Por Juliana Pires

Publicado em 06/07/2018. | Atualizado em 26/03/2019


Toda semana, elegemos um freela para escrever para a gente com pauta livre. Assim, conhecemos melhor a nossa Comunidade e você também. Essa é a história da Juliana Pires. Confira ;)

Lá em 2012, eu, com meus recém completados 18 aninhos, já tinha um plano infalível para o futuro:

Passaria os próximos 4 anos no curso de Propaganda e Marketing, arrumaria um estágio bem bacaninha que ia me dar toda a experiência que eu precisava e, depois do temido TCC, eu já estaria pronta para assumir os cargos mais altos e ganhar os melhores salários.

Tudo aconteceu do jeitinho que eu tinha imaginado, só que não. Na realidade, tudo aconteceu totalmente ao contrário.

Começando pelos processos seletivos, que duravam quase um mês, uma vaga era disputada por 7644568 pessoas e a empresa colocava a experiência como um diferencial — oi? Não era pra isso que o estágio servia?

Passando essa fase, se você não tiver 10 anos de experiência, falar pelo menos 3 idiomas fluentemente e possuir vivência no exterior, é bem provável que seu salário não se destaque muito entre os salários da maioria dos brasileirinhos por um bom tempo.

Como diz o Coldplay: “nobody said it was easy, no one ever said it would be so hard”. A essa altura, eu já estava imaginando como é que eu ia conseguir atingir todos os outros objetivos da minha vida.


Foi aí que os freelas apareceram como uma alternativa muito bacana, não só de ganhar dinheiro, mas também de ganhar experiência.

Quem escolhe trabalhar no regime CLT e fazer qualquer trabalho como freelancer nas horas vagas, sabe como pode ser desafiador conciliar as duas atividades.

Foi por isso que eu tive que adotar algumas regras para fazer tudo funcionar e é sobre isso que eu vou falar hoje. Quer saber como eu me viro e consigo conciliar a vida de freelancer com CLT? Então continua lendo esse post!

Eu não pego mais freelas do que eu posso entregar

É normal que a gente fique meio deslumbrado quando começa a ter acesso a uma variedade de trabalhos e acabe querendo pegar todos de uma vez, mas isso vai gerar uma série de problemas para você.

O primeiro problema que você provavelmente enfrentará será em relação aos prazos de entrega.


Mais cedo ou mais tarde, algum imprevisto vai acabar fazendo com que você precise pedir mais prazo para seu cliente ou para a empresa com quem você trabalha. Com o tempo, a recorrência pode manchar sua reputação como freelancer.

O segundo problema provavelmente será a falta de qualidade no seu trabalho, afinal, você vai precisar correr para entregar tudo a tempo e é aí que os erros acabam passando despercebidos aos seus olhos.

Isso aumenta o retrabalho e ocupa o tempo que você poderia dedicar a outros freelas.

Seu terceiro problema será o estresse. Se você trabalha ao menos 8 horas por dia, é provável que use seu tempo livre para os freelas. Ocupar 100% do seu tempo trabalhando vai te deixar de saco cheio de qualquer coisa.

Eu evito fazer freelas no meu ambiente de trabalho

Pode parecer uma dica óbvia, mas quando você perceber, já estará usando qualquer minuto livre para dar uma olhadinha naquele freela que está quase acabado e você precisa entregar ainda hoje.

Claro que, hoje em dia, muitas empresas não têm mais a preocupação de monitorar o colaborador, desde que ele entregue resultados. Mesmo assim, não será agradável se um dia você for pego ajustando aquele freela enquanto deveria estar fazendo um relatório importante.

Além do mais, qualquer mudança na sua produtividade será motivo para culparem os pobres freelas.

Eu luto bravamente contra a procrastinação

Quem trabalha com freela sabe o quanto a procrastinação é um problema. Ela se torna um peso ainda maior quando você precisa usar seu tempo livre do trabalho para trabalhar mais.

Quem concilia CLT com freela precisa fugir ao máximo do hábito de deixar tudo para cima da hora. Pode ter certeza que, tudo o que pode dar errado quando você deixa para fazer um trabalho correndo, vai acontecer.


A energia acaba, a internet cai, seu chefe te manda para um evento que vai durar o dia inteiro de última hora ou resolve fazer uma reunião sem fim — sim, tudo isso já aconteceu comigo.

Independente do tamanho do prazo, antecipe ao máximo seus freelas e sua sanidade mental estará garantida.

Eu procuro melhorar minha produtividade sempre

A expressão “tempo é dinheiro” é um dos maiores lemas de um freelancer. Afinal, você ganha de acordo com o que produz. Se você trabalha o dia inteiro e só pode dedicar as horas vagas para fazer um dinheirinho a mais, isso significa que quanto mais rápido você conseguir finalizar seu trabalho, melhor.

Melhor não só porque você ganhará mais dinheiro, mas também porque você terá mais tempo para você e não vai se sentir tão sobrecarregado.

Entregar trabalhos mais rápido, e com a mesma qualidade, é uma questão de tempo. Quanto mais você pratica, mais intuitivo o trabalho fica.

É legal procurar especializações também. Isso ajuda a abrir a mente, torna seu trabalho mais rico e profissional.

Eu procuro freelas que tenham a ver com meu trabalho

Essa é outra dica que pode parecer um pouco óbvia, mas que faz uma diferença danada para você, principalmente no quesito produtividade, que acabamos de ver no tópico anterior.

Se você domina um determinado assunto, convive com ele diariamente, será muito mais fácil produzir seus freelas.

Isso não quer dizer que você não possa ser um professor de inglês que faz freelas de diagramação. Apenas quer dizer que, se você for um professor de inglês que faz freelas de tradução, seu tempo será mega otimizado.

Eu procuro entender quando é hora de parar

Essa dica é importante, principalmente para as pessoas que não têm a intenção de abandonar seus empregos formais para viver de freela. O dinheiro que você recebe pelos trabalhos é gratificante — e viciante.

Se você está participando de um projeto importante dentro da empresa ou está sendo cobrado por mais resultados, ou até mesmo se você decidiu voltar a estudar e vai passar um tempo dedicando seu tempo a aprender, talvez seja hora de dar um tempo.

Não é legal dever entregas para a empresa onde você trabalha formalmente e é pior ainda ficar devendo para seus clientes de freela. Afinal, você se comprometeu a entregar um trabalho que tem importância na vida de alguém.

Aprenda a priorizar o que tem importância em cada momento e procure equilibrar suas escolhas de acordo com seus objetivos. Não há nada de errado em dar um tempo e, quando você decidir voltar, sempre terá um freela esperando por você!

Se você, assim como o Julius, resolveu ter dois empregos, provavelmente você conhece — ou conhecerá — todos esses obstáculos.


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *