Por Redator Rock Content

um dos freelancers da Comunidade. Seja também um redator!

Publicado em 24/08/2016. | Atualizado em 15/12/2017


Powered by Rock ConvertComeçar um trabalho de redação para web nem sempre é um processo simples: um dos maiores desafios ao receber a demanda para escrever um post para um blog é definir por onde começar. Com a experiência, no entanto, cada redator cria seu próprio método, o que otimiza o processo de definição de […]

Torne-se um especialista em produção de conteúdo!Powered by Rock Convert

Começar um trabalho de redação para web nem sempre é um processo simples: um dos maiores desafios ao receber a demanda para escrever um post para um blog é definir por onde começar.

Com a experiência, no entanto, cada redator cria seu próprio método, o que otimiza o processo de definição de pautas e de redação. Mas independentemente do procedimento que você adota, uma coisa é certa: o primeiro passo deve ser a pesquisa de palavras-chave!

Por que dizemos isso? Porque as palavras-chave são a base para a produção de conteúdo de um blog que pretende alcançar um bom posicionamento no Google. E você já sabe da importância de trabalhar o SEO, não é?

Estar entre os primeiros resultados nos mecanismos de busca significa conquistar a atenção e a confiança dos usuários, demonstrar sua autoridade no mercado e atrair tráfego qualificado. Com o uso adequado das keywords na sua página, o Google entende sobre o que ela trata e apresenta o seu site para quem procura por estes termos nos buscadores on-line.

Para ajudar você no processo de pesquisa das palavras-chave ideais, apresentamos aqui nosso guia definitivo com as melhores práticas e ferramentas de SEO do mercado. Ficou curioso? Acompanhe este post para saber todos os passos!

Passo #1: Pesquise sobre o negócio e o mercado

Para iniciar qualquer projeto, é preciso estar bem informado sobre o assunto com o qual você irá trabalhar. Na criação de um blog e na redação para web, esse trabalho vai além: se você pretende escrever para determinado público, também é importante se inteirar sobre seu perfil, suas necessidades e seu estilo de vida.

Comece explorando o terreno onde você irá atuar e procure identificar algumas oportunidades. Enquanto você realiza esse diagnóstico inicial, anote os termos que for encontrando para começar a construir uma identidade – no próximo passo, você irá expandi-la. Confira as melhores práticas para começar agora:

Definição da persona

A persona é uma representação semi fictícia do cliente ideal da sua empresa – ou, no caso de um blog, do seu leitor. Ela é importante para definir quem você pretende atingir com seu conteúdo. Afinal, é muito mais fácil e objetivo escrever para uma pessoa do que para um público-alvo, que não possui personalidade, valores, necessidades ou desejos reais.

Além disso, ao definir sua persona, você também é capaz de se colocar no lugar dela e compreender o que ela pesquisaria no Google, quais termos usaria na barra de busca e como se comportaria.

Para entender esse processo em detalhes, dê uma olhada no nosso artigo que explica direitinho o que são personas e como criá-las para impulsionar sua estratégia de marketing de conteúdo.

Diagnóstico do negócio

Você já conhece todos os produtos ou serviços que o negócio do seu cliente oferece? Já sabe os diferenciais? E o histórico? Informe-se sobre a empresa, conheça a equipe, procure conversar com o máximo de pessoas de diferentes setores, identifique os pontos fortes e fracos e anote todas as palavras relevantes.

Não se esqueça também de acessar o site onde o conteúdo será publicado, analisando segundo os critérios do marketing de conteúdo. Uma prática essencial para trabalhar com palavras-chave é ter o Google Analytics devidamente instalado no site, um grande aliado para realizar esse diagnóstico!

Informações de mercado

Além de analisar os fatores internos, também é importante entender os movimentos externos. Ferramentas do Google, como o Google Trends e o Google Notícias, ajudam na pesquisa sobre as novidades e tendências do setor. Além disso, sites e blogs concorrentes são uma fonte valiosa de dados, informações e novas ideias!

Passo #2: Amplie a pesquisa de palavras-chave

Agora você já tem em mente todas as informações que precisava sobre o mercado e sobre o negócio, possivelmente você já esboçou uma lista de palavras-chave. Chegou a hora de organizá-las em uma hierarquia.

Se você trabalha com um blog sobre empreendedorismo, por exemplo, talvez tenha anotado termos como “startups”, “pitch de vendas” e “como apresentar um pitch”. Você é capaz de imaginar quais desses termos a persona buscaria primeiro? E por último? Pois é assim que você deve organizar a sua lista! Ela será um esboço do que veremos no próximo passo.

Ao ampliar sua lista de palavras, você encontrará termos singulares, mais amplos (chamados de head tail) e outros frasais, específicos (long tail). É importante que a sua estratégia contemple os dois tipos. O motivo? Elas representam diferentes estágios da pesquisa do consumidor, e você deve estar presente em todas elas!

