discos são movimentados, dá-se a impressão de que as imagens estão se movendo no papel.

Pouco tempo depois, William Horner inventou o zootropo, um equipamento que seria o sucessor do fenacistoscópio. Ele era formado por um tambor, com desenhos. Ao rodá-lo, as imagens eram animadas.

As primeiras animações em 2D que conhecemos e vemos no cinema eram feitas de maneira manual, no qual o molde dos personagens era feito em um frame de filme e, então, pintada em um plástico transparente.

Em seguida, o desenho era fotografado com o cenário, que também precisava ser feito a mão. Como você pode perceber, o processo se assemelha bastante ao processo de criação de um projeto em stop motion.

Com toda a sequência de fotos já tirada, era necessário organizar essas imagens em uma linha cronológica, e então o filme estaria pronto. Não é possível saber qual foi a primeira animação 2D feita, mas existe um forte candidato para esse posto.

Em 1892, Pauvre Pierrot é lançado, uma animação criada por Émile Reynaud, que também inventou o praxinoscópio, uma versão melhorada do fenacistoscópio.

O curta narra a história de um arlequim que visitava a sua amante colombina. Entretanto, o Pierrot aparece e ambos se escondem. Então o arlequim resolve assustá-lo para que ele possa ficar a sós com sua amada.

Hoje em dia

Atualmente, as animações 2D são feitas de uma maneira um pouco diferente. Eles ainda são desenhados, só que não de modo manual como antigamente, mas por meio de softwares de computador.

Todo o processo é feito digitalmente, o que promove uma maior rapidez na produção dos projetos, além de um resultado mais profissional tanto na qualidade dos desenhos quanto nos efeitos e na animação em si.

Disney e sua importância para a animação

Na década de 1930, os primeiros filmes da Disney começaram a ser produzidos e lançados. O primeiro deles foi o longa-metragem Branca de Neve e os Sete Anões, lançado em dezembro de 1937.

A empresa também promoveu diversas outras revoluções no mercado das animações, bem como do audiovisual no geral, lançando variadas obras e personagens que são lembrados e aclamados até hoje, como o próprio Mickey, mascote da instituição.

O sucesso da Disney foi tanto que ela conseguiu se consolidar como uma forte marca no mercado, passando a produzir não apenas filmes e animações, mas também parques temáticos das suas obras e diversos produtos que remetem à empresa.

Além disso, o que era apenas entretenimento começou a migrar para outras áreas, como publicidade e propaganda. Diversas instituições começam a adicionar animações aos seus comerciais, numa esperança de chamar a atenção não apenas do público infantil, mas também do adulto.

Hoje em dia, ainda se utiliza bastante elementos que lembram animações em peças publicitárias e estratégias de marketing. Uma delas será o foco do nosso texto, o motion graphics.

Entenda a importância do motion graphics

Você sabe o que é motion graphics? São peças de animação que criam uma ilusão de movimento, seja pela animação de desenhos propriamente ditos, seja pela adição de pequenos efeitos na produção audiovisual.

Essa técnica foi criada no século XIX com o parisiense Georges Méliès, na mesma época do surgimento do cinema. O motion graphics surgiu com a mistura de efeitos de stop motion com cortes de câmera criativos.

Com isso, diversos outros profissionais do campo procuraram se reinventar nessa nova técnica, criando assim movimentos gráficos de texto, formas e objetos, até que surgiu o efeito que utilizamos até hoje.

O motion graphics mescla princípios de animação, design, cinema e vídeo, o que dá à produção um visual único e bastante aceito, principalmente no meio online, ou seja, na internet.

Além do aspecto visual, investir em aprender a fazer motion graphics ou profissionalizá-lo pode trazer uma série de benefícios para você e sua carreira como freelancer. Entenda melhor sobre isso a seguir.

São mais atrativos

O visual do motion graphics é pautado em desenhos e animações coloridas e divertidas, e quem não adora um desenho, não é mesmo? Engana-se quem pensa que apenas crianças se sentem atraídas por animações mais vívidas; os adultos também gostam bastante.

São mais fáceis de produzir

Além de serem bonitas, as animações em motion graphics também são mais fáceis de serem produzidas. Muitas vezes, já é disponibilizado o molde dos desenhos, sendo preciso que o editor apenas faça a animação.

São mais baratos de serem feitos

Por não precisarem de muito processamento para serem editados ou renderizados, trabalhar com motion graphics também é mais barato do que outros modelos de edição e animação.

Fazem mais sucesso com o público

As empresas que utilizam o motion graphics em suas estratégias de marketing conseguem perceber uma grande aceitação do público por esse tipo de abordagem para os seus produtos e serviços.

Saiba quais são os principais modelos de motion graphics

O motion graphics é dividido em algumas categorias, o que permite ao profissional da área variar entre estilos para oferecer um resultado mais satisfatório para determinado público. A seguir, conheça os principais.

Flat design

O flat design é um dos estilos mais simples de motion, mas isso não o impede de ser bastante atrativo e apresentar um efeito mais bonito para o projeto. Nele, são usados elementos de profundidade, brilho, sombras e reflexos.

3D

Sendo um dos estilos mais utilizados entre os editores atualmente, essa técnica busca trazer elementos de três dimensões para os desenhos, o que acaba trazendo mais modernidade e autoridade para as marcas que os utilizam em seus projetos audiovisuais.

Colorido e caricato

Essa técnica é utilizada principalmente na criação de materiais que serão veiculados para as crianças, como a venda de serviços de streaming de desenhos ou brinquedos. As animações são bastante coloridas e apresentam elementos humorísticos para prender a atenção dos pequenos.

