criatividade

O que é Criatividade e TUDO o que você precisa saber para se tornar mais criativo em apenas 11 passos

A criatividade não é um dom, mas uma habilidade do ser humano ligada à nossa capacidade de invenção e inovação. Assim como qualquer competência, é possível praticar a criatividade para despertá-la e desenvolvê-la, tornando-se uma pessoa mais criativa.

Profissionais criativos nem sempre têm picos de imaginação. Problemas pessoais, cansaço físico, baixa autoestima, ruídos externos… Tudo isso pode acabar com a produtividade de especialistas em criação de conteúdo.

Apesar disso, não se desespere. Mesmo com a falta de inspiração, existem diversos meios para estimulá-la.

Não são segredos milenares, mas dicas práticas para você aplicar no conforto do seu lar ou escritório cotidianamente.

Neste artigo, você aprenderá as melhores técnicas para impulsionar a criatividade e se livrar de vez das suas horas ociosas diante da tela do PC. Mas primeiro, precisamos definir:

O que é criatividade?

A criatividade não é um dom, mas uma habilidade do ser humano ligada à nossa capacidade de invenção, reinvenção e inovação. Assim como qualquer competência, é possível praticar a criatividade para despertá-la e desenvolvê-la, tornando-se uma pessoa mais criativa.

Só se cria algo a partir de experiências anteriores. Diz o ditado, certeiro:

Para quem só conhece martelo, todo parafuso é prego.

O que pessoas criativas têm de diferente é um repertório amplo e uma capacidade de recorrer a ele, desmontar e montar novamente as suas vivências. É combinando o que se sabe com o que se conhece que faz nascer o novo. Assim, vamos te ensinar como criar esse repertório:

Como ser mais criativo em 11 passos

Para os pesquisadores , a maior causa da ausência de criatividade é a falta de estímulos. O cérebro é um órgão complexo e alimentar as diversas partes que o compõem é essencial para ter novas ideias.

Acordar, ir ao trabalho, realizar as mesmas tarefas, voltar para casa, assistir a programas semelhantes e dormir. Esse tipo de atividade cotidiana é tudo que você deve evitar para trazer a inspiração.

Segundo o sociólogo e psicólogo inglês Graham Wallas, existem quatro fases para o surgimento de uma ideia. São elas:

  1. preparação: consiste no estudo preparatório acerca de um tema;
  2. incubação: o tempo em que a ideia é formulada dentro da mente, de maneira despercebida pelo ser;
  3. iluminação: é quando a ideia chega à consciência,
  4. verificação: ocorre ao “checar” se a ideia é realmente boa.

Assim, aquele pequeno devaneio se torna uma grande ideia. Mas, como você pôde ver, existe um processo.

Ser mais criativo envolve mudar sua forma de pensar e trabalhar para remover os obstáculos no caminho de sua criatividade natural, permitindo que você a alcance e a desenvolva.

Os passos a seguir são dicas e técnicas simples de como fazer isso por meio de novos hábitos e mudanças de mentalidade:

1. Tenha um propósito

Assim como para qualquer objetivo traçado, você será muito mais eficiente se tiver um propósito. Ou seja, um motivo pelo qual deseja ser mais criativo.

Pode ser para se tornar um escritor melhor, um designer diferenciado ou simplesmente ter mais facilidade para solucionar problemas da sua rotina.

Mas é preciso ter um propósito que inspire você a seguir em direção a inovações e novas soluções para atingir seus objetivos.

2. Estude muito

Como dito antes, não existem ideias sem conhecimento. É preciso que exista uma base para o surgimento da criatividade.

Você pode tentar exercitar isso agora mesmo. Pense em uma área sobre a qual você não compreende. Agora tente inventar soluções e novidades para revolucionar o setor. Difícil, não é?

Por sorte, hoje temos a internet. Um dossiê infinito de informações disponíveis à distância de um clique. Você pode assistir vídeos, ler artigos e livros, ouvir podcasts e mais uma infinidade de materiais disponíveis de maneira gratuita e instantânea.

Livros para Profissionais Criativos

Seria absolutamente inútil se uma maçã caísse sobre a cabeça de Isaac Newton e ele não tivesse pesquisado sobre a matemática e a física durante os anos anteriores.

O próprio cientista conta como funcionava o seu processo criativo:

“Eu apenas mantenho o assunto diante de mim, sempre pensando. Até que os segredos são revelados, um por um, bem lentamente, completos e claros”.

Então, lembre-se: seja qual for o tema sobre o qual você escreverá, é preciso estudá-lo e compreendê-lo. Só assim será possível absorver informações e iniciar o processo criativo.

3. Saia da sua zona de conforto

Uma característica comum a todos os grandes criativos da humanidade é a fome pelo conhecimento. Eles observavam o mundo, aprendiam sobre variados temas e se arriscavam em áreas que não dominavam por completo.

E não é à toa. Sair da zona de conforto é um exercício necessário para que o cérebro ative diferentes áreas e, consequentemente, formule novas ideias.

Mas não entre em pânico, você não precisa começar do zero. Existem muitas áreas relacionadas a todos os temas e é possível conectá-las.

Você é fera em marketing digital? Então, comece a aprender sobre programação. É um expert em literatura? Então, ainda há outras 6 artes sobre as quais aprender. Tem conhecimentos em nutrição? Ótimo, então, é hora de começar a explorar a educação física.

Isso também inclui os seus hobbies. Portanto, assista a séries de gêneros que não está acostumado, jogue outros esportes e converse com novas pessoas. O cérebro humano é uma ferramenta muito mais poderosa do que você imagina. Então, explore o máximo do seu potencial.

Muitas vezes, até mesmo pequenos atos podem impulsionar a criatividade. Escolher uma rota diferente para ir ao trabalho. Sentar-se em outro lugar durante o café da manhã. Tentar adivinhar objetos de olhos vendados.

No caso de redatores, essa é uma possibilidade bastante vívida. Candidatar-se em outras categorias, aprender sobre novas técnicas de escrita, consumir diferentes formatos de conteúdo.

banner levantada de mão redação

Se você parar para refletir, os grandes pensadores sempre se arriscam em novas áreas. Leonardo da Vinci, por exemplo, foi um renomado artista. Além de pintor, ele era escultor, poeta e músico. Aí estão as áreas relacionadas.

Mas, além disso, destacou-se como arquiteto, cientista, matemático, anatomista, botânico, inventor e engenheiro.

Calma, você não precisa igualar os feitos de um dos maiores gênios da humanidade. A ideia é que você saiba que quanto mais você desafia seu cérebro, mais ideias surgem.

4. Fuja da rotina

A mesmice é, certamente, um remédio de baixa qualidade para o cérebro. Quando você faz as mesmas coisas todos os dias, o seu cérebro se acostuma com a rotina e estagna.

Não adianta forçar, suas ideias não surgirão de um momento para o outro. Durante a fase da incubação, elas estão se desenvolvendo, mesmo que você não perceba.

Então, sempre que a sua criatividade estiver em baixa, tente realizar atividades que geralmente não fazem parte do seu dia a dia. Mesmo à frente do computador, existem milhões de possibilidades.

Abra as janelas do seu quarto ou escritório. Deixe que os seus cinco sentidos trabalhem. Sinta o vento bater no rosto. Cheire novos aromas. Experimente sabores inéditos. Vá a lugares que nunca foi. Escute músicas diferentes das usuais. Ao estimular o funcionamento dos sentidos, a criatividade surge naturalmente.

Um exemplo: quando Gabriel Garcia Márquez sofria um dos piores bloqueios criativos de sua vida, ele foi convencido pela esposa a viajar, algo que ele raramente fazia. Assim que chegaram à praia, ele teve uma ideia que, mais tarde, se tornaria o romance Cem Anos de Solidão, uma de suas maiores obras-prima.

Nota do editor:
Ao sair da sua rotina, aproveite para aprender a produzir conteúdos criativos baseados nas suas novas experiências do dia a dia!

Como produzir conteúdos criativos a partir de experiências do dia a dia

5. Observe o mundo ao seu redor

Muitas vezes, as ideias surgem das associações mais absurdas. Vivenciar tudo que o mundo oferece pode fazer emergir a criatividade em instantes.

Steve Jobs, por exemplo, teve a ideia de criar embalagens compactas para seus produtos depois de observar a caixinha na qual estava o seu sanduíche.

E quando George Orwell viu um garoto em uma carroça puxada por um burro, ele se perguntou: e se os animais percebessem a força que têm? Nascia ali A Revolução dos Bichos, um dos best-sellers mais lidos de todos os tempos.

O mesmo aconteceu diversas vezes na história da humanidade. Um bom observador pode acessar as áreas mais criativas do cérebro com facilidade. Então, exercite essa atividade!

6. Relacione-se com as pessoas ao seu redor

Muitas vezes temos uma fonte inesgotável de criatividade nas pessoas que estão ao nosso lado. Conversar com a família e amigos pode ser um ótimo meio de conseguir estimular as novas ideias.

Você sabe quem são Dustin Moskovitz, Chris Hughes e o Brasileiro Eduardo Saverin? Eles eram alunos de Harvard que dividiam o quarto com um sujeito estranho chamado Mark Zuckerberg.

Eles poderiam ter se atentado aos estudos e ignorado a ideia absurda do colega, que queria criar um site para eleger as pessoas mais atraentes da faculdade. Em contrapartida, Mark poderia também negligenciar as sugestões dos amigos para transformar aquilo em algo maior.

Mas essa história não termina assim. Eles conversaram, se divertiram e, juntos, fundaram o Facebook, a maior rede social da atualidade. Hoje, todos eles são empreendedores bem sucedidos.

Portanto, relacionar-se é uma ótima solução para estimular a criação de novas ideias. Esse processo é também conhecido como brainstorm (algo como tempestade cerebral, em português), e é um dos modelos de maior sucesso nos ramos criativos de negócios.

7. Peça ajuda para outra pessoas

Certamente, duas mentes criativas pensam melhor do que uma. Então, externalizar as suas ideias pode ser o que faltava para que elas comecem a fluir.

