Por Izabela Brant

Designer, pós-graduanda em UX e não vive sem água com gás com gelo e limão.

Publicado em 31/07/2020. | Atualizado em 31/07/2020


Quer alavancar sua carreira de designer freelancer, mas não sabe por onde começar? Neste post, vamos falar sobre como se preparar para o mercado: quais cursos fazer, as áreas do design, as principais ferramentas e as oportunidades que estão em alta!

Você sabia que o design é considerado uma profissão do futuro? Em um mundo em constante transformação e aumento exponencial do uso de tecnologias — afinal, a revolução digital já é uma realidade! —, as oportunidades de atuação do designer freelancer têm crescido e se expandido.

Desde as pequenas empresas e negócios locais até as grandes corporações, todos precisam e se beneficiam do design. Já parou pra pensar na quantidade de oportunidades que existem nesse mercado?

Neste artigo, você verá o que é necessário para se destacar no mercado e fazer decolar a sua carreira de designer. Acompanhe!

1. Principais formações de um designer freelancer

Para ser um designer freelancer, você deve acompanhar as tendências de design (sim, essas tendências existem, assim como no design de moda) e buscar cursos e formação continuada para nunca deixar de aprender. Não existe um único caminho, mas vários fatores devem ser levados em consideração na hora de fazer suas escolhas para se profissionalizar e atuar como um designer freelancer.

1.1 Curso livre e técnico

Cursos livres e técnicos geralmente contam com uma pequena duração e têm como objetivo ensinar aos alunos alguma coisa bem específica: pode ser o uso de ferramentas (como Photoshop ou Illustrator, por exemplo), alguma metodologia (Design Thinking) ou um recorte de alguma das áreas específicas do design. Esses cursos não são profissionalizantes, e o certificado normalmente é expedido pela própria instituição.

Mesmo aqueles que já têm bacharelado ou graduação tecnológica podem se beneficiar — e muito — dos cursos técnicos e livres como forma de ampliar os conhecimentos na área, aprender sobre novas ferramentas ou softwares e se aprofundar e atualizar em assuntos específicos.

1.2 Tecnólogo

Já o curso tecnólogo em design é reconhecido pelo MEC e considerado um curso superior — ou seja, o aluno recebe um diploma de graduação após concluir o curso. A duração é de, em média, dois anos, e o foco é o conhecimento prático. Por isso, espere muitas aulas de software e execução de vários projetos ao longo do curso.

 1.3 Graduação

Os cursos de graduação são de longa duração (normalmente têm entre quatro e cinco anos) e também dão ao aluno um diploma de ensino superior. Ao contrário dos cursos tecnológicos, voltados para a prática, os cursos de graduação normalmente buscam dar aos alunos um conhecimento teórico muito extenso e robusto.

Espere conhecer — e ler — os principais autores e pesquisadores da área e envolver-se em projetos multidisciplinares, em pesquisa e em muita produção de conhecimento.

1.3.1 Design

Atualmente, na maioria das faculdades brasileiras, o aluno já precisa escolher em qual área do design quer seguir antes de ingressar na graduação. Já no exterior, o aluno ingressa no curso de design mais generalista e, após cursar as matérias básicas, escolhe sua trilha de carreira para direcionar seus estudos a alguma área específica.

Esse modelo de estudos já começou a ser oferecido por algumas universidades brasileiras e deve ser tendência para o futuro, pois possibilita que o aluno tenha contato com as diversas áreas de conhecimento antes de tomar uma decisão.

Veja, a seguir, quais são as principais áreas de atuação de um designer.

1.3.1.1 Gráfico

O design gráfico — podendo ser chamado também de desenho industrial — é a área de design dedicada às peças gráficas, sejam elas impressas ou digitais, que compõem um sistema de comunicação.

Panfletos, encartes, placas de sinalização, embalagens, livros, revistas, e-books, identidades visuais, sites, aplicativos, jogos, animações e tipografias são alguns exemplos de peças gráficas que são estudadas e produzidas por um designer gráfico.

É uma área bastante ampla e complexa, que engloba uma série de outras áreas mais específicas de atuação — como design editorial, branding ou design de interfaces, por exemplo.

1.3.1.2 Moda

O design de moda é um curso voltado para o processo criativo de peças e coleções de roupas e acessórios, bem como para a gestão de negócios de moda. Nesse caso, o designer pode atuar como estilista (responsável por projetar as peças e as coleções em todas as suas etapas criativas), pesquisador da área ou gestor de negócios, acompanhando processos industriais e comerciais.

O design de moda também está presente na concepção e na elaboração de figurinos para TV, teatro e cinema.

1.3.1.3 Interiores

Já no curso de design de interiores — em alguns lugares pode ser chamado de design para construção — as relações entre o homem e o espaço que ele ocupa serão estudadas e projetadas.

O estudante será capaz de desenvolver projetos de ambientes internos, externos, comerciais, residenciais e até mesmo industriais.

1.3.1.4 Produto

Como o próprio nome diz, o curso de design de produto prepara o aluno para projetar e desenvolver vários tipos de produtos, como objetos, produtos digitais, móveis, joias, veículos etc., desde a sua concepção até o seu lançamento.

1.3.2 Outras áreas relacionadas

Uma coisa interessante de destacar é que nem todos os designers têm formação na área específica de atuação. Muitos profissionais de áreas correlatas acabam migrando para o design e constroem carreiras sólidas na área.

Afinal de contas, o mais importante aqui é o domínio e a habilidade técnica no uso das ferramentas, além do bom senso estético — que resultam em boas entregas —, independentemente do diploma, não é mesmo?

Veja, logo abaixo, alguns cursos que têm atuação bem próxima das diversas áreas do design e são responsáveis pela formação de excelentes profissionais.

1.3.2.1 Publicidades e propaganda

O curso de Publicidade e Propaganda forma profissionais para atuar no mercado publicitário das mais variadas maneiras: em agências on-line e off-line, no desenvolvimento de projetos de comunicação para diferentes mídias, nas pesquisas de mercado e opinião e no desenvolvimento de campanhas.

O mercado publicitário está diretamente ligado ao universo do design gráfico, com os profissionais dessa área atuando de maneira conjunta na criação de campanhas e sistemas de comunicação.

1.3.2.2 Cinema e audiovisual

O curso de bacharelado em Cinema e Audiovisual possibilita ao aluno aprender diversas técnicas e formatos de comunicação e produção audiovisual, como filmes, séries, documentários, animações, vídeos publicitários, institucionais e jornalísticos, vinhetas, entre outros.

O profissional domina os processos que incluem direção, roteirização, produção, iluminação, direção de arte, fotografia, edição e demais etapas da produção de vídeos.

1.3.2.3 Belas artes

O curso de Belas Artes — ou Artes Plásticas — engloba toda as formas e modalidades de expressão artísticas, como o teatro, a dança, a música e as artes visuais (por exemplo, pintura, escultura, design, desenho, gravura, fotografia etc). O curso é de longa duração, entre quatro e cinco anos. Normalmente, o aluno precisa escolher uma trilha de carreira antes de ingressar na universidade.

O profissional de arte é capaz não somente de executar peças e se expressar artisticamente, usando diversas técnicas, como tem também um olhar crítico sobre a arte e o conhecimento teórico e histórico. Em alguns casos, os profissionais têm também o título de Licenciatura em Educação Artística, podendo atuar na docência.

2. Principais possibilidades de atuação

Independentemente da formação, todo designer freelancer tem um leque quase infinito de possibilidades de atuação. O que importa aqui são as preferências e as habilidades técnicas de cada um, podendo um mesmo designer se especializar e conseguir atuar em alto nível em diversas áreas. Vamos destacar algumas delas.

2.1 Audiovisual

No audiovisual, o designer pode atuar desde o momento da concepção do projeto — trabalhando no roteiro e no storytelling, por exemplo — até o momento da produção e finalização de um vídeo ou animação.

Entre as técnicas utilizadas, a mais difundida é conhecida como Motion Design ou Motion Graphics, que consiste na criação e na animação de personagens (ou Character Design), elementos gráficos, tipografia etc., para a produção de vinhetas, inserção de elementos gráficos ao longo de um vídeo, microinterações em interfaces e até mesmo a criação de animações completas.

2.2 Editorial

O design editorial é tudo aquilo que envolve o design nos processos de editoração, como criação de projeto gráfico e diagramação de livros, jornais e revistas, sejam eles físicos ou digitais. Os profissionais do design gráfico atuam dentro de editoras, agências ou até mesmo como freelancers. Eles precisam estar sempre atentos às tendências da área, dominar softwares como o InDesign e ter um conhecimento sólido em tipografia e produção gráfica.

2.3 Branding

Branding é a gestão da estratégia de marca de uma empresa. Um designer que trabalha nessa área é responsável não somente pelo desenvolvimento e pela aplicação da identidade visual, mas também por todos os processos capazes de construir e manter a reputação da marca no mercado, envolvendo o propósito, o posicionamento, os valores e a identidade — ou seja, como a marca se comunica com o seu público e como é vista por ele.

2.4 Outros

Outras áreas de atuação do designer são: UX/UI, ilustração e edição de imagens, pesquisa e docência, design de jogos e produção gráfica.

O web designer, ou seja, o profissional que atua como designer de peças digitais voltadas para o ambiente da internet, também é um designer gráfico.

3. Principais modalidades para um designer na Rock Content

Na Rock Content, um designer freelancer tem a possibilidade de atuar em diversas modalidades. Veja a seguir.

3.1 Redação

Acha que o trabalho do designer é apenas produzir peças gráficas? Saiba que a produção de conhecimento por meio de textos e artigos, por exemplo, também é uma possibilidade de atuação para esse profissional. Afinal, quem melhor para falar de design do que alguém da área?

Na Rock Content, existem várias categorias de redação. Entre elas, algumas podem ser exploradas pelo designer freelancer. Confira abaixo.

3.1.1 Design

Textos sobre a área de forma geral, ferramentas, técnicas, tendências, softwares, designers famosos e novidades no mundo do design.

3.1.2 Fotografia

Gosta de fotografia? Domina as técnicas e os princípios básicos? Conhece vários fotógrafos incríveis? Que tal escrever sobre o tema?

3.1.3 Roteiro de vídeo

Quer trabalhar com Motion Design, mas prefere se envolver mais na parte da concepção do vídeo do que mexer nos softwares de animação? Essa categoria é pra você!

Na produção do roteiro, você vai pensar nas cenas, diálogos, tom de voz, cenários e todos os detalhes do vídeo a ser produzido, direcionando os demais profissionais envolvidos no processo e sendo o fio condutor de todo o projeto.

3.2 Design

Pra quem é mais mão na massa e gosta de se envolver na produção de peças gráficas, as oportunidades de atuação como designer freelancer são muitas e para todos os tipos de habilidades, por exemplo:

  • diagramação;
  • e-book;
  • edição audiovisual;
  • freelancer de UX/UI Design;
  • imagem;
  • storyboard;
  • vídeo com template;
  • criação de infográfico;
  • criação de vídeo com template.

Cada uma dessas peças exige do designer freelancer algumas habilidades específicas, conhecimento na área e também domínio de softwares e ferramentas de design gráfico.

É importante entender quais ferramentas de designer são adequadas para cada tipo de conteúdo e também saber usar os softwares em suas versões mais atuais.

3.2.1 Story animado

Essa é uma das categorias com mais oportunidades atualmente. A produção de stories animados exige do designer freelancer um nível de conhecimento básico. A produção acontece no After Effects, e o resultado final são arquivos animados no formato GIF. O story animado é uma chamada visual para divulgar os conteúdos e materiais ricos no Instagram de uma marca e, dessa forma, chamar a atenção da audiência daquela conta.

3.2.2 Infográfico animado

O infográfico animado nada mais é que uma versão animada de uma infografia, que consiste em uma peça gráfica que reúne informações textuais e numéricas com informações visuais (como ilustrações e gráficos), tornando um conteúdo mais fácil de ser consumido. 

A Rock Content está com bastante demanda para essa modalidade, que exige do designer conhecimentos avançados em After Effects e Illustrator. Ele receberá o infográfico pronto em formato aberto do Illustrator (.ai) e precisará animá-lo. O arquivo final também é em GIF.

3.2.3 Designer de redes sociais

O designer para redes sociais precisa ter conhecimentos mais gerais, de nível intermediário, nos softwares Photoshop e Illustrator. Ele será responsável por criar várias peças para redes sociais a partir de templates preestabelecidos, com as informações de cada marca. Os arquivos finais são em formato PNG.

3.2.4 Vídeo personalizado

O vídeo personalizado requer do designer freelancer um nível avançado de conhecimentos em After Effects e Illustrator, pois ele será responsável por criar, do zero, vídeos totalmente exclusivos e customizados para cada projeto, a partir de um storyboard pronto (mas o designer também pode produzi-lo, caso deseje!).

É importante também que o designer estude e leve em consideração, em sua produção, o manual da marca de cada empresa, respeitando sua identidade visual e usando seus elementos. As demais informações do vídeo poderão ser consultadas na pauta e no briefing do conteúdo.

3.2.5 CTA animado

Por fim, no CTA animado, o designer freelancer será responsável por animar as peças de CTA — ou Call to Action — de um projeto. Para isso, ele deve saber usar o After Effects e o Illustrator em nível intermediário. O arquivo final é um GIF animado.

Agora que você já sabe os vários caminhos possíveis para se tornar um designer freelancer, as ferramentas e softwares que precisa conhecer e dominar e também as áreas de atuação em design que estão com mais oportunidades na Rock Content, que tal enviar sua candidatura para essas modalidades e ganhar um dinheirinho extra?

Ainda não faz parte da nossa incrível Rede de Talentos? Cadastre-se em nosso Banco de Talentos e se junte a milhares de profissionais independentes que estão levando suas carreiras para o nível mais alto. Procuramos profissionais engajados, que tenham CNPJ e estejam aptos a emitir notas fiscais. Que tal embarcar nessa com a gente?

Comunidade Rock Content - Faça parte da maior base de freelancers do BrasilPowered by Rock Convert

Posts populares com esse assunto