erros de revisão

Veja 10 Erros de Revisão mais comuns e como evitá-los!

O papel do revisor é garantir que o melhor conteúdo será entregue para o cliente. Mas o profissional não está imune de erros e pode cometer alguns equívocos durante a revisão. Descubra aqui quais são os 10 erros de revisão mais comuns e saiba como evitá-los!

Corrigir textos é uma tarefa que exige disciplina e muita atenção. Esse segundo olhar mais criterioso serve para identificar aquilo que está fora de ordem, errado ou sem muita coerência nas produções. É aquele tipo de trabalho fundamental para a garantia do padrão de qualidade de todo conteúdo, ou seja, nele é importantíssimo evitar quaisquer famigerados erros de revisão.

Por isso, neste post, reunimos as falhas mais comuns da área para você treinar sua visão e não deixar passar mais nada, ok? Pega o bloco de notas e vai anotando…

Se quiser aprender a revisar textos no mesmo padrão dos melhores revisores da Rock Content, é só assistir ao webinar com a Luiza Drubscky! Nele, ela vai te mostrar, na prática, todo o passo a passo que utilizamos para fazer nossas revisões.

E que tal vê-lo até duas vezes mais rápido e aprender melhor? Veja como fazer isso com o hack que ensinamos para aprender rápido e se torne expert em revisão na metade do tempo!


1. Utilização excessiva do corretor automático

Esse está no topo da lista de erros de revisão não por acaso. Se você deseja realmente ter uma carreira sólida como revisor, pare imediatamente com a ideia de basear seu trabalho nos corretores automáticos de editores de texto, como Word ou BrOffice. Isso porque, como o nome já diz, essas são ferramentas automatizadas e podem alterar texto para o erro. Como assim, produção?!

Pois é! Nós, operadores da palavra, sabemos que muitas vezes o português prega umas peças e apresenta muitas exceções para as regras, não é mesmo?  E claro que nos corretores nem todo termo é reconhecido pelo dicionário.

Terminologia técnicas, expressões incomuns e jargões são alguns exemplos que a ferramenta pode apontar como erro, quando não são na verdade. Portanto, preste atenção nesse quesito, ok?

2. Correção somente da ortografia

É óbvio que corrigir cada vírgula, acento, grafia e uso das palavras é extremamente importante nesse trabalho. No entanto, reparar somente nisso é um dos erros de revisão mais comuns entre os profissionais da área.

Lembrar-se de que também é papel do revisor checar se há uma adequação da linguagem ao tom da persona, se há coerência e coesão no texto, bem como se o sentido da produção está de acordo com a pauta, por exemplo.

Então, que fique claro: com esse tópico não estamos dizendo que é para deixar de lado a correção dos erros ortográficos do autor do texto, mas sim que é imprescindível também treinar o olhar para saber se o conteúdo traduz o objetivo da produção, ok?

Afinal, de nada adianta ter um texto impecável na grafia, se ele não entrega nenhum valor para o leitor seja na construção das ideias, seja na linguagem ou nas informações contidas no material. E ainda tem mais: se o texto for uma produção para a web, não deixe de ler o próximo tópico desse post. Traremos mais aspectos importantíssimos que devem estar no seu checklist de revisão. Desce o mouse!

3. Checagem da formatação para web

Há alguns elementos básicos para a formatação de um conteúdo para a internet, nós já sabemos, não é mesmo? Envolve checar o mínimo de intertítulos, palavras-chave, link building, inclusão de CTA e alinhamento do texto, por exemplo. Mas, dentro desse universo, há alguns erros de revisão que são frequentes e podem ser evitados se você fica atento aos detalhes que vamos apontar:

Deixar espaçamentos duplos

Convenhamos que esse é erro tipicamente humano, correto? Nós entendemos que os espaçamentos duplos não são nem de longe a primeira característica que vamos identificar em uma produção. Mas, se você treina seu olhar e já sabe que essa é uma falha corriqueira, temos certeza de que ficará mais fácil verificar se eles estão presentes, não é mesmo?

Pra ficar mais evidente, mostramos: significa um intervalo desnecessário entre os parágrafos.

Mais ou menos assim.

Só que com mais texto, ok? Fique atento para não deixá-los passar! Dica: é muito comum a presença dos espaçamentos duplos logo abaixo dos intertítulos!

Listas

Não é todo revisor de texto para a web que observa sempre se as listas estão de acordo com o padrão. Por isso, lembre-se: se estamos falando de algo que exija ordem, use a numeração automática; caso seja uma lista elencando exemplos somente, use somente os bullet points.

