Por Bianca Lopes

Redatora da Comunidade Rock Content. Jornalista, publicitária, freelancer, ensimesmada e desafiadora compulsiva do bom senso.

Publicado em 22/09/2017. | Atualizado em 29/07/2019


Gramática é estudo, e com a conjugação verbal não é diferente. Neste post, vamos ensinar como fazer isso como um ninja (e economizar muito tempo de estudo). Confira!

Conjugar um verbo significa mudar as desinências da palavra para conseguir indicar suas variações (de número, pessoa, tempo e modo) e dar coerência à fala ou texto. Com essa definição, fica fácil concluir que todo mundo que fala português já sabe como conjugar corretamente, certo?

Errado. Alguns verbos irregulares, como “medir”, “polir” e “moer” são, muitas vezes, conjugados de forma equivocada. Além disso, como não temos o costume de nos comunicar como os personagens da Bíblia, as conjugações na 2ª pessoa do singular (tu) e do plural (vós) ainda causam confusão em muita gente.

Se esses problemas atrapalham a sua produção de conteúdo, não se preocupe. Neste post, você vai conferir algumas dicas para nunca errar na conjugação verbal e aumentar o padrão de excelência de seus textos. Acompanhe!

Faça o download deste post inserindo seu e-mail abaixo

Não se preocupe, não fazemos spam.
Powered by Rock Convert

1. Padronize o pretérito imperfeito

Para não deixar dúvidas, o pretérito imperfeito é aquele tempo verbal que a maioria das pessoas usa para falar dos costumes do passado ou da própria infância. Veja o exemplo:

Quando eu tinha dez anos, caminhava até a escola todos os dias.

Sempre que fizer a conjugação verbal nesse tempo e quiser facilitar seu trabalho, lembre-se que as palavras da primeira e terceira pessoa do singular de um mesmo verbo serão sempre iguais. Exemplo:

Eu tinha                     Eu caminhava
Tu tinhas                   Tu caminhavas
Ele tinha                    Ele caminhava
Nós tínhamos            Nós caminhávamos
Vós tinheis                 Vós caminháveis
Eles tinham               Eles caminhavam

2. Identifique a origem do verbo

Muitos verbos possuem uma terminação que coincide com a estrutura do que chamamos de “verbos primitivos”, que nada mais são do que uma palavra original, capaz de criar outros verbos derivados.

Se prestar atenção, verá que todo o verbo que termina em “or” é originado do “pôr”. Isso significa que, se você aprender a conjugar o “pôr” corretamente, não terá problemas em conjugar o “compor”, “sobrepor”, “repor”, entre outros.

2. Conheça o M.A.R.I.O (sem trocadilhos)

Antes que a sua cabeça se distraia do nosso conteúdo ao pensar na piadinha do Mário, vamos explicar o que essa sigla significa. Mas, primeiro, tente resolver os seguintes desafios abaixo:

É correto dizer que “eu me maquio” ou “eu me maqueio” todos os dias?
Eu “ansio” ou “anseio” por uma promoção no trabalho?
Os alunos “intermediam” ou “intermedeiam” a aula de um professor?

Alguns verbos, como esses, podem causar muitas dúvidas na hora da conjugação. Eis um bom macete para não se confundir:

Todos os verbos terminados em “iar” são regulares, ou seja, não alteram sua forma. Sendo assim, o presente do indicativo de “maquiar” é “eu me maquio”. Já no caso de “ansiar” e “intermediar”, eles tomam a forma de “anseio” e “intermedeiam” no presente do indicativo, pois ambos fazem parte da única exceção a essa regra: o M.A.R.I.O, que é a representação de alguns verbos irregulares:

Mediar
Ansiar
Remediar
Incendiar/Intermediar
Odiar

Na conjugação verbal desses tipos de palavras, deve ser usado o mesmo padrão essencial para conjugar os verbos terminados em “ear”, como: “eu penteio”, logo, “eu intermedeio”; “ele penteia”, logo “ele intermedeia”, etc.

