como tirar visto

Como tirar visto para os principais destinos de freelancers e nômades digitais

Dúvidas em como visitar ou trabalhar nos melhores destinos do mundo? Confira aqui como é possível obter o visto — e até trabalhar como freelancer!
Imersão Freelancer - maior curso online gratuito do BrasilPowered by Rock Convert

Você nunca aprendeu como tirar visto ou acha que seus conhecimentos sobre o assunto estão desatualizados?

Começou a ler nossos materiais sobre nomadismo digital e quer entender como tanta gente trabalha e mora em diversos países do mundo sem problemas?

Está se preparando para ser um freela itinerante?

Qualquer que seja a resposta para essas perguntas, temos o material certo para ajudá-lo. Este guia completo vai lhe ensinar exatamente o que é um visto e como ele funciona, qual é o passo a passo para obtê-lo e até quanto tempo o processo pode demorar.

Pronto para embarcar nessa jornada? Então, vamos lá!

Faça o download deste post inserindo seu e-mail abaixo

Não se preocupe, não fazemos spam.
Powered by Rock Convert

Para que serve um visto?

Mais ou menos um século atrás, vistos não existiam. Por isso, devemos começar definindo o conceito desse tipo de documento, que permite que uma pessoa tenha acesso a outros países.

Os vistos foram criados para o controle de fronteiras, ou seja, para que aqueles que não contam com autorização não sejam admitidos em um país. Eles servem para especificar que um indivíduo tem autonomia para ingressar em um Estado Soberano e devem ser emitidos individualmente.

O que isso quer dizer é que, se a sua mãe ou avó tem um visto, não significa que você poderá entrar no mesmo país. Exceto os casos de crianças, que podem desfrutar do direito de visto de seu responsável, vistos geralmente devem ser emitidos exclusivamente para o visitante.

Porém, nem todos os países exigem esses documentos. Alguns deles têm parcerias com outras nações, o que permite que o ingresso na terra vizinha (ou amiga) seja feito até mesmo sem passaporte.

Esse é o caso das viagens para os países que fazem parte do Mercosul. Portando uma carteira de identidade, com no máximo cinco anos, o brasileiro pode visitar uma porção de nações sem ter de solicitar autorização para isso.

No caso de algumas viagens curtas para a Europa, o mesmo é válido para nossos conterrâneos. Já países como os Estados Unidos exigem o visto dos brasileiros, enquanto não o fazem para italianos, por exemplo.

Um cidadão com dupla nacionalidade pode, portanto, utilizar um tipo de passaporte diferente para uma viagem específica. Assim, ele poupa tempo ao visitar outro país (e recursos, já que vistos exigem o pagamento de taxas).

Imersão Freelancer

Como tirar visto?

Tirar um visto, especialmente quando é a sua primeira vez, pode ser um processo difícil. Os passos abaixo o ajudarão a entendê-lo melhor.

Obtendo um passaporte

A fim de ser autorizado a entrar em um país, exceto nos casos que citamos no tópico anterior, o viajante precisa de um passaporte. É nele que são “colados” os vistos emitidos pela embaixada de cada país.

O passaporte é um documento pessoal, que deve ser emitido pela Justiça Federal. Qualquer brasileiro pode solicitá-lo pelo Serviço de Passaporte da PF. Ele deve possuir, caso seja maior de idade, comprovação de que votou nas últimas eleições e (no caso dos homens) um certificado de reservista.

Os passaportes são pagos e têm categorias distintas.

Determinados agentes públicos, como o Presidente, têm direito a Passaporte Diplomático. Os brasileiros comuns, por sua vez, podem também solicitar o Passaporte Emergencial, o que acelera a emissão do documento em alguns dias.

Determinando o visto ideal para você

Após a retirada do passaporte, quem deseja viajar deve descobrir o tipo de visto ideal. A maioria dos países oferece categorias como:

  • visto de trânsito: permite uma passagem temporária pelo país enquanto se viaja para outra localidade;
  • visto de turista: dá um período limitado de trânsito pela nação, desde que não sejam realizadas atividades de trabalho ou negócios;
  • visto de negócios: permite praticar atividades comerciais como Pessoa Física ou Jurídica em outras nações;
  • visto de estudante: certifica que alguém está autorizado a concluir um curso em uma instituição de outro país;
  • visto diplomático: emitido para viagens oficiais, quase que exclusivamente para quem possui Passaporte Diplomático;
  • visto de jornalista: dedicado àqueles que farão matérias em país vizinho ou que atenderão a encontros das organizações estrangeiras para as quais trabalham remotamente;
  • visto de noivo: permite que alguém entre no país para se casar.

Depois de determinar qual é o tipo de visto mais adequado para você, é preciso consultar a documentação necessária para obtê-lo. Em geral, isso pode ser feito nas páginas da web que lidam com a imigração de cada país, ou nos endereços online das respectivas embaixadas.

Preparando a documentação

Na hora de preparar a documentação para um visto, o requerente deve prestar muita atenção nas informações que entrega. Isso porque, em alguns casos, é preciso ter traduções juramentadas do conteúdo.

Quem vai fazer um curso em outro país pode precisar apresentar uma formação anterior. Ela deverá estar traduzida para o idioma falado por lá, e essa tradução deve ser feita por indivíduos autorizados a cumprir a tarefa, não podendo ser executada pelos donos do documento.

Na maioria das embaixadas, porém, há profissionais que falam o idioma nacional. Eles são capazes de entender o que está escrito nos seus documentos e avaliá-los para emissão do visto.

Como cada nação pode estabelecer regras diferentes para o ingresso, cabe ao visitante se informar sobre quais são os papéis necessários para obter o visto.

Dicas de Viagem para Freelancers Nômades Digitais

Quais são os vistos de turismo mais procurados?

Em alguns países, há tipos de vistos específicos que são mais procurados por quem os visita. Abaixo, você confere uma lista das localidades mais comumente visitadas pelos brasileiros.

EUA

Os brasileiros precisam sempre emitir um visto para entrar nos Estados Unidos, a não ser que possuam dupla nacionalidade por nascimento, relação parental ou casamento. Os principais vistos para os Estados Unidos são os de passeio, estudos, aqueles patrocinados por empresas que têm relacionamento com quem viaja e os vistos de trânsito.

Tentar entrar nos Estados Unidos sem um visto é crime. Se você fizer isso pela fronteira, será retornado ao seu país de origem. Nos aeroportos, o mesmo procedimento acontecerá.

Canadá

O Canadá tem menos resistência à entrada de brasileiros. Recentemente, sua embaixada retirou a exigência de visto para aquelas pessoas que já foram aos Estados Unidos ou tiveram um visto canadense emitido nos últimos dez anos. Basta solicitar uma Autorização Eletrônica de Viagem no site do governo, pagando uma taxa mais curta que a do visto tradicional.

Também é possível solicitar vistos para passear, estudar ou morar no Canadá. No último caso, será preciso mostrar que uma empresa contratou os seus serviços ou que você é um imigrante qualificado.

A categoria de imigrante qualificado é bastante popular, já que o Canadá tem poucos habitantes. Pelo site do governo, é possível verificar quais são as profissões de alta demanda e solicitar um visto, mediante a comprovação de expertise na área requerida.

Reino Unido

O Reino Unido é outro destino muito popular entre os brasileiros, principalmente porque ele não requer visto para turistas ou estudantes. Quem deseja visitar o país por um período de no máximo seis meses pode fazer isso desde que possua um passaporte válido. Para conseguir entrar no país, todavia, são necessárias algumas comprovações.

Você deve garantir que tem dinheiro para se manter no país e que pretende voltar para o Brasil. Um seguro-viagem também será obrigatório.

Quem quer trabalhar no Reino Unido, entretanto, precisa solicitar um visto, assim como em outros países.

Portugal

Portugal, por sua relação com o Brasil, também é um local fácil de visitar. Ele é um dos 60 países que não obrigam brasileiros a solicitar o documento para viagens de turismo, negócios, missão cultural ou cobertura jornalística.

Esse trânsito é válido por 90 dias. Quem pretende viajar para Portugal por mais tempo ou imigrar precisa obter o visto.

Austrália

A Austrália é um lugar lindo, cheio de riquezas naturais e muito procurado pelos turistas, mas os brasileiros devem sempre apresentar um visto para entrar no país. Ele deve ser solicitado antecipadamente e tem um processo mais simples do que em outros países.

Ele acontece online e pode ser feito a qualquer momento, tendo suas taxas pagas via cartão de crédito. A resposta chega no seu e-mail e tudo estará documentado virtualmente, ou seja, esse visto não precisa estar impresso no passaporte.

Todavia, o processo muda com frequência. É preciso consultar o consulado para ter certeza da autorização de sua viagem.

Nova Zelândia

A Nova Zelândia é vizinha da Austrália, mas os países são bem diferentes no que diz respeito à visita dos brasileiros. Lá não é preciso obter visto, a não ser que você pretenda estudar ou trabalhar. O visto de estudante também funciona por um processo online, todavia, desde que o curso escolhido não ultrapasse 3 meses, ele não precisa ser solicitado.

Chile

O Chile é um destino de viagem muito bem-visto pelos nômades digitais, porque ele permite que você trabalhe por lá sem muitos problemas. Basta apresentar uma carteira de identidade para ingressar no país como turista; porém, as coisas são diferentes para quem quer trabalhar.

Quem deseja exercer atividade comercial deve possuir um passaporte. A solicitação de trabalho será feita no próprio país, mas é possível agendar um horário pela internet, com ajuda do Mercosul, e passar pelo processo presencial em alguns minutos.

Quanto tempo demora para tirar um visto?

Uma das principais dúvidas de quem pretende tirar um visto é quanto tempo o processo demora. Como você viu nos tópicos anteriores, algumas nações já adotam o visto online, o que faz com que a aprovação deles seja mais rápida. Porém, há casos específicos em que as coisas podem ser mais demoradas.

Um visto de trabalho em Portugal, por exemplo, pode demorar até 30 dias. E o agendamento de um visto americano, embora seja rápido, pode significar que você vai receber o passaporte pelos Correios apenas 10 dias depois da aprovação.

Já vistos emergenciais demoram muito menos. Eles servem para situações em que o brasileiro é contratado com urgência, precisa tratar uma doença em país estrangeiro ou tem uma reunião de negócios agendada repentinamente. O prazo para os vistos retirados presencialmente, como é o caso daqueles para os Estados Unidos, geralmente gira em torno de 2 dias.

Há opções exclusivas para nômades digitais?

Com todo esse papo de visto, você já deve estar se perguntando: como os nômades digitais fazem para visitar tantos países?

A resposta é menos complicada do que se imagina. Algumas nações já têm opções para essas pessoas, facilitando o trânsito e permitindo que elas trabalhem de qualquer lugar.

Na maioria dos casos, porém, como nos lugares que citamos aqui, ainda é preciso obter um visto comum. Já em algumas terras europeias, as coisas são bem mais simples.

A Estônia é uma nação vanguardista quando o assunto é nomadismo e já aposta no trabalho remoto. Quem trabalha por lá pode adquirir a e-Residency, uma autorização para realizar negócios globalmente e até fundar uma empresa no país.

A Tailândia é outra nação que aposta no nomadismo como alternativa para quem deseja visitar o país. A trabalho, adquirindo um Smart Visa, é possível passar até quatro meses por lá sem uma permissão de trabalho para empresa local.

Quem deseja ser um nômade digital, porém, deve estar preparado para lidar com algumas burocracias. Mas tudo isso compensa pela liberdade de trabalhar quando e onde quiser.

Nos próximos anos, esperamos que muitos países adotem os vistos digitais, que favorecem e simplificam o processo de mudança temporária para quem deseja realizar o próprio trabalho de outro lugar. A tendência é natural, afinal, com a internet é possível desempenhar a maior parte das tarefas sem precisar se atrelar a um espaço físico.

Os nômades devem, porém, ficar sempre atentos às normas para conduzir negócios em outro país. O trabalho irregular, na maioria das nações, ainda é visto como infração e pode bani-lo de um lugar — que você adorou visitar — para sempre.

O processo de deportação, além de criar situações legais que podem gerar custos extras na sua viagem, são extremamente prejudiciais para o seu trabalho. Eles podem transformar dias produtivos em tempo dedicado apenas à regulamentação da sua situação, diminuindo lucros e afetando o seu relacionamento com clientes.

Por isso, antes de sair por aí, é preciso se informar bastante. Esperamos que este guia tenha ajudado você a fazer isso!

Outros conteúdos que podem te ajudar:
Conheça os principais tipos de visto para diferentes destinos
Cidadania europeia 2.0: Estônia lançará visto para nômades digitais
Conheça 24 espaços de coworking em 24 cidades do Brasil
Mercado Freelancer 2018: um panorama completo do freelancing no Brasil
Entenda melhor como é o perfil comportamental do profissional freelancer
Calculadora de Preço para Freelancers: descubra quanto cobrar

Agora que você já sabe como tirar o visto, está pronto para marcar seu passeio ou mudança? Então, não deixe de conferir o guia Partiu Mundo!, o material perfeito para se inspirar e se preparar para a jornada!