Por Carolina Simões

Analista de Planejamento na Rock Content.

Publicado em 24/03/2018. | Atualizado em 13/10/2020


Head tails podem ser definidas como os termos de buscas mais gerais. Elas são a palavra-chave mais sucinta possível que responda a uma pergunta. As long tails nada mais são do que variações de uma palavra-chave principal, garantindo maior eficiência de busca.

Você já ouviu falar no termo “long tail”? Se você trabalha com produção de conteúdo para web e a resposta foi não, é preciso ler este texto com bastante atenção.

O motivo é simples: produzir conteúdos com informações relevantes não é o suficiente para chamar a atenção do público online.

Já sabemos que, para ser encontrado em mecanismos de busca — como o Google —, uma estratégia de marketing de conteúdo vai ajudar bastante. Para que ela se torne realmente efetiva é preciso utilizar palavras-chave, um dos pontos mais importantes ao criar esse plano.

No momento da definição do melhor termo a ser utilizado para gerar ranqueamento, entram as palavras-chave de cauda longa ― as long tails ― e também as head tails.

Tratam-se de duas categorias de palavras-chave que atendem a objetivos diferentes e você precisa saber mais sobre eles. Se você está interessado pelo assunto, não deixe de ler este guia completo até o final!

As head tails e os termos de buscas mais gerais

As head tails podem ser definidas como os termos de buscas mais gerais. Elas são, portanto, a palavra-chave mais sucinta possível que responda a uma pergunta.

Por exemplo: para responder à pergunta “qual é o tema do meu blog?”, no caso do blog da Comunidade Rock Content, “produção de conteúdo” é uma das principais head tails usadas.

Obviamente, por serem tão amplas, as head tails têm um alto volume de busca, o que significa que há um número grande de pessoas pesquisando por conteúdos relacionados a esse tema. Por isso é tão importante utilizá-las de maneira estratégica, principalmente quando for falar de seu produto.

São exemplos de head tails, em diferentes mercados:

  • marketing digital;
  • gestão de negócios;
  • educação física;
  • roupas femininas;
  • carro usado.

Por terem um alto volume de buscas, muitos profissionais acreditam que o ideal é utilizar apenas esse tipo de palavra-chave em sua estratégia, com o intuito de alcançar um maior número de pessoas. Entretanto, essa quantidade de pesquisas gera uma concorrência muito acirrada.

Quando falamos em concorrência, além da briga pelo ranqueamento orgânico em si, existe também uma competição de lance entre as empresas que desejam ter seu anúncio em destaque nos resultados de busca daquela palavra-chave. Então, o ideal é complementar a sua estratégia com termos de alta e baixa disputa sempre que possível.

Além disso, se o objetivo é atrair personas que tenham mais compatibilidade com determinado produto ou serviço, as head tails não terão o esforço e investimento muito bem recompensados.

Ao utilizar a palavra-chave “roupas femininas” para a estratégia de ranqueamento de uma loja para gestantes, por exemplo, a head tail em questão não atrairá somente as personas ideais para aquele negócio.

A especificidade de uma pesquisa com long tail

Agora, pense da seguinte maneira: uma pessoa que faz uma pesquisa por “produção de conteúdo” pode estar em busca de uma série de coisas diferentes.

Esse usuário pode estar atrás de um trabalho nessa área, um curso para se aperfeiçoar, um freelancer para contratar ou até mesmo saber apenas o que esse termo significa. Por isso, ranquear para essa palavra-chave não representa, necessariamente, que você resolverá algum problema e se comunicará com as pessoas certas.

Por isso, ao criar conteúdos, será preciso sofisticar os termos de busca para atender às necessidades específicas dos usuários.

Ou seja, as long tails nada mais são que variações de uma palavra-chave principal, garantindo mais eficiência no momento de uma busca.

São exemplos de long tails criadas a partir da palavra-chave “produção de conteúdo”:

  • curso de produção de conteúdo;
  • trabalho de produção de conteúdo;
  • dicas de produção de conteúdo;
  • produção de conteúdo online;
  • produção de conteúdo acadêmico.

Boa parte delas não terão volumes de busca tão grandes quanto a head tail. Entretanto, as long tails garantem uma competição muito menor pelas primeiras páginas. Além disso, atendem a objetivos completamente diversos.

Para escolher quais long tails utilizar, o ideal é considerar a forma como um usuário faria sua pesquisa nos mecanismos de buscas.

Usar, então, ferramentas como o Google Adwords e SEMRush são fundamentais para fazer uma pesquisa e análise das performances de pesquisa — e não se preocupe: ao final deste post, temos dicas incríveis sobre como usar essas e outras ferramentas para gerenciamento de keyword.

Também é possível considerar sinônimos e o tamanho da long tail, começando com 3 ou 4 palavras sem se estender demais. A forma como a pesquisa é feita influencia bastante, assim como a forma que a palavra-chave será utilizada.

Se o objetivo é escrever um post, long tails truncadas tornarão a construção do texto e a leitura desagradáveis, o que será penalizado pelo algoritmo do Google.

Long tails como “jeans azul mulher grávida” são impraticáveis para um bom texto. Mesmo que suas variáveis sejam consideradas pelo Google, o resultado não será o mesmo e o ideal é optar por aquelas mais fluidas, como “jeans para grávidas”.

As long tails são simples de utilizar e, de forma resumida, trazem 3 grandes objetivos.

Custo-benefício atraente

Quando falamos de custo-benefício, a ideia principal é a de que o valor investido nas mídias pagas traz retornos imediatos. Sim, essa é uma das relações de ganho, pois se há menos buscas, os lances saem mais baratos.

Entretanto, pensando no crescimento orgânico: qual quantidade de conteúdo deve ser desenvolvido para aumentar a evidência de uma marca a partir de uma palavra-chave long tail ou head tail? Quais conhecimentos e quantos profissionais devem ser envolvidos para vencer uma concorrência maior ou menor?

Isso também deve ser colocado na conta e, nesse caso, o esforço para ranquear uma long tail organicamente é muito menor.

Atingir o objetivo da estratégia mais rapidamente

Qual o objetivo da estratégia? Aumentar o volume de acessos relevantes, gerar leads ou converter? Com a head tail você tem um esforço grande e um volume de dados significativo, mas, muitas vezes, poucos são passíveis de serem trabalhados.

As long tails podem trazer um volume de dados menor, mas já contribuíram para um processo de qualificação do lead — ou seja, ele tem mais compatibilidade com o produto ou serviço oferecido e, portanto, mais chances de ser convertido.

Redução do churn nas vendas

Se você já viu a série Dirk Gently, sabe que o detetive holístico sempre diz que “tudo está conectado”. No caso do funil de marketing digital e das vendas de um negócio, isso também se aplica.

Acontece que blogs e redes sociais podem ser considerados um canal de aquisição de clientes. Sendo assim, são geradores de oportunidades de vendas e, em seu processo de nutrição, identificam indivíduos com o perfil do produto ou serviço oferecido.

Se ele é bem-feito e com long tails bem-trabalhadas, os leads gerados serão qualificados como ótimos, ou seja, prontos para adquirirem e serem felizes para sempre com suas compras.

O churn — ou cancelamento — acontece quando o cliente não fica feliz por muito tempo com sua aquisição e opta por cancelar, desistir ou devolver a compra. Com isso, ele pode fazer comentários ruins nas redes sociais sobre a empresa, sem contar que todo o investimento feito para captá-lo terá sido em vão.

Dito isso, é fácil notar que está tudo conectado e que uma long tail pode salvar o sucesso do cliente com os produtos ou serviços adquiridos.

A necessidade de ranquear para termos gerais

Você deve estar se perguntando: se as long tails são mais específicas e fáceis de ranquear, por que eu devo utilizar termos gerais? Pois, saiba que essa é uma dúvida muito frequente e que tem uma resposta supersimples.

Por mais que você precise de uma boa quantidade de palavras-chave aparecendo nos mecanismos de busca, nem sempre o tema principal de seu artigo será muito pesquisado. Isso acontece principalmente para mercados muito específicos, como tecnologia, medicina ou agronegócio.

Uma estratégia de marketing de conteúdo não se baseia somente em pautas de atração. Para que a persona siga o fluxo do funil de vendas, é preciso que sejam produzidos conteúdos de consideração e decisão — vamos conversar melhor sobre esse conceito mais à frente.

Nesses casos, é muito comum que o tema central não seja algo muito procurado na internet. Afinal, é normal que o consumidor tenha consciência de que tem um problema a ser resolvido e não faça ideia de qual seja a solução. É nesse momento que as head tails se tornam essenciais.

Voltando à loja de gestantes, é natural que mamães de primeira viagem, quando descobrem estarem grávidas, saiam procurando todo tipo de informação na internet.

Se a estratégia for montada apenas com a long tail “calça jeans com elástico na cintura”, provavelmente essa orgulhosa mamãe não será fisgada para o funil de marketing. Afinal de contas, ela é todo amores e mal sabe que sentirá falta de usar um jeans confortável quando a barriga estiver maior.

Por outro lado, se a head tail “roupas femininas” ou até “roupa de gestante” for utilizada, as chances de alcançá-la em suas primeiras pesquisas de descoberta são bem maiores.

Outro exemplo: “produção de conteúdo avançado” é um termo com zero buscas mensais, de acordo com o KeyWord Planner do Google. Entretanto, se o blog da Comunidade Rock Content lançar esse item como seu principal produto daqui em diante, por que não investir nele?

O momento ideal para usar long tails

As palavras-chave de cauda longa devem ser utilizadas com alta frequência. Quanto mais específico você for na sua produção, maior será a possibilidade de aparecer entre os primeiros resultados de um buscador.

Portanto, seja bastante específico sempre que possível. Tente definir o melhor assunto a ser abordado. Separe os diversos temas que podem ser tirados dessa head tail e produza uma quantidade maior de conteúdos, mas bem-direcionados.

Quer entender por meio de um exemplo? Suponha que estamos utilizando a head tail “marketing digital“. Essa palavra-chave tem uma infinidade de variações: ferramentas de marketing digital, automação de marketing digital, curso de marketing digital, marketing digital para iniciantes, livros de marketing digital etc.

As caudas longas podem ser usadas em qualquer etapa do funil e, quase sempre, terão menos competitividade, mas um volume reduzido de buscas. São palavras para utilizar com agilidade e precisam estar em seu planejamento de conteúdo!

Outra vantagem de estudar as variações para a palavra-chave de cauda longa é que o brainstorming pode ajudar na construção de um conteúdo rico, que contemple todo o funil.

A melhor palavra-chave para cada etapa do funil de vendas

O funil de vendas é um modelo estratégico visual criado para ilustrar a jornada que cada pessoa percorre até chegar no momento da compra. Cada negócio tem o seu próprio funil, de acordo com as características do seu público, no entanto, ele tem uma estrutura básica, dividida em três etapas: topo, meio e fundo.

O objetivo desse modelo estratégico é atingir uma persona em todas as fases de sua jornada, oferecendo a informação certa, na hora certa e aumentando as chances de fechar a venda. Para ter sucesso, é preciso entender que cada etapa do funil exige uma comunicação diferente — e também um tipo de palavra-chave específico.

Topo de funil: aprendizagem e reconhecimento do problema

O topo do funil de vendas é também conhecido como fase da atração. Nessa etapa, sua persona geralmente não sabe que tem um problema a ser resolvido ou apenas sente os sintomas que ele causa, mas não está em busca de uma solução. Portanto, o objetivo aqui é conscientizar sobre a situação a ser lidada.

No entanto, qual o melhor tipo de palavra-chave para o topo de funil? É comum adotar a estratégia de usar as head tails em maior volume e as long tails em menor volume.

Pela lógica, muitas pessoas passam pelo topo do seu funil, mas poucas delas vão percorrer toda a jornada e chegar ao momento da compra. Portanto, quanto mais você atrair nessa fase, mais chances de aumentar o número de vendas.

Como você já viu neste post, palavras-chave mais genéricas tendem a ter um número de buscas muito maior. Portanto, a matemática é a seguinte: as head tails atraem um fluxo de visitas muito maior para o seu blog ou site e você tem a chance de converter mais pessoas em leads.

Supondo que você use apenas long tails em sua estratégia de atração. O número de buscas tende a ser muito menor e o fluxo de visitas no site também. Consequentemente, suas chances de fechar mais negócios caem drasticamente.

Meio de funil: consideração e intenção de compra

Chegando nessa etapa, sua persona já sabe que tem um problema e começa a considerar uma solução. Para isso, é natural que ela passe a buscar informações mais específicas sobre o assunto e é aí que você precisa oferecer materiais mais aprofundados e precisos.

Os e-books são muito usados na fase de consideração e intenção de compra por oferecerem informações mais densas sobre um determinado assunto. Aliás, é por meio do oferecimento de e-books que você pode convencer sua audiência a deixar dados de contato e convertê-las em leads.

Nesse caso, é essencial usar palavras-chave mais específicas, como explicamos no exemplo da grávida que busca por “calça jeans com elástico na cintura”. Imagine que essa persona já está em fase de consideração, sabe que essa peça pode ser muito útil a partir dos 3 meses de gravidez e agora deseja mais informações sobre o produto.

Para um post de consideração é mais interessante usar a long tail “como escolher uma calça jeans com elástico” em vez de apenas “roupas para grávidas”. Palavras-chave generalistas não vão funcionar bem nessa etapa.

Fundo de funil: avaliação e compra

Com a persona sabendo tudo o que precisa para fechar a compra, é hora de oferecer mais informações sobre a empresa e o produto. Mais uma vez, o ideal é apostar em palavras-chave mais longas e específicas, usando termos que explicam o que diferencia sua marca da concorrência e também o nome dos produtos.

O melhor conteúdo para a etapa de fundo são cases de sucesso da empresa, depoimentos de clientes, reviews de produtos e até mesmo versões de teste de programas, softwares ou sistemas.

O diferencial desta etapa é que, na maioria dos casos, os conteúdos de avaliação e compra são enviados diretamente para o lead qualificado. Nesse caso, a escolha da palavra-chave não é um critério relevante se o conteúdo não será publicado em um site ou blog.

Como equilibrar o volume de busca e especificidade para escolher a keyword ideal

Então, já estamos de acordo em relação à funcionalidade e importância estratégica das head tails e palavras-chave long tail. Também já ficou claro que a segunda, mesmo sendo específica, pode dar o ar da graça em todas as etapas do funil.

Dito isso, como equilibrar volume de busca e especificidade na hora de escolher quando e qual palavra-chave utilizar? Ficando de olho no tipo de conteúdo do texto e seus objetivos.

Termos novos e conteúdos virais, por exemplo, caem bem com as head tails. Elas têm um alto volume de busca por natureza, mas ainda assim, são específicas para aquela procura.

Produtos licenciados do Big Brother Brasil (jura que você está fazendo um exemplo do BBB? Sim, estou!), por exemplo, podem usar head tails como “BBB20” e “Roupão do Líder” durante os meses do programa porque elas serão relevantes nesse período.

Lançamentos de filmes e séries também terão um bom retorno em volume de busca se utilizarem head tails nesses períodos.

O diferencial, que terá que ser muito bem-executado, estará no conteúdo e relevância das informações oferecidas. As palavras-chave fazem parte da estratégia de SEO e não são o único elemento do algoritmo do Google para determinar a ordem das buscas. Então, também não são as únicas a turbinarem um post ou blog.

Produzindo um conteúdo de qualidade, com escaneabilidade bem-desenhada, além de uma estratégia eficiente de distribuição da keyword pelo texto e de hiperlinks, ele se destacará também por outros motivos.

A intenção de busca no processo de definição das palavras-chave

Ao selecionar as melhores palavras-chave para sua estratégia é preciso pensar também na intenção de busca. Ela nada mais é que o tipo de conteúdo que o usuário pretende encontrar ao longo de sua pesquisa. Parece simples, mas nem sempre um termo está alinhado à intenção de busca da sua persona.