Confira outros conteúdos sobre Português e Gramática que podem te interessar! 😉
Como falar corretamente: 15 palavras que você confunde!
102 erros de português: aprenda os mais comuns e não erre mais!
Simplificamos 7 regras do português para você entender de vez
Aprenda agora qual é a diferença entre frase, oração e período
Aprenda de uma vez por todas a diferença entre número, numeral e algarismo
O que são pronomes? Tipos, exemplos e macetes para não errar!
O que é substantivo: TUDO sobre seus tipos e flexões com exemplos

4. Entenda que “mim” não realiza a conjugação verbal

Quem nunca ouviu uma pessoa atarefada declarar: “tem muita coisa pra mim fazer no trabalho” ou “vamos dividir as tarefas para mim poder ir para casa”? Talvez até fora desse contexto, é possível que você já tenha lido o ouvido o “mim” aparecer logo antes de algum verbo.

A verdade é que “mim” não é capaz de fazer nada. Para exercer a função de sujeito, o pronome pessoal do caso reto é que deve ser usado. Sendo assim, o correto é afirmar “para eu fazer”, “para eu poder”, etc.

5. Não se atrapalhe com o “vós”

Quando precisar conjugar os verbos na segunda pessoa do plural, lembre-se das seguintes dicas para não cometer erros:

  1. Se o tempo verbal for o presente do indicativo, apenas adicione o “is” na terminação do verbo. Exemplo: “vós prosseguis”, “vós chorais”, “vós conseguis”, etc. A única exceção está nos casos de apenas uma sílaba, como acontece com “vir” (vós vindes) ou “ir” (vós ides).
  2. Nos verbos que acabam com “or”, troque essas duas letras pela terminação “ondes”. Exemplo: “vós compondes” (compor), “vós pondes”(pôr), etc.
  3. Se o tempo for o pretérito perfeito (aquele que usamos para falar de coisas que fizemos ontem), troque a terminação de verbos que acabam em “or” pelo “sestes”. Exemplo: “vós decompusestes” (decompor), “vós supusestes” (supor).

6. Preste atenção nos verbos defectivos

Parece incrível, mas alguns verbos apresentam uma deficiência em sua conjugação que já é reconhecida pela gramática. Você sabia que “adequar” e “colorir” não são conjugados na primeira pessoa? Algumas expressões que você já deve ter ouvido por aí, como “o perfil dele não se adéqua à empresa” ou “eu coloro o desenho com giz de cera”, na verdade, não existem.

Quando se deparar com alguns desses verbos defectivos, o ideal é mudar a conjugação ou apelar para sinônimos, como: “eu pinto o desenho com giz de cera” ou “o perfil dele não é adequado para a empresa”.

7. Tome cuidado com as impessoalidades do “fazer”

No nosso dia a dia, é comum se deparar com frases como “fazem duas semanas que ele se foi” ou “fazem anos que não estudo gramática”, mas essa colocação verbal não está correta. O ideal seria: “faz duas semanas que ele se foi e “faz anos que não estudo gramática”.

Isso acontece porque, quando o verbo “fazer” é utilizado para se referir ao tempo transcorrido, ele adquire uma postura impessoal. Isso quer dizer que deve ser empregado sempre no singular, pois não há sujeito para a realização da concordância.

Agora que você já conhece os principais macetes para fazer uma conjugação verbal correta, não se esqueça de um detalhe importante: a melhor maneira de aprender a escrever bem é escrevendo! Por isso, pratique essas dicas em sua produção de conteúdo para melhorar a qualidade de sua escrita e, claro, não pare de aprender.

Se você gostou do post e deseja continuar a desenvolver as suas habilidades como redator, confira nosso Guia definitivo do Texto Perfeito!

Guia definitivo do texto perfeitoPowered by Rock Convert

Posts populares com esse assunto

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *