Por Julyana Andrade

Apaixonada por praia, tatuagens, séries e home office. Meio nerd. Mãe de gato e calopsitas.

Publicado em 26/11/2019. | Atualizado em 26/11/2019


Como não ser enganado na Black Friday? Muitas pessoas têm o receio de cair em fraudes e acabar levando gato por lebre (ou nem isso, já que há lojas que sequer enviam os produtos). Veja, a seguir, algumas dicas para fugir de problemas como esse!

A Black Friday é uma tradição americana que chegou por aqui, fez o maior sucesso e ficou de vez. Todos os anos, no final de novembro, várias lojas oferecem descontos com a promessa de vender os produtos pela metade do preço.

Porém, foi identificada uma prática maliciosa por parte das empresas, que aumentavam o preço dos itens dias antes do evento para forjar um grande desconto e tentar atrair a atenção dos consumidores. Foi aí que surgiu, por aqui, o termo Black Fraude — e o slogan “tudo pela metade do dobro”.

Você é do tipo que não perde uma promoção boa, mas não quer ter a sensação de que alguma loja te “passou a perna”? Então, confira as dicas a seguir e descubra como não ser enganado na Black Friday!

1. Desconfie de preços muito baixos

Duvide de qualquer oferta que estiver muito atraente, com grandes descontos, principalmente se tratando de eletrônicos, smartphones e outros produtos ligados à tecnologia.

Apesar da possibilidade de realizar promoções, a margem de lucro do varejo não é tão grande a ponto de conseguir oferecer 50% de desconto em um smartphone de última geração, por exemplo.

Se a oferta apresentar valores menores até que os que são praticados no exterior, tome bastante cuidado — já que esse é um grande sintoma de golpe —, pois é praticamente inviável conseguir vender um iPhone ou um PlayStation por um preço inferior ao dos EUA, por exemplo.

2. Pesquise o histórico dos sites

Esse cuidado é necessário para aquelas pessoas que gostam de comprar em e-commerces. Vai chegando a época da Black Friday, começamos a ver anúncios (principalmente nas redes sociais) de lojas que desconhecemos oferecendo promoções e preços especiais.

Porém, essa também pode ser uma forma de golpe, tratando-se de empresas de fachada. Nesse caso, possivelmente os clientes vão fazer uma compra, pagar por ela e ficarão sem o produto.

Então, antes de sair comprando por aí, veja se a loja tem perfis nas redes sociais (e quando eles foram criados), se existem reclamações sobre elas na internet, entre outras coisas.

3. Verifique a reputação das lojas

Embora lojas desconhecidas sejam um sinal de alerta para possíveis golpes, é claro que existem muitas por aí que são sérias e não agem de má fé com os consumidores. Por outro lado, também há grandes varejistas, com um nome sólido no mercado, que têm índices muito altos de reclamação.

É por isso que a busca do histórico e a confirmação da reputação são tão importantes. Só assim você consegue fugir de ciladas e evitar dores de cabeça futuramente — sem contar no possível prejuízo financeiro que pode surgir com uma compra nesse período.

Portanto, o ideal é fazer o mesmo trabalho de pesquisa da dica anterior. Verifique em sites como o do Consumidor.gov.br e o do Reclame Aqui o que as pessoas estão dizendo sobre o atendimento dessas empresas. Lá, você consegue ver os maiores motivos das queixas, qual é o percentual de solicitações resolvidas e outras informações importantes.

4. Confira se os valores no carrinho são os mesmos anunciados

Já na hora de fazer as compras, não se esqueça de conferir se o valor apresentado no carrinho é o mesmo que foi anunciado no site. Podem existir casos em que surja um aumento no preço na hora de passar para a etapa de conclusão da compra.

Se isso ocorrer, exclua os itens e tente realizar o processo novamente. Caso o erro continue acontecendo, melhor desistir e procurar outra loja. Assim, você também evita cair na Black Fraude.

5. Veja se os descontos aplicados são reais

Outro cuidado importante para não ser enganado na Black Fraude é a verificação dos descontos que são aplicados na hora da compra. Há casos em que as lojas virtuais fazem anúncios de determinado percentual, mas o abatimento no carrinho é menor.

Para evitar cair nessa, faça as contas e verifique se o e-commerce está cumprindo com o que foi apresentado na propaganda. Ah, isso também vale para as lojas físicas! Evite o impulso de concluir a compra rápido e sempre realize os cálculos.

6. Prefira métodos de pagamentos mais seguros

Ao comprar em lojas virtuais, dê preferência para aquelas que fornecem métodos de pagamentos mais seguros, como o Mercado Pago e o PagSeguro. Com essas opções, fica mais fácil recorrer e solicitar o estorno do valor caso haja algum problema — como o não recebimento do produto adquirido. Assim, evita-se prejuízos financeiros, apesar do transtorno.

7. Aposte em sites para acompanhar a variação dos preços e a confiabilidade das lojas

Com a fama de não oferecer descontos reais e o apelido de Black Fraude, fica muito claro que você precisa acompanhar as variações de preço ao longo dos dias para evitar ser enganado, né?

Alguns sites e aplicativos mantêm o registro com o histórico de preços dos itens anunciados. Ao fazer uma busca, é possível enxergar as quedas e os aumentos em determinados períodos (que podem ser de 30 dias ou mesmo de um ano).

Entre as opções que podem ajudar nessa missão de pesquisa e acompanhamento, estão:

 Afinal, como não ser enganado na Black Friday? Resumindo, a solução é simples: tome bastante cuidado e não compre nada no impulso antes de avaliar as lojas. Portanto, não tenha medo de se sentir um integrante do CSI e faça uma bela investigação antes de sair entregando o seu suado dinheirinho por aí sem ter garantia de recebimento do produto — ou caindo na má fé de empresas que não fazem promoções verdadeiras.

Gostou dessas dicas? Aproveita e aprenda também como escapar dos principais golpes de trabalho na internet!

Powered by Rock Convert

Posts populares com esse assunto