Animação em Quadro Branco

Esse modelo é bastante “viralizável“, e você já deve ter visto um deles por aí. São aqueles vídeos em que uma mão desenha várias palavras ou figuras em um quadro branco para explicar algum assunto.

Ele tem uma rápida e alta aceitação pelo público, já que muitos se identificam e lembram do seu período de escola por conta das explicações na lousa. Incentivar a utilização dessa técnica para os seus clientes pode ser algo bastante eficiente.

Assim, você conferiu uma série de motivos e técnicas que fazem do motion graphics tão eficiente e importante para o desenvolvimento de uma estratégia de marketing de conteúdo competente, além de serem uma grande fonte de renda para você que é editor.

Conheça o perfil do profissional de motion design

O motion graphics pode ser trabalhado tanto por designers quanto por editores de vídeos, já que a técnica usa muitos elementos e conhecimentos dessas duas áreas. Aliás, certos projetos poderiam até ser feitos em conjunto com ambos os profissionais.

É importante que o profissional domine tanto conceitos de produção multimídia e cinema quanto de arte, desenho e design, já que precisará construir as animações que serão posteriormente animadas.

Apesar de não serem usados diretamente no trabalho, conhecimentos de programação, bem como um bom nível de inglês, ajudam no estudo de conteúdos mais completos e avançados sobre o tema.

Também colaboram para o profissional entender “na fonte” como toda a atividade funciona, de modo que ele tenha um maior controle dos seus projetos e uma liberdade criativa mais extensa.

O salário do motion designer pode variar bastante. De acordo com o site Trampos.co, um profissional dessa área pode ganhar de R$ 1 mil a R$ 6 mil, variando conforme a empresa e o cargo que ocupa.

Como freelancer no nicho, os ganhos também podem ser bastante animadores, já que o próprio profissional pode estipular a sua remuneração por trabalho e ter a oportunidade de participar de diferentes projetos para variadas empresas.

Um profissional dessa área precisa se atualizar constantemente. Afinal, ele precisará aprender novas técnicas e usar novos programas e ferramentas que ajudarão na obtenção de um resultado mais rápido e com maior qualidade.

Conhecimento geral

Além disso, também é preciso ter uma boa bagagem cultural e diversas referências, para que ele consiga entregar um trabalho original e que atenda às expectativas dos clientes. O motivo é que, por mais que seja uma técnica disruptiva, ela pode se tornar “mais do mesmo” caso o profissional não tenha criatividade.

Outra dica para se dar bem no campo de motion graphics é ser organizado, uma vez que é preciso planejar todo o processo de montagem da peça, até mesmo no caso de simples vídeos que serão veiculados em um story no Instagram.

Isso permitirá dar uma atenção a cada elemento da produção, além de pensar em cada emoção, objetivo e ação que serão incluídos naquele projeto e como ele impactará positivamente o público que o assistirá.

Saiba como está o mercado e para onde ele vai

O mercado de motion graphics tem altas expectativas de crescimento, já que cada vez mais as empresas querem investir em conteúdo audiovisual para movimentar as suas redes sociais ou até mesmo propagandas mais elaboradas para divulgar em outros veículos de mídia.

Algumas áreas em que o profissional de motion design poderá ter mais facilidade para conseguir jobs são as de televisão e publicidade, apps, web, games, realidade aumentada, realidade virtual, filmes e séries.

Até mesmo nas produções musicais o motion vem sendo bastante utilizado. Já podemos ver diversos clipes que usam elementos mais cartunescos em suas composições, como o clipe de Bang, da cantora Anitta.

Outro exemplo prático do uso do motion design é no extinto canal de televisão MTV Brasil, que usava em suas vinhetas diversos objetos, imagens e palavras coloridas, o que se tornou marca registrada do canal.

A tendência é que esse mercado cresça, principalmente no campo de produção de conteúdo para redes sociais, como Facebook e Instagram, cursos em plataformas próprias e YouTube.

É importante que o profissional aprenda a agradar diferentes públicos nesses tipos de mídia, além de escolher os melhores formatos para cada um dos sites e aplicativos que serão usados nas estratégias dos clientes.

Entenda se ainda vale a pena investir nas animações 2D

Com o surgimento do 3D, muitas instituições de animação acabaram migrando para esse formato mais realista em suas produções, deixando um pouco de lado as feitas em 2D. Por isso, muitos profissionais da área de edição se perguntam se ainda vale a pena investir nessa técnica mais antiga.

O apelo nostálgico das animações 2D se mostra bastante forte, pois consegue trazer um ar mais moderno e até mesmo caótico a algumas produções, quando bem usado.

Isso acaba chamando a atenção do público mais jovem, por conta da ousadia e da vivacidade, ao mesmo tempo que pode causar nostalgia em um público mais velho. Ou seja, a animação 2D ainda está muito viva, mas é preciso usá-la da maneira correta.

Assim, entendendo melhor a história da animação, a importância do motion design, como se tornar um bom profissional no campo e como está o mercado para essa profissão, você poderá se preparar para ser um freelancer de sucesso e com altas expectativas de ganho.

Para começar a sua jornada, a Rock Content poderá ajudar você a conseguir os primeiros jobs na área, como diagramador freelancer, ou até mesmo como um redator especializado em escrever conteúdos sobre esse campo.

Entre agora mesmo para o nosso banco de talentos e dê o primeiro passo para mudar completamente a sua vida profissional!

Powered by Rock Convert

Posts populares com esse assunto

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *