Como escrever um texto brilhante: 5 dicas da psicologia!

Este texto é uma tradução do guest post da psicóloga Ellen Jackson, do Potential Psychology, para o ProBlogger.

A escrita é uma tarefa que demanda muito do nosso cérebro. Afinal, ela exige bastante criatividade e capacidade de resolver problemas, já que requer que a gente não apenas processe informações, como também recupere memórias, leia, desenvolva ideias, pesquise, planeje, revise, e por aí vai.

Na hora de refletir sobre como escrever um texto, temos que gerenciar nossos próprios pensamentos e sentimentos sobre o processo e os resultados à medida que avançamos: assim, enquanto estamos digitando uma palavra, nossa cabeça já está trabalhando nas linhas seguintes.

Por cima de tudo isso, além de estarmos digitando, ficamos indo e voltando entre diferentes janelas no nosso navegador, consultando aplicações, etc. Em suma, nossos neurônios trabalham a todo vapor!

Só que entrar (e ficar!) nesse estado de aproveitamento ótimo, em que as palavras fluem da cabeça para o teclado, nem sempre é fácil, concorda? Diante disso, ajuda muito quando aprendemos a configurar nosso cérebro e acertar as condições de tempo, espaço e ambiente para que trabalhem a nosso favor, e não contra nós.

Pensando nessa questão, a seguir vamos compartilhar com você 5 dicas da Psicologia para ajudá-lo a conquistar o superpoder de controlar sua mente e, assim, entrar no “modo escrever para a web” com muito mais facilidade. Preparado? Então vamos nessa:

1. Busque o silêncio, mas sem ser silencioso demais

É verdade que diferentes pessoas têm tolerâncias distintas para os diversos níveis de barulho. Ainda assim, os estudos sobre o assunto mostram que se você quiser explorar sua criatividade ao máximo, precisa de uma determinada quantidade de sons no plano de fundo.

Se o ruído ambiente onde você trabalha ultrapassar os 85 decibéis (que é mais ou menos o nível de barulho de um caminhão grande passando do seu lado), seu cérebro vai ficar distraído demais para conseguir ter novas ideias e aqueles insights que fazem você dizer “a-ha!”. Ou seja: vai ser difícil conseguir exercer a criatividade com esse tipo de som.

Por outro lado, quando está silencioso demais, seu cérebro também não consegue ser criativo. Precisamos de algum som para fazer a massa cinzenta pegar no tranco e botar nossas ideias para circular. Quando está quieto demais, tendemos a ficar distraídos com nossos próprios pensamentos.

O meio-termo e, portanto, o ruído ambiente ideal para a criatividade, é em torno de 70 decibéis. Para quem não sabe, esse é o som do chuveiro ligado, do zumbido máquina de lavar roupa no fundo, ou talvez de um cortador de grama no quintal, lá fora. É um barulho que fica em segundo plano, sem entrar demais no ouvido.

Além disso, porém, é bom notar ainda que existem diferentes tipos de som. Eu, por exemplo, estou escrevendo este post em um café movimentado, cheio de gente conversando, entre outros ruídos de fundo.

Esse é um cenário que poderia incomodar algumas pessoas, mas para mim, é perfeito. Minha mente se sente como que encapsulada pelo ruído ambiente, e eu consigo me concentrar totalmente nas minhas ideias.

Já quem não consegue prestar atenção em mais nada quando tem alguém conversando por perto geralmente funciona melhor com algum tipo de ruído branco, como o barulho do trânsito ao longe, o canto dos pássaros ou crianças brincando (contanto que não sejam seus filhos e  que eles fiquem atrapalhando seu trabalho).

Dica:

Se você está tentando encontrar o tipo e nível de barulho ideal para você, pare e pense em quando e onde você consegue atingir o ápice da criatividade: nessas horas, que tipo de ruído está no fundo, normalmente?

Além disso, observe sua reação ao aumentar ou abaixar a música, mude de cômodo, mude de local, tente usar um aplicativo de ruído branco… enfim, experimente diferentes configurações para descobrir o que funciona melhor para você.

2. Ache o horário perfeito

Talvez você já tenha escutado que cada um de nós funciona com uma programação biológica interna conhecida como ritmo circadiano. Esse tal ritmo segue mais ou menos um ciclo de 24 horas, e reage principalmente à luz e à escuridão no nosso ambiente.

Isso quer dizer que alguns de nós funcionam melhor na parte da manhã, enquanto outros trabalham com mais eficiência no entardecer e durante a noite. (Não tem certeza se você é uma pessoa noturna ou diurna? Então faça o teste e descubra!).

Existe uma pesquisa que sugere que a manhã é o melhor momento para a criatividade de todo mundo, independentemente de serem criaturas da noite ou seres do dia. Isso porque, teoricamente, sua força de vontade é maior na parte da manhã, e as conexões criativas no cérebro se ativam mais facilmente logo após você despertar de uma boa noite de sono.

No entanto, para pensar de maneira mais analítica — o que é necessário na revisão de texto, por exemplo — você pode deixar para trabalhar mais tarde, pois é quando os neurônios responsáveis pelo pensamento mais metódico e estruturado estão prontos para entrar em ação.

Dica:

Mantenha um diário de quando suas melhores ideias aparecem. Faça isso durante uma semana (ou mais, por que não?) para procurar padrões. Depois, encontre maneiras de capturar as ideias quando elas aterrissam.

De acordo com algumas pesquisas, não é nada impossível que pessoas matinais tenham suas melhores ideias durante a noite, e as pessoas noturnas, na parte da manhã! Isso tem a ver com o fato de o nosso cérebro ser melhor em criatividade quando está um pouco confuso.

Por fim, tome nota dos seus melhores horários para revisar e fazer outras tarefas do blog também. Assim, você pode planejar o seu dia em torno de quando a sua mente funciona melhor para cada tipo de tarefa, de modo a aumentar sua eficiência.[/box]

3. Crie rituais

Reza a lenda que o grande escritor francês Victor Hugo, para evitar a procrastinação e começar a escrever, ficava peladão e, em seguida, pedia ao seu criado para esconder suas roupas para que ele não pudesse sair de casa.

Isso pode ou não funcionar para você, dependendo da sua disponibilidade para andar nu por aí. O ideal, no entanto, é que você consiga criar os rituais que mais ajudem-no a invocar as musas da escrita para a web.

Talvez você sempre use uma caneta e caderno específicos, ou goste de estar sentado perto de uma janela com vista para a rua? Você pode funcionar melhor depois de se exercitar ou quando está de pijama? Eu entro no meu ritmo de escrever no meu café preferido, depois de uma aula de yoga.

Para a Psicologia, os rituais são importantes porque servem como “sinais cognitivos”, quer dizer, indicativos para a sua mente de que uma determinada atividade está prestes a acontecer e de que ela precisa, então, entrar no ritmo dessa tarefa.

Basicamente, o que isso faz é criar uma associação entre os passos que fazem parte do seu ritual e a preparação para entrar no estado que permite a você ser mais produtivo. (Ou, se preferir, é uma forma de chamar o espírito de Victor Hugo para habitar temporariamente o seu corpo e transformá-lo num gênio da escrita.)

Dica:

O segredo de como escrever um texto de sucesso toda vez que fizer o mesmo ritual é a consistência. Você precisa insistir e repetir os mesmos passos regularmente para fazer a estratégia funcionar. Não importa se você escreve todo dia ou só de vez em quando: a sua missão é criar um ritual de escrita, colocá-lo em prática e repeti-lo quantas vezes for preciso.

4. Desligue o celular

Que a distração é a pior inimiga da produtividade você já sabe. Mas qualquer procrastinador de carteirinha pode confirmar ainda que, quando você está sentado na frente do computador, prontinho para escrever, é impossível que não apareçam pequenas — e infinitas — tarefas que começam a exigir sua atenção imediata.

Sua caixa de Spam de repente se torna a coisa mais fascinante do mundo. Os objetos sobre a sua mesa imploram para ser reorganizados agora, antes que você faça qualquer outra coisa. Acredite, você pode ficar até mesmo tentado a revisar seus extratos bancários e checar seu imposto de renda. Mas para escrever um post brilhante, você precisa de foco e atenção.

É preciso concentrar o cérebro na tarefa que você tem em mãos e resistir bravamente ao impulso de se deixar distrair com as inúmeras tentações a sua volta, principalmente os aparelhos eletrônicos que não param de vibrar e apitar, pedindo quase de joelhos para que você confira uma mensagem, notificação ou e-mail.

Mas o maior problema é que justamente a parte do cérebro de que você mais precisa para se concentrar na complexa tarefa de escrever — o córtex pré-frontal — é a zona da sua massa cinzenta que é mais facilmente distraída por estímulos como esses.

Sim, seu córtex pré-frontal adora uma distração, especialmente quando se trata de alguma coisa nova e divertida, como vídeos de gatinhos e gifs da sua série favorita.

E também não vale achar que é só ligar o “modo multitarefa”. Toda vez que você se distrai da missão de escrever seu post, perde foco e produtividade. E aí com cada deslize, demora mais e mais tempo para que o cérebro volte para o trabalho.

Aliás, alguns estudos têm demonstrado que esse negócio de “multitarefa” sequer existe, pelo menos não quando estamos falando do cérebro. Nossos neurônios não dão conta de fazer duas coisas ao mesmo tempo: eles só conseguem mudar de uma tarefa para a outra, só que — vamos combinar — isso é não só ineficiente como, ainda, desgastante.

Dica:

Para aumentar a sua eficiência, elimine o máximo possível as distrações do seu espaço de trabalho. Desligue o smartphone (esconda-o, se precisar!), utilize apenas os aplicativos e programas de que você realmente precisa para escrever, ou configure um programa como o StayFocused, que bloqueia os sites indicados por você como desperdiçadores de tempo.

Outra estratégia para gerenciar seus devaneios e evitar que seu cérebro perca foco é tentar prestar atenção na sua atenção. Reconheça que sua mente vai, sim, divagar, e que você vai se distrair inevitavelmente, sobretudo quando está escrevendo um texto mais desafiador.

A partir disso, quando você perceber que está involuntariamente pensando em outra coisa ou procurando alguma distração, lembre-se de que isso é normal e, suavemente, traga a sua atenção de volta para a escrita.

5. Encontre o seu fluxo

Existe um fenômeno psicológico chamado fluxo de que você talvez já tenha ouvido falar. Quando você está num fluxo (conhecido também como zona), está em um estado de consciência ideal para cumprir tarefas e, ainda, conta com um bônus de bem-estar natural.

É quando você praticamente não está pensando: só está fazendo. Nessas horas, o tempo voa! Nada o distrai e a qualidade da sua produção é incomparável. Quando você está no fluxo, você está pegando fogo!

Quando estamos no fluxo, também perdemos a inibição sobre o que estamos fazendo: um pedacinho especialmente chato do nosso córtex pré-frontal se desliga e acalma nosso crítico interior. Ficamos livres para sermos mais criativo, pensarmos mais expansivamente e nos preocuparmos menos com o que estamos escrevendo e sua qualidade.

A experiência de fluxo também causa toda uma avalanche de hormônios da felicidade e neuroquímicos que, liberados no cérebro, aumentam ainda mais nossa produtividade ao mesmo tempo em que nos fazem sentir bem. Enfim, é uma maravilha!

Dica:

Para encontrar o seu fluxo, você precisa obter o equilíbrio exato entre desafio e habilidade em uma tarefa. A característica desafiadora em uma tarefa aumenta as chances de que você caia em um fluxo e fique nele. Quando não está sendo desafiado, você fica entediado, e o tédio leva-o à distração.

Por outro lado, quando o desafio é grande demais e você sente que suas habilidades não estão à altura da tarefa, bate aquela ansiedade, e aí você também não consegue trabalhar de maneira eficiente

Treinar seu foco e atenção quando você está escrevendo também vai ajudar. Fugir das distrações e ficar atento e focado irá melhorar suas chances de entrar no estado de fluxo.

Por fim, faça o que você ama, sempre que puder. Um “bom trabalho”, segundo os psicólogos positivos, alinha os nossos pontos fortes, interesses, valores e senso de significado e propósito. É o tipo de trabalho que nos envolve totalmente. Quando você se dedica ao que ama, entra no caminho certo para atingir o fluxo e escrever posts campeões!

Gostou deste conteúdo? Se quiser saber mais sobre como escrever um texto matador, confira também nosso e-book sobre produção de conteúdo para a web e continue ligado aqui no blog!