Por Murillo Leal

Jornalista, Palestrante e Top Voice Linkedin 2016 com mais de 225 mil seguidores. Trabalhou em jornais, portais e agências web, produziu programas de televisão e internet. Fundou a Staff Digital, uma empresa focada em educação corporativa, serviços digitais e consultoria. Em 2015, criou, um site de sucesso sobre casamento e relacionamentos. Citado nas revistas: Pequenas empresas & Grandes Negócios; Adnews e Exame

Publicado em 13/09/2018. | Atualizado em 08/02/2019


Encontrar atalhos para ter resultados mais rápido é sempre sedutor, mas, a longo prazo, usar bots no LinkedIn vai comprometer todo o seu networking e seus potenciais negócios. Será que vale mesmo a pena?

Não é inteligente usar bots para engajar no Linkedin. Não falo como Top Voice, falo como amigo e usuário. Vou te explicar a razão.

Vejo que existem muitos super gurus de Linkedin. Eles descobriram um nicho de mercado para vender produtos, eventos e cursos prometendo um crescimento na rede por meio de ferramentas, técnicas, utilização de automação e recursos de interação com big data e bots. Não caia nessa, por favor.

Antes, um adendo. Todo mundo pergunta-me como atingi mais de 320 mil seguidores nessa rede e qual é o segredo para engajar este público todo aqui. Realmente, não existe uma fórmula mágica mais assertiva de sucesso por aqui. Falando do meu caso, acredito que seja: O meu conteúdo foi o que fez a total diferençaSem truques, sem métodos, sem medo de ser a gente mesmo. (Até porque não sabia que meu conteúdo ia ter essa grandeza toda)

Comprometi-me a criar conteúdos que ajudasse pessoas nas suas tarefas, nas suas crises, que trouxesse ferramentas para o dia-dia delas, e com isso, acabei engajando essa quantidade absurda de pessoas apenas gerando conexão, empatia, trazendo experiência e identificação de maneira natural.

Quando fazemos tudo dentro de boas práticas da rede o crescimento é natural. Atalhos são besteiras.

Vamos direto ao ponto!

Se você usa o LinkedIn para negócios e networking, precisa conhecer e trabalhar com as ferramentas que a própria rede disponibilizaIsso por si só, já encerraria a discussão. MAS, vamos lá, que a coisa é bem mais em baixo…

Explico as razões deste texto. Existe muita gente vendendo como ter mais resultados aqui, a loucura beira à demonstrar números exorbitantes, tanto de negócios gerados como a técnica como gráficos de visibilidade distorcidos. O problema é que as técnicas que vendem são extremamente invasivas, nocivas e perigosas.

Eles chamam as suas técnicas de Growth Hacking, mas qualquer um que bate o olho, sabe que seus argumentos não passam de tecnicas de marketing pessoal e um pouco de storytelling bem montado com o objetivo de ficar rico vendendo eventos e cursos.

Cada um é cada um. Mas, quando percebo que eles estão ganhando dinheiro de gente honesta e de boa fé, sinto-me obrigado a fazer a contra-mão. É mais que utilidade pública, é meu compromisso com o jornalismo e com essa rede que mudou minha vida.

Por isso, quero trazer aqui, recomendações que você não deveria fazer e que vão te levar pra uma cilada.

1. Usar bots não é seguro para seus dados

Eu sei que a sedução do crescimento rápido de base e a ansiedade de ver resultados te guiará a investir um dinheiro pesado em técnicas malucas de gente insana. Todo mundo quer ver resultados imediatos.

Bem, para começar, esta é uma péssima prática por um simples razão: Há restrições CLARAS na política de API sobre o uso desse tipo de coisa. É proibido:

“Copiar, adaptar, reformatar, fazer engenharia reversa, desmontar, descompilar, decifrar, traduzir ou modificar qualquer API, credencial de acesso, conteúdo, serviços, características de marca do LinkedIn ou outras informações ou serviços do LinkedIn, através de meios automatizados ou outros

Não acredita? Veja com os próprios olhos no link está aqui. Não caia nessa!

2. Não é uma prática recomendada e inteligente

Há um tempo atrás, recebi um e-mail marketing de um CEO de uma empresa bastante conhecida. Quando abri, vi que no corpo do texto, ele justificava que tinha pego meu contato no Linkedin.

Não importa, aceitá-lo em minha rede não o autoriza a mandar e-mail.

Fiquei me perguntando se ele não tinha passado um pouco dos limites. Resultado: Não vou comprar, nem fechar negócios com ele nunca.

3. Isso vai contra a permissividade e as diretrizes de privacidade dos usuários

Temos discutido muito sobre privacidade e dados no mundo inteiro nos últimos dias.

No nosso país, acabamos de iniciar um debate bem interessante sobre isso. Não faz sentido usar ferramentas de procedências duvidosas (e muitas vezes gringas) para fornecer dados pessoais, muito menos para invadir a privacidade de outra pessoa.

É perigoso, é ilegal, é arriscado, é completamente irresponsável alguém vender um método desse para times de vendas. Não forneça seus dados para bots. O resultado pode ser desastroso para sua reputação e para seu negócio.

4. É técnica de spam. Moderna, mas é.

Sabe quando seu amigo te oferece um novo negócio inovador e, no fundo, você vê que é um esquema de pirâmide disfarçado de outra roupagem? Então, aqui é o mesmo truque.

Sim. É o velho spam. É mesmo coisa que comprar um CD de mailing de um camelô no sinaleiro. Não é eficiente, não funciona de um modo legal.

A diferença é que custa bem mais caro, tem um nome bonito e promete uma entrega de leads qualificados que não é verdadeira.

Entenda de uma vez por todas: TODO MUNDO ODEIA SPAM.

5. Não gera contatos baseados em relacionamentos

O segredo do networking para gerar potenciais clientes e negócios não é ter mais contatos. Todo mundo sabe que é a capacidade de desenvolver contato certo que gera receita inteligente. Não há outra forma. Cliente conquistado é cliente fidelizado. Agora, cliente que vem de bot, vai fácil.

Não queira que um robô cuide do networking para você. E tem mais, se seus contatos perceberem seu truque, sua credibilidade vai despencar. Seja uma pessoa de verdade. De ponta a ponta. A pior coisa é seu cliente sentir-se enganado. Bots também falham.

6. Vender nunca foi sobre ser quantitativo, mas sim qualitativo

Você tem trinta mil pessoas conectadas no seu Linkedin (o máximo que a rede permite). Legal. Agora te pergunto: Será que você vai fechar negócios com todas essas pessoas? Por isso, não adianta encher sua conta de prospects se não vai dar conta de atender todos da melhor maneira possível.

É besteira se importar com o compromisso de ter apenas uma base cheia.

Uma das tendências de vendas que vemos crescer é justamente aprender a ser qualitativo com a sua lead e encantá-la. O novo cliente não quer simplesmente se conectar com gente interessada em fazer negócios com ele. Nem mesmo no Linkedin.

7. Vai vender muito, mas apenas uma vez

Essas técnicas podem realmente gerar um resultado de faturamento surpreendente, mas vai matar sua recorrência.

Você pode gerar uma explosão de vendas num primeiro momento, mas terá que sempre lidar com um mercado te enxergando como um fraudulento, como um invasor de privacidade, como um aproveitador, e em longo prazo, amigo, você vai perder negócio com a mesma velocidade que “ganhou”.

E este o futuro do seu negócio fica aonde? Vale a pena correr esse risco? Foi assim que as grandes empresas se sustentam no mercado? Como quer ser lembrado? Vale tudo por dinheiro? Aí, é uma questão de ética pessoal.

8. Alguns dos seus potenciais clientes vão te odiar para sempre

Você vai mesmo chegar em um monte de pessoas, mas não se esqueça que lead mal aproveitada, é lead insatisfeita. O que quer dizer que você vai gerar o mesmo tanto de clientes e de pessoas falando mal das técnicas de abordagem que você usa.

Uma hora, acredite, essa pirâmide vai inverter.

9. Você perde a humanidade do processo de vendas

Este ponto daria só um texto sobre ele. No entanto, você que é freelancer sabe bem do poder de pessoas e relacionamentos no seu negócio. Vamos pro último ponto que é o mais importante.

10. O Linkedin vai bloquear a sua conta

Aqui está o maior risco de todos. Não há dinheiro e faturamento que vale o custo da reputação digital.

O que os gurus de técnicas como essa não te falam é que:

Com toda certeza existe dentro do setor de engenharia de dados do próprio Linkedin um grupo de profissionais e algoritmos de alta complexidade observando esse comportamento nocivo às políticas e boas práticas da rede. Ele vai te achar!

Você vai ser pego! Uma hora a casa vai cair.

Diante disso, enquanto você estará desesperado para salvar seu negócio, seus dados, sua reputação, seu conteúdo, o tal picareta estará milionário em algum praia maravilhosa do mundo, gravando um vídeo dizendo que seu negócio é um sucesso. E você? Bem, você vai ter se arrependido tanto de ter buscado um atalho.

O que você pensa sobre este assunto? Dê seu pitaco aí.

Este artigo também pode ser lido aqui.

Aprenda sobre produção de conteúdo com um Top Voice Linkedin

Posts populares com esse assunto