Por Redator Rock Content

um dos freelancers da Comunidade. Seja também um redator!

Publicado em 25/01/2017. | Atualizado em 04/01/2019


Bons conteúdos web nada mais são do que boas respostas, e para que obtenhamos boas respostas é preciso saber fazer boas perguntas. Todo texto gira em torno de uma série de questões: “quem?”, “o quê?”, “como?” e “com qual objetivo?” são algumas delas. Se você prestar atenção, verá que elaborar uma pauta nada mais é […]

Bons conteúdos web nada mais são do que boas respostas, e para que obtenhamos boas respostas é preciso saber fazer boas perguntas.

Todo texto gira em torno de uma série de questões: “quem?”, “o quê?”, “como?” e “com qual objetivo?” são algumas delas. Se você prestar atenção, verá que elaborar uma pauta nada mais é do que esclarecer os aspectos básicos de um artigo, para que eles deem lugar a outros mais complexos.

Mas nem sempre é fácil determinar qual a pergunta mais adequada para uma resposta eficaz. Pensando nisso, separamos algumas dicas para te ajudar!

Quer entender a importância do questionamento para o processo criativo, como ele auxilia na preparação do seu conteúdo e como fazer perguntas corretas para filtrar as informações mais valiosas? Então confira as dicas a seguir:

As três perguntas fundamentais e como desenvolvê-las

Por trás de todo artigo, existem as mesmas perguntas, são elas:

  1. sobre o que você vai escrever?
  2. para quem você vai escrever?
  3. como você vai escrever?

Elas ditam o desenvolvimento do texto, pois determinam detalhes importantes como o tema, o interlocutor e o objetivo do conteúdo. Você deve ter certeza na hora de respondê-las, caso contrário seu trabalho será bastante prejudicado.

Se quiser uma prova, basta tentar escrever qualquer coisa ignorando pelo menos uma delas. Você pode até conseguir produzir um texto, mas a qualidade deixará a desejar. Se você não souber sobre o que, como e para quem vai escrever, não conseguirá sequer estruturá-lo.

Por outro lado, essas perguntas são bastante genéricas. Embora sejam questões básicas, um conteúdo exclusivo e eficiente precisa ir um pouco além.

Portanto, o redator precisa sair em busca de mais informações, a fim de que o texto fique detalhado e passe credibilidade.

Uma boa notícia é que você não precisa ir muito longe para conseguir essas informações, basta complementar essas perguntas com outras um pouco mais complexas.

Veja alguns exemplos:

1. Você vai escrever sobre o quê?

Suponhamos que nosso tema seja música. Música, apenas, é um termo muito amplo que, à primeira impressão, não diz muita coisa, não é?

Embora responda à pergunta, é uma resposta vaga e pouco útil. É aqui que reside a importância de se guiar pelo questionamento e elaborar questões que peçam respostas objetivas.

Algumas delas são:

  • em qual categoria do tema você vai focar?
  • Dentro dessa categoria, há outras categorias?
  • Se sim, em qual (ou quais) você vai se aprofundar?
  • O que você quer trazer à tona com o seu texto?
  • Qual a relevância de cada item a ser abordado?
  • Você conhece bem o assunto em que está trabalhando?
  • O que é necessário complementar?

A partir dessas respostas, você já começa a ter uma noção dos rumos do seu artigo e de como se preparar para escrevê-lo.

2. Você vai escrever para quem?

Essa pergunta te obriga a discernir seu público-alvo, mas, como no item anterior, “pessoas que gostam de música” não é uma resposta de muita serventia. Para compreender com quem você está falando, é interessante se basear em algumas perguntas-chave da criação de personas, como:

  • Qual a profissão do seu interlocutor?
  • Em que faixa etária ele está inserido?
  • Quais os seus hábitos de consumo?
  • Ele tem algum hobby? Qual?
  • Que tipo de música ele costuma ouvir?
  • Por que ele leria o seu texto?
  • Que problema sua persona busca solucionar?

Lembre-se: quanto mais detalhes, mais assertivo será o seu artigo, mesmo que nenhuma dessas informações seja referida diretamente.

3. Você vai escrever de que maneira?

Em base das respostas anteriores, surgirão questões estruturais:

  • Qual a melhor forma de abordar o assunto?
  • Que linguagem deve ser utilizada?
  • Qual a extensão do texto?
  • Como chamar a atenção da persona?
  • Quais outros artigos podem servir de complemento?
  • Que exemplos você pode dar para ilustrar as questões trabalhadas?

Questionando as diversas possibilidades do texto, fica mais fácil identificar aquela que melhor serve ao propósito do seu cliente. Além disso, essa prática também evita bloqueios criativos oriundos da falta de foco, ajudando a produzir um conteúdo eficaz.

As perguntas corretas e como elas otimizam o conteúdo

Além de nos poupar tempo e esforço, elas interferem diretamente na qualidade do texto. Eis algumas perguntas para verificar os aspectos mais importantes de um artigo excelente:

  • Clareza: qualquer pessoa que ler o seu texto irá entendê-lo? Você elaborou todas as informações o máximo possível?
  • Objetividade: você disse apenas o que precisava ser dito? Há algo no texto que não fará falta se for removido?
  • Abrangência: você foi específico? Você deu detalhes sobre o tema trabalhado?
  • Lógica: tudo o que você escreveu faz sentido dentro do texto? As informações são coerentes entre si?
  • Relevância: o seu texto será importante para o público a longo prazo?

Se a resposta para qualquer uma delas for “não”, revise o artigo e verifique se não é possível melhorá-lo!

As perguntas que você sabe fazer, mas não sabe responder

É claro que, vez ou outra, você vai fazer perguntas que não conseguirá responder. Nesse caso, não se acanhe: compartilhe suas dúvidas!

As perguntas servem, essencialmente, para destacar o que você sabe e o que você não sabe. Não há vergonha nenhuma em não saber. Inclusive, faz parte do dia a dia de um redator escrever sobre coisas que nem sempre lhe são familiares.

Quando nessa situação, também é importante questionar: quem pode te ajudar com isso? Onde você encontrará essa informação que te falta?

Se for uma dúvida relacionada à pauta, à estrutura do artigo ou ao pedido do cliente, o melhor sempre é conversar com o supervisor da tarefa ou o próprio cliente, pedindo orientação.

Contudo, cuidado com questionamentos mal elaborados e com o tom da pergunta. É importante que você seja objetivo e educado, para não soar crítico ou displicente.

Coloque-se na posição do interlocutor e verifique se ele, ao ler sua pergunta, se sentirá confuso ou ofendido. Se sim, reelabore a questão.

Guiar-se por esse esquema de questionamentos te poupará de desgastes como falta de foco ou baixa produtividade, e de quebra dará menos trabalho pro seu revisor, garantindo uma boa avaliação de desempenho!

E agora, mãos à massa! Se você gostou dessa dica, baixe nosso quadro de produtividade e melhore ainda mais a sua performance.

Quadro de Produtividade Para Freelancers

Posts populares com esse assunto

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *