Por Fabíola Thibes

Publicado em 13/05/2020. | Atualizado em 21/07/2020


Ser tradutor e intérprete é possível? Quais as diferenças entre essas profissões? Acredite: fazer as duas coisas é bastante difícil, porque elas exigem diversas habilidades. Entenda mais sobre elas neste artigo!

No contexto global, no qual as barreiras entre os diferentes povos e culturas é cada vez menor, o trabalho de profissionais qualificados para fazer a ponte entre tradições diferentes é fundamental. Nessa perspectiva, tradutores e intérpretes são as peças mais importantes para manter a comunicação fluída.

Apesar de ambos os profissionais terem como objetivo transformar uma informação de um idioma para outro, o trabalho deles é bastante diferente — e entender isso é a chave par ter sucesso na sua empreitada. Da mesma forma, embora o objeto do trabalho e estudo seja o mesmo, a formação desses profissionais é diferente também.

Então, o que se encaixa mais no seu perfil? É o que vamos explicar neste artigo. Confira!

5 diferenças entre o trabalho do tradutor e do intérprete

A diferença principal radica no canal: por um lado, tradutores trabalham com o canal escrito em todos seus formatos, incluindo os mais comuns como artigos de natureza diversa, até plataformas digitais e vídeogames — área conhecida como localização —.

O trabalho do intérprete está focado no canal oral, portanto, a atuação desse profissional está voltada para a tradução em tempo real. O exemplo mais conhecido é a interpretação em conferências ou em coletivas de imprensa. No entanto, intérpretes podem atuar em operações industriais, hospitais e inclusive em contextos jurídicos.

Agora que você entendeu a diferença principal entre o canal, vamos ver como ela se reflete na prática. Confira!

1. Formato e treinamento profissional

É responsabilidade do intérprete lidar com a linguagem em tempo real. Isso exige agilidade mental e habilidades recursivas que permitam que, por exemplo, corrija alguma informação on the fly. Os intérpretes recebem formação específica em oratória, cuidado da voz, técnicas de memorização e prática de lag time, que é o tempo que o intérprete espera para poder traduzir simultaneamente.

No caso da interpretação consecutiva, a prática em técnicas de memorização e de toma de notas é essencial, já que nesta modalidade o intérprete traduz quando o orador termina de falar. Parece simples, porém quando o orador fala 5 minutos sem parar a história é diferente.

Por outro lado, o tradutor trabalha com textos e com qualquer interface escrita, sem importar o formato. Ele tem a possibilidade de pesquisar, questionar e tirar possíveis dúvidas em qualquer momento do seu trabalho.

O trabalho nesta modalidade exige um conhecimento especializado e aprofundado, já que, diferente da interpretação onde é possível corrigir erros na hora, um erro impresso fica no material para sempre, ou até uma nova edição. A responsabilidade, então, é gigantesca.

Diferente dos intérpretes, os tradutores têm um treinamento mais voltado para a interpretação textual e expressão escrita, são especialistas técnicos nas gramáticas dos pares de trabalho e têm um olhar crítico com toda interface que tenha a produção textual no centro.

O ponto em comum nas duas modalidades é que as habilidades de documentação são igualmente desenvolvidas. Não podemos esquecer que tradutores e intérpretes escrevem e falam representando especialistas, portanto o estudo sobre o assunto a ser trabalhado é fundamental.

2. Áreas de atuação

Tanto tradutores quanto intérpretes podem trabalhar nas mais diversas áreas da economia, porém, como explicado acima, alguns segmentos são mais voltados para tradução ou interpretação.

Tradutores podem trabalhar em indústria, editoras, empresas de marketing, empresas de tecnologia entre as que mais precisam dos serviços de tradução. O interessante é sempre focar em empresas globais ou nas que estão em processo de internacionalização. No final do dia, todas essas empresas têm manuais, comunicações internas e treinamentos que precisam estar em várias línguas.

O trabalho do intérprete é muito mais dinâmico, pela natureza do canal. Os intérpretes trabalham para organismos internacionais, agências de tradução, indústria, hospitais, produtoras de eventos, imprensa e em toda atividade que precise de uma pessoa em terreno para fazer a ponte comunicativa entre falantes de línguas diferentes.

Se você é uma pessoa que tem alta energia, que gosta de conhecer pessoas de diferentes lugares do mundo e viver novas experiências, a interpretação é uma boa opção. Existem intérpretes que trabalham em lugares inusitados, como em organizações científicas que estudam o comportamento dos vulcões.

3. Ferramentas e uso de tecnologia

Pela natureza dos canais, o uso de ferramentas e tecnologia por parte dos intérpretes não é aplicável, já que o trabalho é feito com uma audiência ao vivo ou em situações nas quais ficar sentado na frente de um computador são improváveis, como por exemplo, em trabalhos de interpretação consecutiva em contextos industriais.

Já os tradutores contam com uma série de ferramentas especializadas, chamadas de Computer Assisted Translation Tool ou CATs, como são conhecidas no segmento. Estas ferramentas oferecem uma série de vantagens para projetos de alto volume, dentro das que destacam a criação de bases terminológicas, criação e edição de dicionários e tradução automática de segmentos que têm correspondências superiores a 85%. Em projetos de alto volume, elas garantem coesão terminológica em todo o texto, além de agilizar o processo, tornando-o mais eficiente.

4. Precisão

É uma vantagem do tradutor. Como ele tem tempo para fazer o trabalho, tem o dever de buscar a perfeição terminológica e de estilo — ou quase isso. Por isso, estão inclusas na tradução tanto a edição quanto a revisão da tradução. Também não podemos esquecer que o uso de ferramentas especializadas visam a coerência e coesão estrutural do texto, como também a naturalidade lexical.

No que se refere ao intérprete, ele também quer a perfeição, mas é mais difícil de conseguir por ser ao vivo. Em geral, os intérpretes têm menos tempo para se documentar, por isso é tão importante a agilidade mental e a capacidade de absorver novas informações rapidamente. Por isso, algumas coisas podem se perder na interpretação, o que é bem menos recorrente na tradução.

5. Direcionamento

O direcionamento é de qual e para qual língua estamos traduzindo. Suponhamos que você trabalha com 3 línguas. Em simples, pode ser:

  • De língua estrangeira para língua materna;
  • De língua materna para língua estrangeira:
  • Entre línguas estrangeiras quando o tradutor ou intérprete é falante não nativo do par.

A escolha do direcionamento do par linguístico vai condicionar diretamente o trabalho do tradutor. Geralmente, quando o trabalho é de língua materna para língua estrangeira ele demora mais, já que no formato escrito estruturas que não sejam naturais para a língua meta ficam mais evidentes que no caso da interpretação. Como está ficando claro até agora, o foco de produção de um tradutor é sempre sua língua materna.

O caso do intérprete é diferente. Para essa atividade é necessário ter fluência praticamente nativa na língua estrangeira que compõe o par. Isso é uma consequência do canal: os intérpretes são pontes comunicativas em contextos de uso de língua falando em tempo real, portanto ele deve ser capaz de comunicar ideias de forma clara e sem erros entre dois sistemas diferentes. Imaginem uma piada feita por um orador em um conferência internacional. Se o intérprete não tiver a fluência e conhecimento quase nativo da língua, a piada vai se perder, gerando uma reação diferente no público da esperada pelo orador.

Quais habilidades preciso desenvolver para trabalhar como tradutor ou intérprete?

Até aqui muitas coisas já devem estar claras, certo? Canal, onde trabalhar, diferenças de formato e mesmo a formação profissional que cada um recebe. No entanto, vamos aprofundar um pouquinho mais.

Habilidades necessárias para ser um tradutor

O profissional que segue essa carreira precisa entender o idioma e a cultura do país que originou o texto. É o caso da expressão agora foi o boi com as cordas.

Se ela estiver em um texto, o tradutor precisa entender que significa: agora foi, não tem mais o que fazer.

Da mesma forma, deve saber que break a leg não representa desejar que alguém quebre a perna. Já pensou?

Além disso, é importante ter habilidades de escrita, tanto no idioma nativo quanto no outro com o qual vai trabalhar. Sem isso, o fracasso se torna seu companheiro.

Mais do que isso, a principal diferença do tradutor para outros profissionais que trabalham com idiomas é a necessidade de ter um conhecimento técnico em gramática contrastiva.

Também conhecida por transferencial, ela prevê a análise de dois idiomas ao mesmo tempo. Daí a necessidade de conhecer a cultura de origem do texto.

Assim, se formos definir algumas competências necessárias ao tradutor, elas são:

  • Ampla cultura geral;
  • Organização;
  • Comunicação eficiente;
  • Foco na gramática contrastiva;
  • Capacidade de lidar com tecnologias;
  • Conhecimento de diferentes técnicas, porque o trabalho a ser realizado é diferente a depender do formato do texto;
  • Interesse por pesquisa, já que o profissional terá que fazer buscas dentre os recursos disponíveis.

Habilidades necessárias para ser um intérprete

Por sua vez, a interpretação é uma modalidade de tradução focada na oralidade e que tem categorias específicas.

O objetivo é transformar a fala de uma pessoa em outro idioma, também usando as palavras e o corpo, em caso de LIBRAS.

Por esse motivo, o intérprete precisa ter um conhecimento quase nativo de ambos os idiomas. Ele precisa de muita agilidade mental e algumas habilidades diferenciadas.

Para executar bem sua função, o profissional precisa ser capaz de traduzir dois idiomas de maneira imediata, portanto a compreensão do discurso oral é fundamental.

Por isso, é importante que o intérprete tenha habilidades de escuta e seja ágil para processar e memorizar o que é dito.

Também deve estudar e treinar mais, já que sua função é mais complicada por ser ao vivo.

Entendeu o que representa ser tradutor e intérprete? Percebeu o que diferencia essas profissões e por que uma mesma pessoa dificilmente realiza os dois trabalhos?

Agora é a hora de você escolher o que está mais adequado às suas habilidades e começar a trabalhar!

Quer uma dica? Aproveite e se cadastre no Banco de Talentos da Rock Content. Procuramos vários tradutores e temos tarefas sobrando para você!

Comunidade Rock Content - Faça parte da maior base de freelancers do BrasilPowered by Rock Convert

Posts populares com esse assunto

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *