gig economy

Gig Economy: o que é e tudo o você precisa saber para fazer parte dessa tendência

A gig economy, também chamada de economia freelancer, sob demanda ou de “bicos”, é o resultado da flexibilização do mercado de trabalho diante da era digital, que favorece a prestação de trabalhos temporários, além de freelancers e serviços como uber e airbnb.

Você já ouviu falar no termo “gig economy”?

Há um novo segmento na força de trabalho referido pelos americanos dessa forma. Dentre as várias coisas que os millennials fazem diferentemente das gerações anteriores está a forma como eles encaram as relações de trabalho.

E entender esse conceito é basicamente voltar nosso olhar para essa esfera da vida:

O que é gig economy?

A gig economy — também chamada de economia freelancer, sob demanda ou de “bicos” — é o resultado da flexibilização do mercado de trabalho diante da era digital, que favorece prestação de trabalhos temporários ou de curto prazo, além de profissionais autônomos, freelancers e serviços como uber e airbnb.

Ela é composta daqueles milhões de trabalhadores que deixaram o ambiente estável dos escritórios para conduzir suas próprias vidas profissionais da maneira que bem entenderem.

Antes de ser algo incerto e impreciso como a vida de freelancer, geralmente, nos parece, a gig economy é sobre a liberdade de não restringir nossa atuação profissional a apenas uma área e de escolher exatamente o que queremos fazer de nossas carreiras.

Nem sempre entrar para a gig economy é uma escolha. Muitas pessoas se viram nessa porque tinham sonhos diferentes, como o de conhecer o mundo enquanto constroem um nome para si no mercado.

O termo também reflete o surgimento de plataformas como o Uber, que contratam profissionais sob demanda para atividades específicas e de curta duração.

Para ser bem-sucedido na gig economy, todavia, é preciso disciplina, determinação e um bocado de preparo. Quer entender o que pode ajudá-lo a se destacar nesse novo ambiente de mercado em que estamos inseridos? Vou te contar algumas dicas abaixo!

Encontre atuação como freelancer

Um traço característico da gig economy é que ela é composta por uma série de trabalhos independentes, sob o modelo freelancer. Não é à toa que a tendência também é conhecida como “freelance economy“ e “economia sob demanda”.

Você já deve ter ouvido falar nos freelas e quem sabe chegou até aqui porque está atraído pela possibilidade de atuar assim na sua vida profissional. Entretanto, pode ser que ainda não tenha uma exata ideia de por onde começar.

Há muitos guias aqui no blog sobre como conduzir de maneira bem-sucedida uma vida como profissional autônomo.

Mas o primeiro passo deve ser dado por você.

Escolher que tipo de carreira freelancer pretende seguir, por exemplo, vai depender de suas afinidades profissionais e das habilidades que desenvolveu ao longo dos anos.

Pode ser que você acabe trabalhando com algo que jamais imaginou fazer. Pense na situação que citamos na introdução deste texto. Muitos motoristas de Uber jamais se viram pegando estrada todos os dias para levar e trazer pessoas de seus destinos, todavia, viram na plataforma de transporte alternativo uma opção para trabalhar por conta própria, fazer os próprios horários e tirar um bom dinheiro todos os meses.

O que você vai fazer como freelancer depende exclusivamente de como as suas características e especialidades foram moldadas ao longo dos anos. Cursos e workshops podem lhe orientar em direção a carreiras específicas, como as que oferecemos na Rock, todas voltadas para o Marketing Digital.

Talvez a sua formação já seja um indicativo do que fazer e lhe dê uma porção de oportunidades para trabalhar fora de um escritório.

Decida que tipo de talento tem a oferecer ao mundo e comece a pensar em como comercializá-lo. Essa é a forma mais direta e simples de se ingressar na gig economy!

Busque empresas que compartilhem dessa filosofia

Sabia que muita gente que integra essa tal de gig economy trabalha para uma só empresa, mas tem toda a liberdade de um freelancer? É que o home office e o nomadismo digital são características cada vez mais comuns do regime de trabalho flexibilizado que a gig economy oferece. Então, se você tem receio de se lançar no mundo à própria sorte procurar trabalhos remotos pode ser um bom lugar para começar.

Milhares de empresas oferecem posições que não dependem da sua localização no globo. Isso significa que você pode trabalhar de casa, viajar para os lugares que sempre sonhou em conhecer ou assumir espaço em um coworking para realizar seus trampos.

Encontrar uma empresa que compartilha a sua filosofia de vida é a melhor maneira de caminhar rumo a uma carreira plena na gig economy.

Regularize a sua atuação profissional

Há alguns pontos específicos em que você terá de se atentar para ter sucesso como profissional da gig economy. Um deles é a regularização da sua atuação profissional.

No Brasil, a maneira mais comum de tornar-se um freelancer regularizado, ou seja, que pode emitir notas fiscais e possui um CNPJ para centralizar suas atividades, pagar impostos e aproveitar linhas de crédito específicas é por meio do registro como MEI.

O Microempreendedor Individual tem uma série de vantagens com relação ao freelancer que não possui uma pessoa jurídica. Entenda melhor como se registrar, quais os principais benefícios e descubra o básico sobre a formalização lendo nosso post sobre o assunto.

Um profissional formalizado tem mais direitos, pode atender empresas maiores e consegue passar o tipo de credibilidade que o profissional sem registro não possui. Se você quer mesmo ingressar na gig economy é hora de começar a pensar nisso.

Invista no aperfeiçoamento das suas especialidades

Para ter uma carreira brilhante como profissional autônomo se aperfeiçoar constantemente é uma necessidade. Você já deve ter notado como as relações de trabalho mudaram com o passar dos anos e que as pessoas não necessariamente atuam exclusivamente nas áreas em que se formaram. O que possibilita que elas façam isso é o contato com outras carreiras, obtido na maioria das vezes por meio de especializações.

Não é preciso gastar muito para se tornar um trabalhador mais qualificado. Cursos, como os disponíveis gratuitamente na Universidade Rock Content, podem ajudá-lo a comprovar proficiência em novas áreas e expandir seu repertório profissional.

Sugestões dos editores:
Precisamos aceitar que já é possível ser freelancer por opção
Nômade digital: o que é, como se tornar um e as principais vantagens
Coluna Freela: Como a vida de freelancer me tornou uma profissional melhor
10 documentos para freelancers que farão toda diferença no seu trabalho
Como cobrar mais caro pelo serviço de freela e autônomo (e receber em dia)!
Novas regras para MEIs são ótimas para profissionais autônomos

Decida como quer viver sua vida a partir de agora

Agora que você já sabe por onde começar, o que fazer para se dar e no que investir seu tempo para obter os melhores resultados na gig economy é hora de se perguntar: onde você quer estar daqui há alguns anos?

A resposta para essa pergunta irá orientá-lo a respeito do que fazer, ou seja, de como conduzir a carreira que escolheu a partir de agora.

Se você quer conhecer o mundo precisa organizar-se para o trabalho remoto, aprender a lidar com diferentes fusos horários e encontrar espaço na sua rotina para buscar aqueles vários carimbos no seu passaporte. Caso precise de mais tempo para si mesmo também deverá entender como o seu trabalho se encaixará na nova rotina, fora do escritório.

Cada uma de suas escolhas deverá orientá-lo sobre como se portar na gig economy. E elas vão determinar quão bem você se sairá nela.

E aí, gostou de conhecer melhor a gig economy e acha que ela se encaixa perfeitamente na sua visão sobre a vida? Então, conheça quais são os primeiros passos para se tornar um freelancer!