Por Ana Júlia Ramos

Uma quase jornalista apaixonada por séries de televisão, cinema, livros e péssima em auto descrições.

Publicado em 31/05/2018. | Atualizado em 10/08/2018


A escrita da tese e a produção de conteúdo têm muito mais características em comum do que você imagina.

Torne-se um especialista em produção de conteúdo!Powered by Rock Convert

Por mais que se tratem de dois tipos de texto aparentemente bem diferentes, é possível encontrar várias semelhanças e particularidades presentes em ambos. Ao percebê-las, a tarefa de produzir para essas duas realidades se torna muito mais fácil!

Quer descobrir como a experiência acumulada na produção de conteúdo pode ser extremamente útil ao escrever sua tese, seja ela qual for? Então acompanhe o post de hoje!

Diferenças entre as duas produções

Antes de falar sobre as similaridades de ambos os textos, é necessário diferenciar os conceitos.

A tese é um tipo de trabalho acadêmico onde uma ideia ou posicionamento serão defendidos. Nela, devem existir algumas características fundamentais para que o produto final seja aceito e passado para frente: seja na “evolução” do tema (em um mestrado ou doutorado, por exemplo) ou em sua publicação enquanto artigo.

Por mais que seja possível escrever com liberdade, não dá para falar sobre “qualquer coisa” como acontece com a produção de conteúdo web. A relevância da pesquisa deve ser comprovada de maneira rigorosa, e é possível dizer que existem mais limites na hora de escolher o tema de uma tese. Nela, o autor necessariamente deve chegar à uma conclusão e provar alguma coisa.

Já na produção de conteúdo, o assunto pode ficar em aberto e a forma de lidar com esse apanhado final é bem diferente.

Uma característica das teses é que elas são produções extremamente sistemáticas e exigem linguagem formal e respeito à regras da ABNT — Associação Brasileira de Normas Técnicas.

Já as produções de conteúdo são muito mais livres, de caráter informal (o que não é ruim ou negativo de forma alguma) e conversam com um público mais abrangente do que pesquisas e produções acadêmicas. Dessa forma, é preciso tomar cuidado com terminologias difíceis e é possível ter muito mais liberdade ao usar expressões e palavras do nosso vocabulário.

A forma de lidar com as normas é completamente diferente e, por mais que existam padrões e guias de estilo — como o da Rock, por exemplo, a estrutura técnica do texto não é convencionada de maneira nacional e obrigatória.

Uma similaridade essencial: a busca por referências

Dificilmente um conteúdo para a web será escrito sem que o autor consulte alguma referência, pelo menos, uma vez durante a redação.

A qualidade de um texto é altamente afetada quando não existem pesquisas fundamentadas, mesmo se tratando de especialistas escrevendo sobre um assunto que se sentem confortáveis em produzir.

O mesmo acontece na escrita da tese!

A forma de buscar por essa bibliografia também é semelhante. Nos dois casos, é preciso buscar por conteúdos confiáveis, publicados por pessoas que dominam aquela área e conseguiram tratar sobre o tema de forma coesa e bem sustentada.

Na produção da tese, porém, a escolha das referências pode ser um pouquinho mais rigorosa. Dependendo do assunto, conteúdos online como postagens de blog não serão aceitas na bibliografia. O quadro vem mudando com a disseminação das práticas de pesquisa e produção de conteúdo online, mas a redação web ganha com folga na categoria “liberdade”.

Produção de um roteiro e preparação prévia para começar a escrever

Antes de iniciar as duas modalidades textuais, é preciso criar um escopo sobre o assunto para que, dessa forma, o conteúdo mantenha seu objetivo inicial e não fuja da ideia.

Uma prática interessante é anotar em um papel as ideias iniciais e, a partir delas, escrever os objetivos que você quer alcançar com aquele texto.

Depois disso, busque por referências que sustentem as ideias que você quer passar e trabalhe com elas. É importante lembrar que o roteiro é um apanhado de ideias que, muito provavelmente, vão se modificar no meio do caminho. Não se preocupe em ter todo o conteúdo na cabeça antes mesmo de começar!

Objetividade na escrita

Por mais que a linguagem dos dois textos seja completamente diferente — a escrita da tese demanda uma abordagem técnica, acadêmica e mais formal — enquanto a produção de conteúdo permite uma liberdade maior, a redundância é um erro grave encontrado em ambos.

Não é porque você está trabalhando em uma tese de monografia, por exemplo, que precisará “encher linguiça” para se mostrar capaz e dominante do assunto.

Muitas pessoas acreditam que escrever tecnicamente é lotar o texto de termos difíceis de serem compreendidos e parágrafos intermináveis, mas essa ideia ficou para trás. Atualmente, produções objetivas são cada vez mais prezadas, não importa o tipo de texto ou onde ele será publicado.

A saga pela produtividade é a mesma

Em ambas as realidades é possível afirmar uma coisa: você quer ser produtivo e concluir o trabalho equilibrando prazo de entrega e qualidade.

Por isso, a busca por métodos de produtividade pessoal acontecem na mesma frequência e da mesma forma. Não existe produtividade específica que te ajude somente na escrita da tese ou de um conteúdo para a web.

É importante buscar por métodos que se encaixem com a sua personalidade e estilo de vida. Separei uma bem legal para que assim você se inspire e busque por ainda mais, caso seja necessário.

Técnica pomodoro

Esta técnica é bem famosa e conhecida por grande parte das pessoas que passam por um período onde a produtividade não está tão boa e poderia ser melhor.

Não é difícil começar: primeiro, faça uma lista do que você precisa realizar hoje. É um texto de 1000 palavras? Um capítulo da tese? Os dois? Organize-os por ordem de prioridade e comece com o mais urgente.

Depois, programe-se para que os próximos 25 minutos sejam de atenção plena na realização da tarefa. Nada de se distrair para pegar o celular ou dar uma zapeada nos canais da televisão!

Após os 25 minutos, tire 5 para relaxar. Vale o que te fizer sentir melhor! Lembrando que o mais indicado não é pegar o celular ou alguma tecnologia em todos os períodos de descanso. Separe esses momentos para se espreguiçar, fazer um pequeno exercício (andar ao redor de casa já vale) e fechar os olhos.

O importante é que, depois desse período, você esteja preparado para os próximos minutos de trabalho. Se precisar de mais do que cinco minutinhos, não tem problema, só estabeleça esse tempo no relógio para que a procrastinação não se torne presente.

Viu que existem muito mais semelhanças entre dois tipos de texto aparentemente tão diferentes? Para arrasar nas próximas produções, conheça o nosso guia definitivo do texto perfeito. Separamos as melhores técnicas para a redação web existentes na atualidade!

Guia do texto perfeito

 

Posts populares com esse assunto

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *