currículo freelancer

O que colocar em um currículo freelancer: tiramos todas as suas dúvidas!

Você, provavelmente, sabe o que o seu currículo deve ter para uma vaga CLT. E para a carreira como profissional independente? Explicamos aqui o que deve ter no seu currículo freelancer!

Quando você busca uma vaga com carteira assinada, parece muito simples fazer um currículo, certo? É preciso colocar dados de contato, experiências anteriores mais relevantes, cursos realizados e uma breve descrição das suas competências e habilidades. Agora, quando o assunto é o currículo freelancer, muitas são as dúvidas!

Não sei como é no seu caso, mas aquele modelo tradicional de currículo nem sempre é válido para o freelancer. Como o trabalho é feito remotamente, o mais importante é indicar quais são seus diferenciais e o valor que poderá agregar ao cliente.

De que maneira fazer isso? É o que vamos mostrar neste artigo. Aqui, você lerá quais informações são fundamentais, as diferenças em relação ao currículo tradicional e como montar a sua apresentação de uma maneira incrível!

Vamos lá?

O que colocar no currículo freelancer?

A maioria das pessoas já trabalhou como empregado CLT e migrou para a modalidade freelancer por uma série de motivos, como flexibilidade de horários, possibilidade de trabalhar de forma autônoma e capacidade de aumentar sua renda. Tudo parece maravilhoso, até que um cliente pede o seu currículo.

Você até pode mandar o modelo tradicional, mas esse não é o melhor cartão de visitas. A apresentação das suas competências e habilidades como freelancer deve ser realizada de outra forma. É claro que ainda serão ressaltadas as informações relevantes, as experiências e os conhecimentos adquiridos.

Mas você pode — e deve — enfatizar alguns projetos elaborados e/ou executados, assim como os resultados alcançados. Dentro desse contexto, veja alguns itens importantes que devem constar no currículo enviado.

Informações básicas

A apresentação de seu nome, e-mail e número do telefone (especialmente para contato via WhatsApp) é essencial. Você ainda pode complementar com seu endereço do Skype, Hangouts ou outra plataforma de comunicação. O objetivo é que o cliente saiba como conversar com você, caso goste do portfólio enviado.

Outra boa prática é acrescentar os links para suas redes sociais, especialmente o LinkedIn, e de outras mídias que utilizar como profissional.

Competências técnicas

As informações sobre cursos realizados, capacitação profissional e experiências vivenciadas na carreira continuam sendo válidas. Indique quais são seus diferenciais, por exemplo:

  • “trabalho há X anos com produção de conteúdo web”;
  • “já atendi os clientes X, Y e Z” (caso possa ser falado quais são e não tenha contrato de confidencialidade);
  • “atuo na plataforma Rock Content”;
  • “tenho especialização no tema X” etc.

Esses argumentos podem ser complementados com um link para o seu portfólio. Aproveite para mostrar seu trabalho e os resultados que pode garantir. Vale a pena até colocar aquele depoimento positivo de um cliente fiel.

Afinal, seu intuito é chamar a atenção do cliente e conquistar vantagem competitiva em relação aos outros profissionais.

Competências comportamentais

As chamadas soft skills também são importantes para os freelancers, que precisam estar em contato com o cliente a qualquer momento. Destaque os seus pontos positivos de maneira rápida, mas que traga confiança de que o resultado do trabalho será o melhor possível.

Entre as possibilidades a serem destacadas estão:

  • proatividade;
  • boa comunicação;
  • flexibilidade;
  • liderança;
  • autoconfiança.

Certificações

O tempo investido no seu conhecimento não é à toa. Você precisa evidenciar no seu currículo que tem o know-how necessário e que está pronto para a empreitada.

Coloque as suas principais certificações. Se tiver poucas, pode colocar todas elas. Caso sejam muitas, considere eliminar as menos relevantes para aquele job. Lembre-se: a ideia é comprovar para o cliente que você tem o perfil necessário para a vaga freelancer.

Idiomas

A depender da sua função, informar os idiomas que domina é uma boa dica para chamar a atenção do potencial cliente. Se você é redator, por exemplo, faz toda a diferença mostrar que sabe ler e escrever em inglês e/ou espanhol. Há demanda para esse tipo de trabalho, mas nem todo profissional consegue executá-lo (fica a dica!).

Como você pôde perceber até aqui, os elementos indispensáveis para um currículo de freelancer são bem similares aos de um profissional CLT, certo? Mas é claro que existem peculiaridades — e algumas delas passam por elementos que devem ser eliminados da sua apresentação. Confira!

O que deve ser ignorado?

Você pode achar que mandar todas as informações tradicionais é uma maneira de atrair e prospectar clientes, mas isso nem sempre corresponde à realidade. O seu histórico profissional, por exemplo, é relevante, mas somente as experiências que tenham a ver com o projeto que você busca.

Por exemplo: se você quer fazer a diagramação de um site, é pouco interessante especificar que já trabalhou como redator web. Por outro lado, se você busca vender um serviço de escrita, indicar que atuou ou ainda trabalha como revisor é uma maneira de consolidar suas competências.

Outra coisa que deve ser eliminada é a carta de referência. Você pode indicar que já trabalhou para determinados clientes e até colocar algum depoimento, mas o ideal é confirmar seu talento pelo portfólio.

Já na parte de educação, exclua as informações sobre o Ensino Médio, ok? Isso não agrega valor para o seu currículo atual e parece que você está tentando provar algo desnecessário.

Com essas pequenas dicas, você já consegue se apresentar de maneira mais clara e objetiva para a pessoa interessada no seu serviço. Além disso, aumenta as chances de conversão do job.

Quais são os principais erros cometidos?

É bem provável que, ao elaborar um currículo, você já tenha cometido algumas falhas. Você pode perceber isso quando fica muito tempo procurando uma vaga no mercado de trabalho ou quando recebe um feedback sobre seu currículo — acredite: há empregadores que dizem “olha, está ruim”.

Mas quais são os erros cometidos quando o currículo é de freelancer?

Currículo muito longo

Sabe aquele currículo com 5 páginas de Word? Nunca faço isso! O currículo muito longo deixa de prender a atenção do cliente. Em vez de mostrar que você tem um monte de habilidades, apenas indica que você não tem capacidade de resumir o que é importante — e, dependendo do job, esse erro pode ser fatal.

Falta de foco

Indicar que você sabe redigir e revisar um texto, por exemplo, nem sempre é importante para um designer. Por mais que você esteja desesperado procurando um trabalho, opte por aquelas funções compatíveis com os seus conhecimentos.

Dica: para ter demandas constantes, cadastre-se na plataforma da Rock Content. Lá, você poderá se candidatar a diferentes modalidades e receber jobs constantes, de acordo com suas competências.

Erros ortográficos

Tem coisa pior que enviar um currículo, não receber retorno e meses depois descobrir que cometeu um erro grotesco de ortografia? Muita gente já passou por isso e sabe que é possível, até mesmo para os revisores.

Por isso, vale aquela dica esperta: escreva, revise e, em um segundo momento (com os olhos descansados), revise novamente. Só assim para ter certeza de que todas as informações estão corretas!

Quais são as diferenças em relação ao currículo do profissional CLT?

Nem preciso explicar que o objetivo de um freelancer é bem diferente do de um empregado CLT, certo? O primeiro quer fazer aquele serviço, ganhar para isso e, quem sabe, fidelizar o cliente para realizar outros projetos. Já o segundo está mais interessado em garantir uma vaga permanente.

Nenhuma das duas definições está errada ou é melhor que a outra. Mas é importante saber diferenciá-las naquilo que é relativo ao currículo.

O modelo tradicional exige informações mais completas, que forneçam um panorama mais amplo das suas habilidades, competências, rotinas e experiências. Por isso, é preciso colocar sempre:

  • dados de contato;
  • idade;
  • objetivo profissional;
  • experiências vividas, mesmo que não estejam registradas na carteira;
  • formação acadêmica.

Como opção, é possível acrescentar informações de trabalho voluntário, habilidade em ferramentas e softwares, cumprimento de metas e realizações. Todos esses dados demonstram que você é capaz e competente para a vaga que pretende ocupar.

Por outro lado, o freelancer deve ser muito mais objetivo. É desnecessário especificar idade, objetivo profissional e trabalho voluntário, porque esses dados pouco acrescentam ao job que será desenvolvido e à satisfação do cliente com o resultado.

Já a informação sobre as habilidades em ferramentas e softwares, se relacionadas ao job em questão, é imprescindível, porque evidencia suas competências.

Perceba que essas diferenças são normais. O profissional que busca uma vaga CLT passará pela triagem curricular e, posteriormente, terá outra etapa, como uma entrevista ou uma dinâmica de grupo. Assim, o empregador conhece melhor seu comportamento e habilidades.

O freelancer não tem essa possibilidade. O currículo é a única ferramenta de que ele dispõe para convencer o cliente de que é o profissional certo. Portanto, a regra é: seja objetivo e apresente as informações que forem realmente relevantes.

A questão é: como chegar a esse patamar? Como saber quais dados são mais importantes? Vamos apresentar logo abaixo. Continue!

Como montar um currículo freelancer eficiente?

Chegamos à parte principal deste post. Afinal, tenho certeza de que era isso que você estava esperando, não é mesmo?

O primeiro passo é incluir todas as informações que listamos lá no começo do texto e que são obrigatórias. Relembrando:

  • informações básicas;
  • competências técnicas;
  • competências comportamentais;
  • certificações;
  • idiomas.

Está com essa parte pronta? Então, siga as dicas abaixo para ter mais eficiência na montagem do seu currículo freelancer!

Formate-o de maneira adequada

Um erro cometido por muitos profissionais é colocar cores chamativas e muitas imagens no currículo. Esses elementos desviam a atenção do principal: as suas informações. Mantenha um estilo mais clean e evite deixar o arquivo muito carregado.

Além disso, vale a pena manter as informações bem organizadas e com um design simples. Utilize margens amplas e uma fonte limpa e opte pelo negrito e itálico somente quando for necessário. Assim, você consegue destacar o que deseja para o potencial cliente.

Consolide seus pontos fortes

As qualidades de qualquer profissional são essenciais para seu sucesso. Porém, elas são ainda mais importantes para o freelancer, que precisa vender o seu trabalho por meio dessa apresentação.

Por isso, em vez de listar seus pontos fortes isoladamente, integre-os às suas experiências profissionais. Mostre, por exemplo, que o job feito para determinado cliente usou a técnica X e que isso trouxe Y de resultados.

A informação concreta e sólida chamará muito mais a atenção.

Seja sincero

A necessidade de realizar um serviço e aumentar ou ter sua renda mensal nunca deve fazer você mentir nas suas competências e habilidades. O freelancer que adota essa postura está fadado ao fracasso, principalmente porque o cliente insatisfeito tende a contar o que aconteceu para outras pessoas.

Ou seja, na ânsia de fechar um projeto, você pode colocar em risco a sua reputação, um dos bens mais valiosos de qualquer freelancer. Portanto, sempre deixe claro qual é sua experiência e, se não tiver, indique que está disposto a aprender.

Adote a objetividade

Essa característica já foi destacada, mas vale a pena ressaltar: seja objetivo! Coloque exclusivamente as informações relevantes e tenha em mente que o ideal é mostrar qual é sua experiência e os resultados alcançados com trabalhos semelhantes que já foram realizados.

Resuma suas qualificações

Suas competências e habilidades podem ser resumidas em poucas palavras. Descreva qual é sua função em cada área de atuação relacionada ao job que procura e como foi seu papel naquele caso.

Por exemplo:

  • produção de conteúdo web: redação de blog posts, e-books e infográficos;
  • redes sociais: gerenciamento de crises, criação de social posts, interação com o público e encaminhamento de solicitações;
  • AdWords: definição de campanhas e planejamento de custos.

Foque na simplicidade

A vontade de agradar ou surpreender o cliente nunca deve ser maior que o bom senso. Currículos grandes, com palavras desnecessárias e difíceis tendem a fazer o cliente escolher outro profissional. Seja prático e mostre o que você pode fazer. Essa é a melhor forma de chamar a atenção para a sua apresentação.

Resumindo: um currículo freelancer pode até ser bem parecido com o modelo tradicional, mas é importante prestar atenção às diferenças existentes. Seguir o caminho da objetividade e da demonstração de resultados é o melhor negócio. Assim, você verá que realmente conseguirá alcançar seu propósito e fechar aquele job tão sonhado!

E agora, que tal ver na prática como você pode encantar o seu potencial cliente? Confira os modelos de currículo para baixar e preencher e consiga as melhores oportunidades profissionais para freelancers!