Por Fabiano Cancela

Redator na Rock Content.

Publicado em 24/02/2014. | Atualizado em 12/09/2018


Powered by Rock ConvertEntão você já leu e aprendeu meu método campeão para escrever. Ótimo! Mas seu trabalho não terminou ainda. Um texto de altíssima qualidade não vale um centavo se a sua percepção de valor for baixa. Uma apresentação porca vai garantir que o leitor feche a página antes mesmo de ler a primeira palavra. Hoje, […]

Torne-se um especialista em produção de conteúdo!Powered by Rock Convert

Então você já leu e aprendeu meu método campeão para escrever. Ótimo!

Mas seu trabalho não terminou ainda. Um texto de altíssima qualidade não vale um centavo se a sua percepção de valor for baixa. Uma apresentação porca vai garantir que o leitor feche a página antes mesmo de ler a primeira palavra. Hoje, te ensino a evitar isto. Acompanhe!

Além do visual

Um bloco de texto uniforme é visualmente cansativo e desinteressante. O tédio, sozinho, já tem boas chances de fazer com que você perca o leitor. Os problemas, entretanto, vão além da simples monotonia da página.

Sem pontos de contraste, o olho fica perdido. Na falta de marcações de referência fica fácil se confundir. Mesmo o leitor que se dispor a desbravar sua — terrivelmente chata — parede de letras vai encontrar dificuldades para chegar até o final. Recebeu uma notificação? Tocou o telefone? Boa sorte encontrando o ponto onde parou.

Começamos a apreender a importância da formatação de texto adequada ao compreendermos que o texto media a interpretação do conteúdo. Entre a mensagem que você quer comunicar e o cérebro do seu leitor está a tela, ou o papel. Ele tem uma função, e deve ser pensado para cumpri-la com excelência.

Melhores materiais para produção de conteúdo!
Guia de Produção de Conteúdo para Web 2.0
Avaliador de Títulos para SEO
Escaneabilidade: como conseguir os melhores resultados com seus textos!
Checklist de Planejamento de Pauta
Curso Gratuito de Produção de Conteúdo para Web Rock Content
Como escrever o melhor conteúdo para blog

Hipertexto, CSS, tags e outros bichos

Ao trabalhar com redação web, você estará certamente lidando com texto formatado em HTML. A sigla é acrônimo de hyper-text mark-up language, linguagem de marcação de hipertexto, em bom português. É o conjunto de regras que o seu navegador lê para mostrar as páginas no formato adequado.

As marcações que definem cada elemento são chamadas tags. No seu dia a dia, não é necessário lidar com o código diretamente, já que qualquer editor de texto ou ferramenta de blog faz a atribuição automaticamente. Mas é importante saber que elas existem e como reconhecê-las.

O mais importante, entretanto, é entender que as tags definem qual é a característica de um segmento de texto, e não o seu visual. Exemplificando: ao marcar uma linha como <h1>, a tag para Header1, ou Título1, o computador sabe que aquele pedaço de texto é um título, mas não sabe que fonte usar, qual o tamanho ou cor. Esta parte da informação está contida no CSS, a folha de estilos da página.

No WordPress, a marcação HTML é definida dentro do seu editor de texto e a folha de estilos é determinada pelo tema do blog. Ou seja, conteúdo e forma são armazenados separadamente. Você está a um passo de compreender a importância de entregar um texto bem formatado.

A formatação de texto correta garante que o texto seja mostrado sem erros ou incongruências em qualquer página. Parágrafos, destaques, ênfases, cores e espaçamentos vão seguir os padrões corretos do site em que estão sendo publicados.

Colocando em prática

Agora que você já entende a importância de formatar seu texto corretamente, vou te ensinar como fazer isto e ainda alguns truques para tirar proveito das ferramentas que vai aprender.

Títulos, intertítulos e afins

Se você seguiu meu método campeão para escrever, já está com seu texto divido em blocos, com o uso de intertítulos. É hora de criar uma hierarquia para elas! Isto é feito com as tags <h1>, <h2> e assim por diante. No seu editor de texto o equivalente são as marcações heading 1, título 1 ou cabeçalho 1. O <h1> — ou equivalente — deve ser usado no começo do texto, no seu título. É uma boa prática utilizá-lo apenas uma vez por página.

Em seguida, marque os seus intertítulos com <h2>, ou título 2. Se houverem subdivisões em cada um deles, prossiga com marcações <h3> e <h4>.

Arrume as suas listas!

Se você escreve listas com sinais de subtração ou asteriscos no começo, vai cortar este hábito abominável imediatamente! De hoje em diante, suas listas ordenadas (onde a sequência é importante, como em um passo a passo), serão marcadas <ol>, ou na função “numbered list” do seu editor de texto. Listas não ordenadas serão feitas com a tag <li>, ou com bullet points, no seu editor. Use as setas para ajustar a indentação (também conhecido como recuo) criando sub-itens, quando necessário.

Ferramentas de listas do Word, OpenOffice e BrOffice

Ferramentas de listas do Word, OpenOffice e BrOffice

Citações e ênfase

Ao fazer uma citação, marque-a corretamente com a função “quote”, ou a tag <blockquote>. Texto referenciado de outras fontes precisa ser corretamente identificado como tal, para que não seja confundido com plágio.

As tags <b> e <i> servem, respectivamente, com equivalentes dos botões de negrito e itálico. O negrito pode ser usado para marcar palavras ou expressões que mereçam destaque. O uso inteligente deste destaque torna o texto escaneável.

Se quiser aprender tudo sobre escaneabilidade, confira o nosso guia completo sobre o assunto! É só preencher o form antes de prosseguir com a leitura 🙂


O leitor web sempre corre o olho pelo texto que vai ler, antes de começar a leitura em si. Destacar expressões ou frases com negrito fará que elas sejam percebidas nesta etapa. Combinando os intertítulos com estes destaques é possível montar uma espécie de retrato do artigo, que mostra que seu texto cumpre com a promessa, que ele vale o tempo e a atenção do seu leitor.

Hora da entrega

Texto pronto? Revisado? Formatado? Excelente. Não vá pisar na bola então no último passo: enviar para o cliente.

Se na contratação do seu serviço foi determinado um padrão para a entrega, siga-o rigorosamente. Simples! Caso não tenha, faça isto para o seu próximo trabalho. A melhor prática é combinar de antemão, para evitar problemas.

Na dúvida, vá pelo caminho mais seguro. Envie o texto em um .doc, que é fácil de abrir em qualquer plataforma. Envie um PDF, por via das dúvidas. Faça uma cópia no Google Drive e compartilhe o artigo com o cliente. Todas estas são boas alternativas.

Formatos proprietários, como .docx e arquivos de texto puro, como .txt estão rigorosamente proibidos, combinado? Por último, nem considerae a possibilidade de copiar e colar seu texto no corpo de email. É uma péssima ideia.

Ao enviar seu trabalho pronto, escreva o email com cuidado. Verifique-o com a mesma atenção que você deu ao texto. Crie um template, para facilitar a sua vida nas próximas. Certifique-se que o arquivo correto foi anexado, que o endereço do cliente está certo e só depois clique em enviar.

Agora se dê um tapinha nas costas, e curta a sensação de entregar mais um trabalho bem feito. Você merece.

Que tal colocar este guia em prática e depois me contar, nos comentários, quais elogios você recebeu após a entrega? Não se esqueça de baixar nosso ebook abaixo para aprender mais sobre o assunto!

Posts populares com esse assunto