Alinhamento à esquerda

Esse é um quesito importantíssimo para a escaneabilidade do texto, uma vez em que a formatação em outro modo pode afastar o leitor do seu conteúdo. Então, não deixe passar formatações justificadas, certo? O correto e melhor é sempre formatar o texto para a web com alinhamento à esquerda!

Inclusão de hiperlinks

É papel do revisor também checar se o autor do texto inseriu links para outros artigos do cliente. Essa ação é importante para melhorar o ranqueamento do site ou blog nas ferramentas de busca. Portanto, se o redator não o fez, coloque a mão na massa e não deixe o conteúdo ir para a aprovação final sem esses hiperlinks. É importante lembrar também que é bacana incluir endereços de outros sites renomados!

4. Leitura do conteúdo muito rápido

Como já dissemos logo no início do texto, a revisão exige disciplina e muita atenção. Se existe um antônimo para esse tipo de trabalho, ele se chama rapidez. Então, fazê-lo com pressa pode significar estar cada vez mais distante de carreira sólida como revisor de conteúdo.

Nesse sentido, é fundamental que esteja com a mente e os olhos descansados para poder enxergar com clareza cada parte das construções amplamente: os erros sintáticos e semânticos.

Se você mesmo é o produtor e revisor do seu texto, outra dica interessante é dar uma pausa para respirar quando terminar de escrevê-lo para não cometer erros de revisão comuns. Trabalhos manuais, como lavar pratos, varrer a casa ou limpar a mesa, são ótimos aliados nessas horas. Pode acreditar! Aliás, pesquisas também comprovam que essa pausinha no labor pode aumentar a produtividade!

5. Uso de parônimos indevidos

Bom, se você não lembra o significado dos parônimos, não se preocupe, iremos te refrescar a memória: parônimo é a relação entre dois termos que têm significados diferentes e possuem grafia e/ou fonética muito semelhantes.

Na prática? “Eu dispenso (ato de dispensar) o leite que está na despensa (local onde se guarda mantimentos”.

Acontece que na fala, justamente por se parecerem, elas passam quase despercebidas. No entanto, toda a atenção deve ser colocada na hora de escrevê-las. Veja alguns exemplos:

  • Comprimento (unidade de medida) x cumprimento (saudação);
  • Despercebido (que não foi notado) x desapercebido (que está desprovido, desprevenido);
  • Docente (professor) x discente (aluno)
  • Eminência (que é superior) x iminência (que acontecerá logo, imediatamente);
  • Imergir (afundar) x  emergir (vir à tona);
  • Inflação (alta dos preços) x infração (violação);
  • Soar (parecer) x suar (ato de produzir suor).

A dica então é sempre examinar direitinho o contexto da frase para empregar a grafia da palavra que complete o seu sentido. Então, por favor, nada de passar desapercebido despercebido um erro como esse, ok?

6. Emprego dos porquês inadequadamente

É inegável que há muitos porquês na língua portuguesa. Então, treinar a mente e o olhar para identificar o emprego indevido de cada um deles é fundamental na carreira de revisor, uma vez que esse é um dos erros  de revisão mais comuns nas produções de texto. Agora, passaremos algumas dicas que podem te ajudar na hora da revisão! Vamos lá:

Por quê

Esse é um porquê que deve vir sempre no final da frase ou antes de qualquer pausa, ou seja, independentemente do ponto (que pode ser vírgula, exclamação, interrogação, reticências, etc) você deve usá-lo. Exemplos: “Você não vai por quê?” “Ele não me disse por quê, mas eu sinto que pode ser verdade”.

Por que

O primeiro uso dele é em perguntas diretas ou indiretas. Exemplo: “Por que você é assim, hein?” “Desejo mesmo saber por que você é assim”. Nestes casos, uma dica importante para saber se está empregando corretamente essa conjunção é trocá-la pela expressão “por qual” ou uma de suas variações ou até mesmo “por qual motivo”.

Repare bem como permanece coerente a frase citada acima com a substituição: “Por qual motivo você é assim, hein?” ou “Desejo mesmo saber o motivo pelo qual você é assim”.

Porque

Aqui, você pode usá-lo quando puder substitui-lo por “pois”. Acontecem em frases cujo sentido está em explicar um motivo ou uma causa. Então, é simples identificar seu emprego: “Hoje não pude ir ao dentista porque fiquei doente”. Agora, trocando: “Hoje não pude ir ao dentista pois fiquei doente”.

Bom, parece muita coisa mas não é, viu? Com a prática e disciplina, acredite, você saberá cada regrinha de cor e salteado. Vamos aos próximos erros de revisão?

7. Alteração no conteúdo sem necessidade

Sim, é trabalho do revisor corrigir todos os erros de uma produção, mas se o texto não tiver uma imperfeição sequer (o que é difícil), tudo bem não haver alteração, ok? De nada adianta fazer consertos desnecessários ou trocas de palavras apenas para justificar o trabalho.

Lembre-se de que tudo bem encontrar um conteúdo magnífico já pronto para ser publicado! Outra ressalva também é para revisores perfeccionistas: nada de reescrever todo o texto para que ele fique do seu jeitinho. Você não é coautor da obra, então, atenha-se ao seu papel: verificar erros ortográficos, semânticos, formatação e adequação à pauta e linguagem.

8. Emprego incorreto da regência verbal

Regência verbal é a relação entre o verbo e seu complemento. Chama-se de verbo transitivo direto aqueles que não pedem preposição; intitula-se verbo transitivo indireto aqueles que pedem preposição na hora de usá-los. Podem sem também intransitivos, mas isso já é outro papo que não vamos entrar agora!

Mas por que eles aparecem neste post? Porque, embora alguns sejam simples e todo mundo saiba como empregar, outros são completamente passíveis de erro, considerando especialmente os erros de revisão.

Ex: Verbo ir = “Eu vou à praia”. Transitivo indireto, pede crase e tudo certo! No entanto, repare outro caso, quando o verbo “assistir” nos pede um pouco mais de atenção. Ex: “Vou assistir ao jogo!”. Neste caso, assistir está sendo usado com o significado de ver algo, portanto, deve-se usar a proposição.

Acontece que, quando “assistir” está no sentido de cuidar de algo ou de alguém, ele se torna transitivo direto, ficando assim: “Vou assistir o paciente”.  Portanto, fique atento à regência desses verbos que listaremos a seguir:

  • Aspirar: no sentido de inalar, não exige preposição; no sentido de almejar, exige preposição;
  • Visar: no sentido de almejar, exige preposição; no sentido de olhar, não exige preposição;
  • Implicar: no sentido de causar, não exige preposição. Portanto, fique ligado nas construções. Ex: “O contrato implicou em mais tempo!”;
  • Precisar: no sentido de necessitar, exige preposição; no sentido de indicar com precisão, não exige preposição.

9. Checagem de palavras repetidas

Esse é mais um dos erros de revisão bem comuns quando outras falhas também acontecem: se você, geralmente, quer fazer o trabalho com pressa ou se não está com a mente descansada e o olhar também. Parece bobo, mas encontrar termos repetidos nas produções de conteúdo é corriqueiro, principalmente, se o autor e o revisor forem a mesma pessoa.

Então, a dica aqui é simples, porém valiosa: descanse antes de revisar ou faça uma atividade manual no intervalo entre uma produção e outra. Isso vai te ajudar a identificar com mais rapidez essas possíveis falhas! E, acredite, todos nós fazemos sem perceber.

10. Verificação das fontes de informação

Claro que a gente sempre confia que os conteúdos produzidos por redatores, principalmente, para a internet são autorais e contém somente informações verídicas. Mas, digamos, que se há um dado, uma pesquisa que é mencionada nesse material, é sempre bom dar aquela verificada para saber se aquilo que está sendo dito confere com a realidade.

Essa é uma falha que pode comprometer sua credibilidade no mercado, junto, claro, com a imagem do profissional que redigiu o texto. Portanto, não custa nada conferir, não é mesmo?

Bom, agora que você já sabe quais são os erros de revisão mais comuns entre os profissionais, não pode deixar de ficar atento a cada um deles nos seus próximos trabalhos, certo? Estar responsável por essa etapa na produção de conteúdo, seja para qual veículo for (web, impresso, vídeo, áudio), exige de nós muita disciplina, atenção e cuidado.

Afinal, precisamos entregar textos de valor que transmitam autoridade e nos deem cada vez mais credibilidade em um mercado competitivo.

Outra ferramenta que, com certeza, pode te ajudar nessa tarefa é nosso Checklist de Revisão. Ele reúne em um material só todos os itens que merecem ser observados para você não deixar passar mais um errinho sequer! Vale a pena conferir e usar, claro!

Checklist de Revisão de Conteúdos Web