Por Redator Rock Content

um dos freelancers da Comunidade. Seja também um redator!

Publicado em 24/03/2017. | Atualizado em 09/01/2020


"Ah, você é freelancer? E quando pretende arrumar um emprego?"

A profissão de freelancer ainda é, para muitos, cercada de mitos, dúvidas e imprecisões.

Quem não conhece o dia a dia de um freelancer pode acreditar que se esse termo é um eufemismo para desempregado. Ou então, pode parecer que você é a quela pessoa que faz trabalhos ocasionais apenas para pagar as contas até conseguir um emprego fixo.

Absolutamente, isso não é verdade. Quer saber o porquê? Confira esses e outros mitos sobre freelance que circulam na web:

1. Freelancer é sinônimo de desempregado

O primeiro aspecto que precisa ser desmitificado sobre a vida de freelancer é estereótipo de que essa atividade é sinônimo de desemprego.

Boa parte dos freelancers não escolhem essa modalidade profissional por falta de opção. Na verdade, trabalhar como profissional autônomo tem sido uma tendência crescente no mercado atualmente (mais de 10% desde 2010, segundo pesquisa do IBGE).

O aumento da demanda por serviços, a possibilidade de trabalhar em remotamente, bem como o crescimento da demanda por atividades terceirizadas contribuiu para esse cenário.

Assim, depois de organizada a vida financeira, estabelecida uma cartela regular de clientes e mantida uma rotina regular de trabalho, o freelancer pode se considerar empregado por conta própria. Nunca um desempregado.

2. Produtores freelancers nunca vão ganhar muito dinheiro

Isso também não é verdade. O que vários produtores freelancers percebem é que, muitas vezes, grande parte dos rendimentos de seus trabalhos era revertida aos sócios das empresas para as quais eles trabalhavam.

Ser um profissional autônomo significa manter menos intermediários na relação de prestação de serviços. Ou seja, maiores rendimentos para o freelancer e menores custos para o contratante.

Assim, é possível verificar que muitos freelancers, na verdade, aumentam seus rendimentos quando deixam de trabalhar em um emprego fixo regular.

Claro que é preciso, primeiramente, se estabelecer na profissão. Desenvolver habilidades e criar um portfólio de clientes será o primeiro passo para que isso efetivamente aconteça.

3. É um trabalho fácil

Esse é outro mito que precisa ser desfeito sobre a vida do freelancer. Sua rotina é cheia de desafios. Duvida? Vamos listar alguns dos problemas diários enfrentados por eles:

  1. clientes difíceis;
  2. pautas complicadas;
  3. distrações no ambiente de trabalho (que costuma ser a própria casa);
  4. procrastinação;
  5. síndrome da folha em branco;
  6. síndrome do impostor.

Entre muitos outros. Por essa razão, um produtor de conteúdo freelancer precisa de disciplina, motivação e concentração.

4. Basta escrever bem: um dos maiores mitos sobre freelancers

Muitos freelancers trabalham com redação e produção de conteúdo, especialmente aqueles que leem este blog. Um dos mitos que corre na web é o de que basta escrever bem para ser um redator freelancer. Isso não é verdade.

Dominar as regras de ortografia e gramática é apenas parte do processo. E, se você pensa que técnicas de argumentação são suficientes, também está engando.

Um redator web, hoje, é um profissional de Marketing Digital. Ele precisa conhecer as diretrizes de SEO, ser criativo e inovador, fazer pesquisas de mercado, entre outras ações para produzir conteúdos efetivamente avançados.

5. Qualquer pessoa pode ser um freelancer

Definitivamente, não. Há pessoas que não lidam bem com esse estilo de vida autônomo.

Elas preferem ter um chefe, viver em uma estrutura corporativa mais hierárquica e segura, contar com a segurança de um contracheque fixo todos os meses e a certeza de férias ao final de um ano de trabalho.

E não há nada de errado com isso. Mas é preciso saber exatamente qual estilo de vida (e de trabalho) melhor condiz com sua personalidade.

6. Freelancers são preguiçosos (e por isso trabalham de casa)

A rotina de muitos freelancers costuma ser mais exigente do que a de um profissional com emprego fixo. Com cada vez mais empresas fazendo Marketing de Conteúdo, cada vez mais é preciso saber lidar com demandas e comportamentos muito diversos, tanto do cliente quanto do público.

Além disso, nem todo freelancer trabalha de casa. Há quem escolha coworkings, cafés, bibliotecas e até mesmo salas comerciais para exercer sua profissão e fugir do ambiente residencial na hora de trabalhar.

7. O freelancer só faz o trabalho que quer

Isso pode até ser verdade, se você já estabeleceu uma base regular e confiável de clientes, além de ter uma demanda alta por seus trabalhos. Para a maioria dos trabalhadores freelancers, nem sempre se faz somente o que quer.

É preciso construir uma grande base de clientes para garantir uma regularidade de rendimentos e não deixar que as oscilações do mercado prejudiquem suas finanças pessoais.

Por isso, ainda que não sejam seus freelas favoritos, muitos profissionais escrevem sobre os quais não são especialistas. Além disso, também é comum que realizem trabalhos especificamente demandados a eles para garantir um bom relacionamento com os clientes.

8. Como não há chefe, não há mais estresse

Isso depende muito da forma com que o freelancer lida com o próprio trabalho. Pode ser que trabalhar em uma empresa tradicional, com chefe, expediente e “carteira assinada” seja algo prazeroso para muitas pessoas.

Você precisa verificar aquilo que mais combina com sua personalidade. Se você tem disciplina e consegue lidar bem com essa rotina, é possível ter menos estresses.

Ainda assim, será preciso lidar com prazos, clientes mais exigentes, trabalhos desafiadores, entre outras complicações.

9. A agenda do freelancer é completamente flexível

Esse é um dos principais mitos da vida do freelancer que correm por aí. Existe, sim, certa flexibilidade na vida de um freelancer. Contudo, assim como qualquer outro profissional, ele precisa fazer uma boa gestão do tempo de trabalho.

Caso contrário, não será capaz de entregar todos os trabalhos nos prazos adequados, além de conciliar essas atividades com lazer e outros hobbies.

Também é bastante comum que freelancers tenham que trabalhar em feriados ou até mesmo durante viagens. Tudo isso para manter um fluxo constante de clientes, ser atencioso com eles e garantir seus rendimentos.

O que achou desses mitos sobre freelance? Você acreditava em algum deles? Consegue pensar em outras mentiras que circulam na web sobre essa profissão? Deixe sua participação aqui nos comentários!

Posts populares com esse assunto

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *