Por Orquidea Martins

Publicado em 01/02/2019. | Atualizado em 30/08/2019


Toda semana, elegemos um freela para escrever para a gente com pauta livre. Assim, conhecemos melhor a nossa Comunidade e você também. Essa é a história da Orquidea Martins!

Em Janeiro de 2018, iniciei meus trabalhos como freelancer integral de redação na Rock Content. Cerca de sete meses depois, em Agosto, aqui estava eu, pela primeira vez publicando uma Coluna Freela e contando como a vida nos mostra opções que não entendemos, mas que servem para chegarmos a algum lugar. No meu caso, a vida me levou à criação de conteúdo.

Hoje, eu gostaria de celebrar o encerramento deste primeiro ciclo de trabalho com a Rock e contar para você, caro colega freela, como que o trabalho de freelancer se tornou a minha principal fonte de renda, mesmo eu tendo iniciado essa empreitada sem um tostão furado no bolso e apenas com a “cara e coragem” de que tudo tinha que dar certo.

Sim, depois desse artigo você poderá gritar na janela comigo:


Entre apostas e certezas

Ser freelancer em tempo integral não estava nos meus planos, mas como costumamos dizer “é o que tenho pra hoje”. No caso, para aquele fatídico dia em que apliquei minha candidatura de redação. E na incerteza do que isso se tornaria, eu não poderia estar mais certa em pelo menos tentar.

Nessas horas eu lembro dos ensinamentos do grande mestre Badauí, que disse certa vez:

“Estava aqui, entre promessas e despesas, apostas e certezas. Cada vez mais quero fugir das derrotas, (coloco) sorriso na cara, estou de volta.”

Essa música adolescente do CPM 22 pode parecer boba, mas tem o poder de te lembrar que tudo não passa de tentativa. Mesmo quando você acerta, até então, era apenas uma tentativa. Por isso:

  • tente uma candidatura nova;
  • pegue aquela tarefa pequena sobre aquele assunto que você nunca escreveu;
  • tente abordar os textos de maneiras diferentes, dentro da linguagem da persona, claro;
  • experimente novas referências para o assunto que você já domina.
Comunidade Rock Content - Faça parte da maior base de freelancers do BrasilPowered by Rock Convert

Tendo Transtorno de Ansiedade Generalizada (TAG), foi difícil colocar isso em prática, pois as crenças limitantes são muitas e são constantemente alimentadas pela ansiedade. Pensamentos como “não vou conseguir” ou “não está ficando bom” ou “isso nunca vai dar certo, já tenho 30 anos” acabam tornando-se desculpas para nem se quer tentar.

Então, eu poderia simplesmente dizer para você “tente, não deixe de tentar nunca”, mas não é tão simples assim. Foi preciso que eu primeiro cuidasse da minha saúde mental, cercando-me de estímulos positivos.

Talking Heads

As positive vibes vieram com as conversas loucas da comunidade e muito — mas muito mesmo — carinho trocado com outros freelas nas mensagens da vida, feedbacks construtivos e apoio dos analistas.


O convívio diário com essas Cabeças Falantes, que são nossos coleguinhas freelancers e analistas queridos, ajuda no estímulo para seguir sempre em frente. A experiência reunida de todos é outro ponto alto: trocamos informações sobre tudo, o que ajuda no crescimento profissional, agregando valor ao camarote.

Quando a TAG batia mais forte, era para o inbox de algumas colegas que eu corria. Puxando assunto como quem não quer nada, eu me achegava e ficava ali, trocando conversa… sobre o trabalho!

Sim! Para lutar contra a procrastinação dos ansiosos, é preciso estar em contato direto com a motivação, mostrando para o cérebro corroído pela ansiedade que está tudo bem, que você pode, sim, focar 15 minutos e fazer o que quer, o que precisa.

Mesmo que você não tenha nenhum problema com ansiedade ou depressão — benza Deus, hein? Parabéns por ser um adulto livre disso <3 — cercar-se de estímulos positivos e coisas que te coloquem em movimento ajuda na organização da rotina freelancer, evitando a procrastinação e aumentando sua produtividade.

Agora, pare

Tava indo tudo bem, por que parar? Não sei, eu estava seguindo com meus planos certinhos, fazendo tudo conforme as dicas dadas e me sentia bem produzindo minhas tarefas. Mas eu simplesmente não conseguia me sentir motivada.

Foi quando lembrei das aulas da Faculdade de RH e dos ensinamentos sobre a Teoria das Necessidades Humanas, ou, Teoria de Maslow. Essa teoria consiste em uma pirâmide de 5 níveis onde o Maslow classificou as motivações humanas da mais básica até a mais avançada.


Segundo a teoria, o indivíduo só se sente motivado para atingir o próximo estágio da pirâmide quando satisfez as necessidades do estágio atual. Ou seja, lembra que eu comecei meu texto dizendo que estava sem um tostão furado quando entrei na vida freela?

Pois foi preciso eu descer e pegar no compasso para compreender quais eram as minhas motivações. E não, amiguinhos, não era o dinheiro, luxo e fama. Na verdade, eu descobri que não existe uma única motivação para mim, e nem para ninguém.

Saiba também que não existe motivação errada, mas objetivos incompatíveis com as motivações. Explico: Como eu disse, minha motivação não é o dinheiro. Então, não adiantava eu ter um objetivo com meta alta de valor em reais, porque eu não me sentia motivada para fazer por onde para atingir essa meta.

Então, eu precisei realinhar minhas motivações e objetivos, para conseguir seguir em frente com meu projeto de vida: ser freelancer feliz em tempo integral — sim, felicidade em tempo integral.

Mudando de assunto

Meus rendimentos com a categoria inicial de redação, Call Center, já não estavam mais me agradando. E descobri que o motivo era simples: eu não aguentava mais falar de atendimento ao cliente, indicadores de desempenho, automatização de processos e por aí vai.

Aproveitei que estava no ritmo frenético da Ragatanga e tentei, mais uma vez, outras candidaturas. Segui minha própria dica, e do Badauí, e tentei novos rumos para minha carreira freelancer. Essa semana mesmo eu escrevi sobre:

  • como melhorar o atendimento do cliente inadimplente — eu continuo falando de Call Center, isso nunca vai mudar;
  • cuidados com o pet no verão;
  • tudo o que você precisa saber sobre arrecadar dinheiro com vaquinha online;
  • crianças famosas esquecidas dos anos 90;
  • séries da Netflix para assistir enquanto estuda;
  • tendências de Marketing para um futuro próximo.

Essa variedade de assuntos não só ajuda a produzir mais mas também nos torna mais cultos em diversos temas.

biblioteca do redatorPowered by Rock Convert

Prepara!

*buzina ensurdecedora*

Que agora é hora do show das poderosas — e dos poderosos também, vai.


Depois da motivação e de garantir estímulos positivos para driblar a TAG e procrastinação, eu continuei tentando, lógico!

Como contei em outra Coluna Freela que escrevi, sempre tive o costume de estudar sobre o meu trabalho, para preparar-me melhor e desempenhar de maneira satisfatória minha função. Se eu fazia isso sendo uma atendente de telemarketing, eu precisava continuar fazendo, pois, agora, sou criadora de conteúdo.

Criar conteúdo para Web não é algo simples, embora pareça fácil. Você precisa se manter atualizado e ampliar suas fontes de conhecimento para entender bem do que vai falar. Isso não é algo que eu estou dizendo, é um dos objetivos do Marketing de Conteúdo: gerar autoridade para o blog/marca.

Passei a desenvolver uma rotina que chamo de “Rotina de Conhecimento”, onde passo alguns minutos — na verdade são horas, mas não quero te assustar — lendo conteúdos que se relacionam com os projetos que trabalho.

Essa preparação é essencial para que os textos fiquem bem posicionados com a estratégia do cliente, além de trazer ótimas notas de avaliação e dar aquela moralzinha com os analistas que te acompanham.

No início vai parecer chato e forçado, já aviso logo, mas depois você conseguirá pegar um ritmo próprio de leitura e tudo ficará mais fácil. Atualmente, acompanho os cadernos de jornal sobre política, casa e jardim, economia, pets, mercado imobiliário, empreendedorismo, tecnologia, educação, cultura, ciência e saúde.

Claro que a maioria deles eu já acompanhava antes e isso é um ponto positivo da vida de freelancer de redação. Qualquer conhecimento adquirido ao longo da sua vida pode ser usado para trabalhar e instruir os leitores do blog que você escreve.

Dias de luta, dias de glória

Aprender uma profissão do zero na beira dos 30 anos foi um desafio para mim. Eu sempre me senti mais nova do que sou, mas isso nunca impediu que os preceitos da sociedade sobre “idade certa” para estudar, trabalhar, ter família e tudo mais me atingissem.

E muitas vezes essa crença limitante era realimentada, mesmo eu já tendo passado, supostamente, por essa etapa e compreendido que nada me limita mais do que eu mesma — e a TAG, se eu não tomar meu remedinho.

Foi aí que percebi que as expectativas sobre a vida freelancer eram meu último obstáculo. Eu achava que, por ter 30 anos e estar empreendendo em mim mesma com a carreira freelancer, eu deveria estar em um patamar social e econômico maior do que eu realmente estava.

Eu precisei ajustar a minha realidade com as minhas expectativas e compreender que meus objetivos deveriam ser do tamanho do meu alcance, mas nunca parar de alcançar objetivos maiores. Entendeu? Vou explicar.

Eu entendi que meu objetivo pode ser, sim, um salário de seis dígitos ao mês, mas que eu precisava atingir outros objetivos menores, para tornar possível essa meta gigante dos seis dígitos.

Isso tem ligação direta com a pirâmide de Maslow. Depois que garanti a estabilidade em um patamar das necessidades, consegui atingir o próximo. Conquistei isso depois que segmentei minhas metas. Pois é, “pensar pequeno” me ajudou a atingir objetivos grandes.


Aquela dúvida de “será que estou fazendo a coisa certa? será que vai rolar mesmo?” já não existe mais. Pois compreendi que tudo bem você ter dias de luta e dias de Gloria Groove porque são nos dias baixos que você busca estímulos maiores — como se tivesse uma mola no fundo do poço, você atinge e volta voando pra cima — frase de uma grande amiga.

Eu falei que as expectativas eram meu último obstáculo, né? Mas, na verdade, desafios e obstáculos nunca vão parar de vir, em qualquer caminho profissional que você decidir trilhar. Então, o ponto principal de tudo isso é: nunca deixe de tentar, se conhecer e aprender, pois essas são ferramentas que vão fazer você chegar longe.

E foi dessa forma que consegui atingir minha meta de 2018: transformar minha falta de renda (incoming) em algo produtivo e que sustentasse minha pequena família de duas pessoas. Agora, meu próximo objetivo é virar freelancer MEI e alçar voos cada vez maiores.


Se você tem metas para 2019 e não sabe por onde começar, pense em se tornar um Rocking Freela da maior comunidade da América Latina. O caminho para o seu futuro começa hoje, começa aqui!

Orquidea Martins

Orquidea Martins

Redatora freelancer em tempo integral e mestre RPG nas horas vagas.

Essa foi a história da Orquidea!
Você tem alguma história de vida como freelancer que gostaria de compartilhar com a gente? Confira o form abaixo.

powered by Typeform

Posts populares com esse assunto