Na antiga Grécia, famosos pensadores como Platão e Aristóteles costumavam discutir com seus alunos para formular novos pensamentos. A arte do diálogo sempre foi a favorita dos filósofos, que acreditavam que o auxílio de outras mentes criava argumentos mais concisos.

Você não está sozinho, então, compartilhe suas considerações com os outros. Essa prática pode surpreendê-lo, e será possível retribuir em outro momento.

Nota do editor:
Aproveite para conferir a ementa da Imersão Freelancer e garanta seu acesso gratuito a mais de 10 horas de videoaulas que te ensinarão a ter sucesso na carreira freelancer! 😉

Imersão Freelancer: 11 videoaulas gratuitas para te ajudar a ter sucesso como freela

8. Descanse bastante

A incubação pode ocorrer em diversos níveis temporais. Pode ser que ela venha em cinco minutos ou demore anos até que, finalmente, se torne uma ideia palpável.

Isso não impede que você tenha uma ideia genial em poucos minutos. Ou que, depois de um longo período de pensamentos, você perceba que a sua idealização não era assim tão boa.

Em ambos os casos, é preciso dar um tempo para a sua mente. Repare que, se pensarmos literalmente, isso não acontece nunca. O cérebro de um ser humano vivo nunca deixa efetivamente de funcionar, mesmo enquanto dorme.

A verdade é que pausas e descansos fazem muito bem para o cérebro. Você já deve ter reparado que, quanto mais você pensa em algo, mais difícil é desenvolver o raciocínio acerca do tema.

Isso acontece porque o processo da incubação ocorre inconscientemente. Por isso, é necessário se distrair para deixar as partes ocultas da sua mente trabalhar.

Uma dos métodos mais conhecidos para produtividade no mundo corporativo é a Técnica Pomodoro. Basicamente, ela consiste em trabalhar por um período longo (como uma hora seguida) e exercer outras atividades por um breve tempo (como cinco minutos).

Então, sempre que você se sentir extenuado de pensar nas ideias que colocará em um texto, por exemplo, faça uma pausa. Assista a um vídeo no YouTube, mexa no seu celular ou apenas vá até o lado de fora e volte a observar o mundo. Se possível, termine a tarefa no dia seguinte.

Essa prática certamente poderá ajudá-lo a reorganizar as coisas. Relaxar, dormir, sentar, distrair. Essas ações são tudo que você precisa para voltar com tudo.

9. Coloque as ideias no papel

Depois de tudo isso, as ideias começarão a surgir. A princípio, elas podem não ser tão boas assim. Isso pode ocorrer por diversos motivos: faltaram estudos para servir de alicerce, você não descansou o suficiente ou elas simplesmente ainda não se formaram totalmente.

Ainda assim, sabemos como é trabalhar com prazos. Nem sempre é possível esperar para cumprir um tarefa.

Nessa fase, onde inicia-se a iluminação, você não ouvirá um plim nem uma lâmpada se acenderá na sua cabeça, como nos antigos desenhos animados. Então, mesmo que não considere as ideias tão boas, coloque-as no papel.

De forma similar, elas podem desaparecer em devaneios. Então, registrá-las é a melhor forma de garantir que você não perderá o fio da meada.

10. Não tenha medo de errar

Charles Darwin, Thomas Edison, Alexander Graham Bell, George Orwell, Ludwing van Beethoven, Nikolas Tesla, Louis Pasteur, Albert Einstein, Galileu Galilei, Henry Ford, Steve Jobs, Santos Dumont, Larry Page e Sergey Brin. Você sabe o que esses nomes têm em comum?

Se você respondeu que todos eles foram gênios à sua maneira, acertou. Mas o ponto é que, em algum momento de suas carreiras, foram desacreditados. Foram chamados de loucos, burros, medíocres. E, ainda assim, persistiram em suas ideias.

Os erros acontecem. E, acredite, nem sempre de fato existem. Às vezes uma ideia pode parecer boba, mas se você não tentar, não terá o prazer de se arrepender e, com isso, aprender.

11. Crie. Crie qualquer coisa

Desenhe, escreva, cante, pinte. Absolutamente qualquer coisa.

Crie um blog post. Uma escultura. Uma nova receita para aquele macarrão de sábado de madrugada.

Faça uma nova maquiagem e penteado, mesmo que não vá sair com eles.

A criação não precisa (e nem sempre deve) ser grandiosa ou perene. Entenda que criar é parte da sua essência e não fuja dela.

Tente inovar e impulsionar a criatividade em pequenos passos diariamente. Reinvente-se a cada instante. Pense em criações, frases e orações que nunca usou. O importante é manter a originalidade em seus atos.

Dessa forma, a criatividade se torna natural para você e nunca mais terá que ler outro artigo como esse para desenvolvê-la.

Agora, para aprender a desenvolvê-la em sua escrita e produzir artigos muito mais cativantes e interessantes, basta conferir nosso Guia gratuito da escrita criativa!

Guia da escrita criativa