Imagine que uma empresa desenvolveu um app de controle financeiro. Para ter todas as informações sobre seus ganhos e gastos, basta acessar o aplicativo. Essa organização deseja criar um blog post, explicando os motivos pelos quais sua persona deveria trocar as planilhas de Excel pelo app.

Para isso, eles escolheram a palavra-chave “planilha para controle de gastos”. Agora, se você for ao Google e digitar essa mesma frase, o mais provável é que apareça uma série de páginas oferecendo modelos de planilhas de controle de gastos prontas e gratuitas.

Isso quer dizer que a maioria das pessoas que digitou essa palavra-chave no Google estava em busca de um modelo de planilha pronto para baixar. Se o seu conteúdo não oferece esse mesmo resultado, é muito provável que ele não será visto com relevância e não vai ranquear.

O melhor a se fazer, nesse caso, é procurar uma palavra-chave mais alinhada com a intenção de busca ou usar palavras secundárias, como “app de gastos” ou “controle por planilha vale a pena”.

Ao fazer o seu planejamento de palavras-chave, procure entender a intenção de busca para cada termo. Uma dica é abrir uma guia anônima no seu navegador — para que seu histórico não interfira nos retornos — e buscar cada palavra-chave, consultando o tipo de conteúdo que aparece nos primeiros resultados.

Lembre-se também de que nem sempre o conteúdo das primeiras páginas vai abordar um assunto exatamente igual ao seu e isso pode funcionar como uma grande vantagem. Sempre que encontrar um conteúdo pouco rico ranqueando no Google, é possível abordá-lo de forma mais aprofundada e ganhar mais credibilidade do algoritmo.

3 ferramentas para fazer pesquisa de palavra-chave

É importante lembrar que, independentemente do tipo de palavra-chave escolhido, é preciso que a escolha seja feita de forma estratégica, usando ferramentas de qualidade que apresentem dados concretos.

Por isso, separamos três opções que ajudam em momentos diferentes e atendem a necessidades de análise distintas.

1. KeyWord Planner do Google AdWords

Apesar de ser uma ferramenta para a criação de mídia paga no Google, o KeyWord Planner também pode ser usado no desenvolvimento de conteúdo para geração de tráfego orgânico, de forma totalmente gratuita.

Após se cadastrar no Google AdWords, você será levado a criar o seu primeiro anúncio pago. Entretanto, é possível pular essa etapa e ir diretamente para o planejador de palavras-chave.

Basta jogar um termo na pesquisa para que o usuário tenha acesso a informações como quantidade de buscas mensais e nível da concorrência. Assim, você poderá verificar se aquele é o melhor termo ou não, de acordo com o objetivo de sua produção.

2. KeyWord Tool

Se você já sabe qual é a palavra-chave foco de seu projeto e não quer trabalhar apenas a head tail, mas ainda não sabe quais podem ser as possíveis variações a serem usadas em diferentes conteúdos, essa ferramenta certamente ajudará.

Ao digitar qualquer termo na pesquisa, será listada uma série de opções que surgem sem alterar a palavra-chave inicial. Ao escrever “gestão de negócios”, por exemplo, você receberá uma série de novas ideias, como: ferramentas para gestão de negócios, curso de gestão de negócios, dicas de gestão de negócio, erros na gestão de negócios etc.

Essa é uma ótima dica para aqueles que ainda não têm conhecimento suficiente sobre o seu mercado e as demandas do público a ser atingido. É importante lembrar que o uso dessa ferramenta também é grátis.

3. SEMRush

Essa é uma opção para quem deseja levar a pesquisa de palavras-chave um pouco mais a sério e quer pagar por uma ferramenta de qualidade. Caso queira fazer o teste, a versão gratuita do SEMRush fica disponível apenas para as suas primeiras buscas.

Além de verificar o volume de buscas mensal, você também terá acesso a diversas sugestões de variação e local em que aquela pesquisa é mais popular.

Não somente isso, é possível visualizar estatísticas de desempenho dos seus concorrentes. Assim, você pode gerar relatórios detalhados sobre seus resultados em mecanismos de busca.

Mostrando a diferença entre head tail e long tail no Google Trends

O Google Trends é uma ferramenta de SEO que mostra o volume de termos de busca que são tendência na sua área e também revela a taxa de crescimento de uma expressão usada em pesquisas antes mesmo que isso apareça no Keyword Planner (ou em qualquer outra plataforma do tipo). Por isso, se você aprender como usar o Google Trends, poderá planejar suas palavras-chave com muito mais precisão.

Em vez de assumir que uma long ou head tail continua a ser bem classificada e investir nela, você descobrirá a tendência dos últimos seis meses. Isso vale a pena porque o investimento em SEO é muito mais caro do que o PPC, portanto é sempre melhor saber com antecedência se as suas palavras-chave estão em ascensão ou não em termos de popularidade.

Usar o Google Trends também é bastante simples depois que você pega o jeito. Siga as instruções a seguir para obter os melhores resultados.

Acesse o Google Trends

Entre no Google Trends e, na primeira página, insira a palavra-chave desejada. Aperte o enter.

Analise a tendência

É aqui que você determina a tendência da sua palavra-chave e se ela está ganhando ou perdendo popularidade. O Google apresentará um gráfico bastante intuitivo e se você clicar na tecla “forecast/previsão”, conseguirá ver o que o buscador antecipa para o próximo período.

A diferença entre head tail e long tail fica evidente na ferramenta, pois você insere palavras-chave head tails para obter long tails por meio das recomendações e com o auxílio do KeyWordTool.

Para gerar palavras-chave long tail cada vez melhores com ajuda do Google Trends, analise as expressões relacionadas que aparecerão no quadro logo abaixo da tendência e utilize o KeyWordTool.io para encontrar novos termos.

Como usar o KeyWord Explorer da Moz

Agora que já sabe a diferença entre long tail e head tail, você está à procura de uma maneira de economizar tempo para encontrar as palavras-chave que seus clientes estão procurando, não é? O Keyword Explorer vai ajudar.

Seu banco de dados de palavras-chave é o maior da web e fornece todas as métricas que importam em uma só ferramenta. Quer saber como usá-lo? Vamos ajudar.

Execute um relatório de palavras-chave

Comece pesquisando sua palavra-chave principal e dê preferência a um termo amplo. Se você vende chocolates para festas infantis sob encomenda, digite “chocolates sob encomenda” e escolha um local no menu suspenso.

Sugestões de palavras-chave

Abaixo de todas as métricas resultantes da sua pesquisa (volume mensal, dificuldade, oportunidade e prioridade) você verá um painel de sugestões com uma prévia de algumas palavras-chave em que, talvez, você não tenha pensado, juntamente de seus volumes de pesquisa. Clique para ver a lista completa e as métricas para cada uma delas.

Análise SERP

Ao lado das sugestões está a análise SERP, que responde a perguntas como “quem está nesse espaço e por quê?”. Você poderá ver os 3 principais resultados obtidos em live do SERPs diretamente do seu relatório de palavras-chave, e também obterá uma pré-visualização do título, URL, autoridade da página e autoridade do domínio de cada resultado.

Menções

O último painel em um relatório de palavras-chave Moz é o de menções, que mostra as páginas que contêm sua palavra-chave. Ao clicar ali, você verá mais menções e poderá aprimorar seus parâmetros de pesquisa, além de configurar alertas para obter esses dados diretamente em sua caixa de e-mail.

Como usar o AnswerThePublic

Outra ferramenta excelente para descobrir o que as pessoas estão pesquisando é o recurso autocompletar do Google. Depois de compilar um banco de dados com milhões de pesquisas, ele pode prever o que você vai perguntar com base nas informações que já foram inseridas.

O AnswerThePublic é, essencialmente, uma ferramenta automatizada de autocompletar que segue o processo reverso para identificar possíveis tópicos de conteúdo, experimentando diferentes variações das suas palavras-chave.

Os resultados são, então, exibidos e separados de acordo com as variações usadas para criá-los, divididos em como e por quê. Usar o AnswerThePublic é simples e, agora, você vai entender como fazer isso.

Selecione um tópico relevante

Escolha um assunto que deseja abordar. Por exemplo, imagine que você gostaria de fazer uma postagem sobre “marketing de conteúdo b2c”. Pense nas perguntas que as pessoas devem estar se fazendo a respeito do assunto e deixe que a ferramenta complete seu pensamento.

Avalie se você consegue competir

O próximo passo é verificar se já existem postagens relevantes sobre o mesmo tópico, ou seja, respondendo a mesma pergunta. Caso elas venham de fontes com muita autoridade, talvez o seu conteúdo não possa competir. É preciso, portanto, pensar em algo mais específico.

Encontre um nicho

A mera busca por outras postagens semelhantes às que você planejava fazer é o bastante para trazer um monte de ideias de nicho, com um bom volume de buscas. Anote-as e verifique novamente se é possível competir por elas entre os resultados dos buscadores. Se sim, parabéns. Você aprendeu como usar o AnswerThePublic

Como ganhar featured snippets na SERP respondendo a palavras-chave long tail

Featured snippets aparecem em parte dos resultados Google no topo da página das pesquisas,  acima das exibições normais. Os snippets contêm a URL e o título da página juntamente de um fragmento do conteúdo, na tentativa de responder à consulta de quem fez uma pesquisa.

Todo mundo quer estar nessa posição e, para conquistá-la, você só precisa seguir estas dicas.

Compreendendo a oportunidade para o seu site

Quando se trata de featured snippets, nem todos os mercados são iguais. Se você é um negócio local, o melhor uso do seu tempo é se concentrar no posicionamento do seu negócio para os resultados no mapa do Google, pois os fragmentos apresentados não são vistos em SERPs que exibem o pacote local.

Por outro lado, se estiver em um mercado em que existe uma necessidade de respostas claras a perguntas frequentes, sua indústria usa termos que precisam de explicação ou você tem dados que podem ser apresentados dessa forma, provavelmente eles são uma ótima oportunidade para você.

Encontrando as perguntas certas

Agora que temos uma base para compreensão das oportunidades de aparecer como featured snippet, encontrar excelentes candidatos para se tornar um se resume a uma boa pesquisa de palavras-chave.

Lembre-se de que os termos de maior volume obtêm snippets com mais frequência. As consultas mais longas tendem a mostrar featured snippets e perguntas que incluem as palavras quem, o quê, como, onde e por que, muitas vezes, resultam em snippets.

Aumentando o potencial do seu conteúdo de virar um snippet

Se estamos criando uma página a partir do zero ou melhorando um site que já existe para aumentar nossas chances de sermos selecionados para um featured snippet, queremos assumir uma abordagem que inclua um conteúdo que responde claramente à pergunta, código que pode ser facilmente entendido pelo Google e sinais positivos para engajamento dos usuários.

Primeiro, repita a pergunta que é a consulta (ou que está implícita nela) de forma clara em sua página da web. Segundo, forneça uma resposta curta, direta e objetiva sobre a questão. Em seguida, forneça mais informações, dados e imagens que complementem o conteúdo.

Se você quer ser mais bem classificado no Google para garantir mais leads e vendas, featured snippets são uma excelente alternativa. É por isso que eles são considerados a “posição zero” do Google.

Agora, você já conhece as ferramentas necessárias para fazer sua pesquisa de palavra-chave. Chegou o momento de colocar a mão na massa com as suas long tails e head tails.

Que tal começar a sua estratégia e selecionar os termos mais adequados para cada situação? Lembre-se de que as duas opções são extremamente importantes, mas devem ser usadas para finalidades distintas.

Se você quer colocar todo esse conhecimento em prática e ainda ganhar um dinheiro extra com um trabalho interessante e dinâmico, seja um freelancer de Planejamento de Conteúdo produzindo pautas ou mapeamentos.

Você poderá aprender e trabalhar com palavras-chave, selecionar referências e direcionar a construção dos posts para assegurar que eles cumpram seus papéis na estratégia de Inbound marketing! Candidate-se para a categoria “Planejamento de Pauta” e seja responsável pelo sucesso de vários clientes.

Posts populares com esse assunto