Quem procura por “empreendedorismo” está em uma etapa inicial, procurando compreender a extensão do assunto. Geralmente, as palavras head tail geram bastante tráfego, mas poucas conversões, pois o consumidor ainda não está pronto para avançar no mercado.

Já quem busca por “como demonstrar confiança para apresentar um pitch” demonstra interesse em algo específico. Embora as palavras long tail gerem menos tráfego, elas são mais precisas e tendem a atrair visitantes mais qualificados.

Para aprofundar a pesquisa e encontrar mais keywords para a sua lista, existem diversas ferramentas na web. Sua criatividade também deve entrar em cena para complementar as ideias que forem surgindo.

Confira as principais ferramentas:

Google Search Console

O Google Search Console é uma ferramenta gratuita voltada para desenvolvedores, mas ela fornece informações valiosas para os redatores. Ela deve ser integrada com o Google Analytics para gerar relatórios referentes a palavras-chave que estão trazendo tráfego e o posicionamento do site para cada uma delas. Nesse caso, você irá descobrir os termos que já são relevantes e que podem ser melhor trabalhados.

Keyword Planner

A ferramenta gratuita Keyword Planner, ou Planejador de Palavras-Chave, faz parte do Google Adwords. Além de fornecer dados para criar anúncios pagos, ela serve para descobrir informações relevantes para a busca orgânica, oferecer ideias de keywords e gerar dados de desempenho (concorrência, valor de CPC, volume de pesquisas etc.).

Essa é uma ferramenta bastante intuitiva. Para começar a usar, escolha a opção “Procurar novas palavras-chave usando uma frase, um website ou uma categoria”, insira os termos desejados e clique em “Obter ideias” para multiplicar a lista e obter os dados.

SEMrush

Bastante utilizada pelos profissionais de SEO, a SEMrush é uma ferramenta completa. Algumas informações são fornecidas gratuitamente, como a lista das 10 principais palavras-chave do site e o seu posicionamento para cada uma delas.

Como os dados são abertos, também vale usar o SEMrush para pesquisar os concorrentes. Se, com o tempo, ele for se provando útil, há licenças mensais a partir de US$69,95.

Keyword Tool

Sabe quando começamos a digitar na barra do Google e ele sugere algumas palavras para completar a busca? Essas sugestões dão ótimas ideias de palavras-chave, pois representam pesquisas que são realizadas com frequência!

A ferramenta Keyword Tool também facilita a sua vida ao oferecer as mais diversas sugestões para cada termo. Adquirindo o Keyword Tool Pro, é possível ainda ver as estatísticas.

Busca interna

Configurar os relatórios de busca interna no Google Analytics é um processo bem simples, mas pouco explorado. Essa ação é essencial para incrementar a lista de palavras-chave, pois ela informa quais termos as pessoas estão buscando dentro do site – ou seja, elas possivelmente não encontraram o que queriam com facilidade.

Passo #3: Organize a lista de palavras-chave

Neste momento, você já deve ter uma lista bem grande de palavras-chave. Não se assuste: esse é um ótimo sinal! Quanto mais termos tiver, mais conteúdos diferentes você irá produzir. Mas para otimizar o trabalho e não se perder em meio a tantas ideias, é preciso organizá-la e saber por onde começar.

Arquitetura do site

A melhor forma de organizar as palavras-chave dentro do site é dividindo-as em categorias. Isso permitirá que você organize os termos em uma espécie de árvore hierárquica: cada categoria terá subcategorias, e assim por diante.

Perceba que essa árvore se assemelha ao mapa do site. Logo, a pesquisa de palavras-chave também pode ser útil para construir a arquitetura da sua página, a estrutura dos menus e a criação de links internos.

Voltando ao exemplo sobre empreendedorismo, “startups” é uma categoria que abrange as subcategorias “modelos de negócio” e “pitch de vendas”, entre outras. Dentro da subcategoria “pitch de vendas”, entram os termos “como apresentar um pitch”, “dicas para falar bem em público”, e por aí vai.

Priorização

Com as palavras-chave organizadas, é preciso decidir com qual termo começar a produção. Dá vontade de iniciar pelos assuntos que a gente mais gosta ou tem mais facilidade, não é? Bom, esse pode ser seu critério, mas sugerimos que você verifique no Keyword Planner as estatísticas de cada palavra-chave. Assim, você tomará a decisão com base em dados reais do mercado!

Um exemplo: se uma palavra-chave tem alta concorrência, é provável que ela gere bastante tráfego, mas será mais difícil conquistar um bom posicionamento – afinal, vários sites estarão disputando o ranking pelo mesmo termo.

É importante entender que, se a palavra tem uma média de pesquisas mensais baixa, isso não significa que ela não seja boa para trabalhar: como você se lembra, as long tail geram menos tráfego, mas proporcionam mais conversões. Por isso, não considere somente a métrica do volume, e sim todo o contexto!

Passo #4: Produza os conteúdos

Agora que você já tem uma lista organizada e já sabe priorizar os termos, chegou a hora de botar a mão na massa!

Ao posicionar as palavras-chave dentro do site ou blog, utilize as boas práticas da produção de conteúdo web, evitando decisões arbitrárias ou sem respaldo nos dados coletados. Por exemplo, repetir a palavra-chave muitas vezes pode ser interpretado como spam pelos motores de busca.

Aqui no blog já existe um conteúdo exclusivo sobre SEO para redatores, onde explicamos o uso correto das palavras-chave para páginas que querem ser encontrados no Google. Vamos relembrar agora suas principais práticas e conceitos:

Tìtulo e intertítulos

O título é o carro-chefe do SEO dentro da página. Afinal, esse é o primeiro item que o Google analisará e o primeiro contato do leitor com seu conteúdo, então a palavra-chave deve estar presente nele.

Nos intertítulos dentro do texto, é interessante que ela apareça em pelo menos um deles. Identifique-os com as heading tags H1 para o título, H2 para os intertítulos, e assim por diante.

Black Hat

Ao longo do texto, as palavras-chave devem ser usadas com naturalidade e bom senso: o indicado é citá-la no primeiro e no último parágrafo, e uma ou outra vez nos demais. Mas lembre-se: você está escrevendo o texto para uma pessoa, não para um robô!

Se o Google perceber que você está usando a palavra exaustivamente, ele pode interpretar isso como uma prática de Black Hat (quando o site tenta manipular o buscador para conseguir mais tráfego). A penalização pode ir desde a queda no posicionamento até a remoção dos resultados.

Imagens

Para o Google saber o que há em uma imagem, ele precisa da ajuda de alguns atributos informados pelo código. As tags src (nome-do-arquivo.jpg) e alt (texto alternativo, caso a imagem não apareça) devem ser informadas ao buscador para que ele compreenda a informação. Assim, você pode aproveitar para inserir nas tags a palavra-chave do artigo.

Meta descrição

Na página de resultados da busca do Google, o texto descritivo de cada link é identificado no código com a tag meta descrição. Você pode utilizar esse espaço para resumir o conteúdo e fazer uma chamada para os usuários do motor de busca.

Esse não é um fator de ranqueamento do Google, mas é importante utilizar a palavra-chave aqui para transmitir uma informação relevante. Além disso, quando o termo buscado está presente na meta descrição, ele fica em negrito, atraindo mais cliques.

URL

As URLs do site devem ser amigáveis. Isso significa que, ao ler uma URL, o usuário – assim como o Google – deve entender o que encontrará dentro da página.

Por padrão, alguns sistemas criam códigos, como “meusite.com/produto1.php?id=23&cat=15”. Sites baseados em WordPress, muito populares na web hoje, têm a opção de criar automaticamente uma URL com base no título.

URLs criadas automaticamente nem sempre são ideais, pois ela deve conter a palavra-chave, bem como não ser demasiada extensa ou complicada. Contanto que esses itens sejam considerados, as outras configurações de URL podem ser configuradas de acordo com a sua preferência.

Links internos

Criar links internos, de um post para outro, é uma forma inteligente de manter o usuário engajado com seus conteúdos por mais tempo. Essa prática também distribui a autoridade do site para todas as páginas.

Para quem produz conteúdo, a dica é sempre criar os links com um texto-âncora inteligente, que cite a palavra-chave do artigo referenciado, pois este também é um item analisado pelo Google.

Passo #5: Revise periodicamente

Qualquer estratégia de marketing digital precisa ser constantemente revisada. Afinal, o Google atualiza frequentemente o seu algoritmo, novas ferramentas surgem, os concorrentes não ficam parados e o mercado está em constante evolução. Se você não quer ser surpreendido pelas mudanças, antecipe-se a elas!

A revisão periódica da pesquisa de palavras-chave ajuda a perceber novas tendências e mudanças de comportamento do consumidor, além de gerar novos insights para a produção de conteúdo. Estabeleça uma frequência de revisão pertinente ao objetivo do seu site, mas esteja sempre atento às perguntas:

  • O negócio lançou um novo produto, serviço ou material relevante?
  • Há novos concorrentes no mercado?
  • Há novas ferramentas disponíveis? São pagas ou gratuitas?
  • Quais palavras-chave estão gerando mais tráfego? E receita?

Ter curiosidade para responder essas e outras perguntas constantemente é essencial para atualizar sua pesquisa de palavras-chave e manter-se ativo no mercado. Lembre-se, a web é dinâmica e que você precisa estar sempre ligado às novidades para não ficar para trás!

Muita informação para absorver? Relaxe! Com a prática, todas essas dicas fluirão naturalmente no seu processo de trabalho. Curta a nossa página no Facebook e continue se atualizando sobre a produção de conteúdo web!

Posts populares com esse assunto

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *